Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Teste de condutividade elétrica em função da pré-hidratação em sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.)

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.94-183-1

 

downloadpdf

Halissa M. A. Oliveira1, Hortência F. Dutra1, Fernando dos S. Araújo1, Mauro V. Pacheco1 & Luiz A. da S. Correia1

 

Resumo: Entre os métodos disponíveis para testar a qualidade das sementes, destacam-se os testes de germinação, testes de vigor e viabilidade como envelhecimento acelerado e condutividade elétrica. No presente trabalho objetivou-se verificar diferentes métodos de pré-hidratação em sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) com baixo teor de água, visando minimizar danos por embebição. As sementes com teor de água em torno de 9,6% foram submetidas aos tratamentos de pré-hidratação em atmosfera saturada e em substrato umedecido, em seguida realizado o teste de condutividade elétrica. Os tratamentos de pré-hidratação em substrato umedecido alcançaram os teores de água de 15 e 20% após 30 min e 2,5 h, respectivamente. Os tratamentos com atmosfera saturada obtiveram os teores de água de 12 e 15% nos seguintes períodos 3,5 e 10 horas. Sementes dispersas com teor de água em torno de 9,6% não necessitam de tratamentos de pré-hidratação antes do teste de condutividade elétrica.

Palavras-chave: Embebição; Teor de água; Vigor.

 

1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (hali_maya@hotmail.com; hortencia_dutra@hotmail.com; nandosantos005@hotmail.com; pachecomv@ufrnet.br; lasc.eng@gmail.com)

 

Literatura Citada

ARAUJO, Roberto F. et al. Teste de condutividade elétrica para sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.). Idesia, v. 29, n. 2, p.79-86, 2011. <http://dx.doi.org/10.4067/S0718-34292011000200010>.

BEWLEY, J. D..; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. New York: Plenum, 1994. 445 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília, DF: SNDA/DNDV/CLV, 2009. 389p.

COOLBEAR, P. Seed quality: basic mechanisms and agricultural implications. In: BARSA, A. S. (Ed.). Mechanisms of seed deterioration. New York: The Hawoeth Press Inc., 1995. p. 223-277.

CORRÊA, P. C.; AFONSO JÚNIOR, P. C. Uso do teste de condutividade elétrica na avaliação dos danos provocados por diferentes taxas de secagem em sementes de feijão. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande-PB, v. 1, n. 1, p. 21-26, 1999. Disponível em: <http://www.deag.ufcg.edu.br/rbpa/rev11/Art113.pdf>. Acesso em: 21 jul. 2014.

DIAS, D. C. F. S.; MARCOS FILHO, J. Testes de condutividade elétrica para avaliação do vigor de sementes de soja (Glycine max (L.) Merrill). Scientia Agricola, Piracicaba-SP, v. 51, n. 1, p.1-11, 1996. <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-90161996000100005>.

RODRIGUES, M. B. C. et al. Pré-hidratação em sementes de soja e eficiência do teste de condutividade elétrica. Revista Brasileira de Sementes, Brasília-DF, v. 28, n. 2, p. 168-181, 2006. <http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222006000200023>.

TAO, KAR-LING J. Factors causing variations in the conductivity test for soybean seeds. Journal of Seed Technology, v.3, n.1, p. 10-18, 1978. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/23432638>. Acesso em: 21 jul. 2014.

VIEIRA, R. D.; KRZYZANOWSKI, F. C. Teste de condutividade elétrica. In: VIEIRA, R. D.; KRZYZANOWSKI, F. C.; FRANÇA NETO, J. B. (Eds.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina-PR: ABRATES, 1999. cap. 4, p. 1-26.