crosscheckdeposited

Estudo sobre o Controle de Qualidade do Diagnóstico Parasitológico Direto da Leishmaniose Tegumentar Americana no Estado do Amapá no Período de 2007 a 2011

DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v4n1p45-49

http://periodicos.unifap.br/index.php/biota/index 

downloadpdf

Kellen C. I. Cardoso1, Nathalye D. Martins1 & Raimundo N. P. Souto2

 

Resumo: A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma doença endêmica na Região da Amazônia Legal, e mais particularmente no Amapá. Entre as estratégias implantadas pelo Ministério da Saúde para o controle desta doença destaca-se a implantação da Rede de Diagnóstico Laboratorial da LTA. Os laboratórios de cada município devem enviar 100% dos exames realizados para o controle de qualidade do Laboratório Central de Saúde Pública do Amapá (LACEN-AP). O objetivo deste trabalho foi avaliar qualitativamente o diagnóstico parasitológico direto das lâminas encaminhadas pelos microscopistas dos municípios ao LACEN- AP no período de 2007 a 2011. No total, foram examinadas, pelos técnicos do LACEN, 1.686 lâminas provenientes dos municípios do Oiapoque, Laranjal do Jari, Macapá, Porto Grande, Pedra Branca e Calçoene. Ao comparar as discordâncias de leitura nos exames de LTA entre os microscopistas dos laboratórios municipais e os do LACEN-AP, os resultados mostraram que das 1.686 lâminas analisadas 182 apresentaram discordâncias quanto aos resultados do diagnóstico; quanto a coloração e confecção o conceito regular foi observado respectivamente em 947 e 927 lâminas. A partir dos dados encontrados neste estudo evidenciou-se a necessidade de capacitação para os microscopistas e intensificação das supervisões aos laboratórios dos municípios que realizam o diagnóstico laboratorial para LTA no Estado. Constatou-se também que o controle de qualidade realizado pelo LACEN é extremamente importante para a obtenção de resultados com maior confiabilidade, ampliando-se assim o suporte as ações de vigilância da doença no Estado.

Palavras-chave: doença infecciosa, flebotomíneos, vigilância epidemiológica, Amazônia oriental.

 

Abstract: The American Cutaneous Leishmaniasis (ACL) is an infectious parasitic disease endemic in the Legal Amazon region, and more particularly in Amapá State, Brazil. Among the highlights strategies implemented by the Health Ministry to control the ACL is deployment of the Network of Laboratory Diagnosis of ACL. Each municipal laboratory must have to send 100% of the exams to the Quality Control Department of the Public Health Laboratory of Amapá (LACEN-AP). The aim of this study was to evaluate the quality control of slides sent to LACEN - AP by municipal microscopists in the period of 2007 to 2011. On the whole, 1686 slides were examined by microscopists of LACEN from Oiapoque Laranjal do Jari, Macapá, Porto Grande, Pedra Branca and Calçoene cities, 182 slides were desagrees as diagnosis; as coloring and making of slides, 947 and 927 slides obtained regular concept, respectively. The results of this study revealed the urgency of training to the microscopists and more supervision to the municipal laboratories that performing leishmaniasis diagnosis. The quality control performed by LACEN is extremely important to obtain results of greater reliability, thus extending the support for surveillance of the disease in the state of Amapá.

Key words: infectious disease, sandflies, epidemiological surveillance, eastern Amazon.

 

1 Laboratório Central de Saúde Pública do Amapá – Lacen/AP, Rua Tancredo Neves, n°1118, Bairro: São Lázaro, Macapá – AP, CEP: 68908-530. E-mail: kellemcardoso@yahoo.com.br; nathyedm@gmail.com
2 Universidade Federal do Amapá- Unifap, Rodovia Juscelino Kubisheck, Km 2 – Centro de Ciências Biológicas, Bairro: Universidade, Macapá – AP, CEP: 68900-000. E-mail: rnpsouto@unifap.br

 

Literatura Citada

AYRES, M. Bioestat 5.0. Sociedade Civil Mamirauá ∕ MCT ∕ CNPQ. Imprensa Oficial do Estado do Pará, Belém, Brasil, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Controle da Leishmaniose Tegumentar Americana. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde, 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Controle da Leishmaniose Tegumentar Americana. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 70, de 23 de dezembro de 2004. Estabelece os critérios e a sistemática para habilitação de Laboratórios de Referência Nacionais e Regional para as Redes Nacionais de Laboratórios de Vigilância Epidemiológica e Ambiental em saúde. 2004. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/portaria_n_70_2004.pdf > Acesso em: 12/12/2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.606, de 28 de dezembro de 2005. Classifica os Laboratórios Centrais de Saúde Pública e institui seu fator de incentivo. 2005. Disponível e m : http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2005/GM/GM-2606.htm > Acesso em: 29/11/2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 5, de 21 de fevereiro de 2006. Inclui doenças na relação nacional de notificação compulsória, define doenças de notificação imediata, relação dos resultados laboratoriais que devem ser notificados pelos Laboratórios de Referência Nacional ou Regional e normas para notificação de casos. 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis../svs/2006/prt0005_21_02_2006.html. Acesso em: 19/01/2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Vigilância da Leishmaniose Tegumentar Americana. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Vigilância da Leishmaniose Tegumentar Americana. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Situação do Amapá. Relatório. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde, 2011.

CHAVES, R. C. G. Estudo Epidemiológico da Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) no Estado do Amapá Estratificado em Regiões de Risco no Período de 2002 a 2006. (Dissertação de Mestrado). Belém: Universidade Federal do Pará, 2007.

GONTIJO, B.; CARVALHO, M. R. Leishmaniose Tegumentar Americana. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.36, p. 71-80, 2003. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822003000100011

LIMA, E. B.; PORTO, C.; MOTTA, J. O. C. Tratamento da Leishmaniose Tegumentar Americana. Revista Brasileira de Dermatologia, n. 82, p. 111-114,2007.

LOUREIRO, C. C. P.; DADALTI, P.; GUTIERREZ, M. C. G. Leishmaniose: métodos e diagnósticos. Folha Médica, v. 117, p. 131134,1998.

MORAIS, P. D. Geografia do Amapá. Macapá: Gráfica, 2011. p. 09-12.

NEVES, V. L. F. C.; GOMES, A. C.; ANTUNES, J. F. Correlação da presença de espécies de flebotomíneos com registros de casos da leishmaniose tegumentar americana no Estado de São Paulo, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 35, p.299-306. 2002.

SILVEIRA, A. F. Leishmaniose Cutânea Difusa (LCD) na Amazônia, Brasil: aspectos clínicos e epidemiológicos. Gazeta Médica da Bahia, n. 79, p. 25-29, 2009.