Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Mediação de Conflitos: Um Olhar a Partir da Teoria dos Jogos

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/978-85-99924-85-3-8

 

downloadpdf 

Janine T. H. E. Borba1, William P. Fibrans2 & Thaise N. G. Costa3

 

Resumo: O presente artigo visa apontar qual a contribuição que a Teoria dos Jogos de John Nash pode dar aos meios autocompositivos de resolução de conflitos. Para tanto, a pesquisa foi realizada e desenvolvida com base nos métodos dedutivo e descritivo, a partir da leitura do Manual de Mediação Judicial do Conselho Nacional de Justiça, publicado em 2013, com foco no capítulo três, que discorre sobre a participação da Teoria dos Jogos de John Von Neumann. A mediação de conflitos pode utilizar-se de ferramentas adequadas para, em sessões individuais ou conjuntas, o mediador conseguir restabelecer o diálogo, a escuta ativa como forma de cooperação entre as partes, a fim de encontrar formão modo mais adequado de resolução de conflitos. A partir da criação do CNJ e da efetivação de Política Pública de autocomposição, instalou-se um novo paradigma no Poder Judiciário, estabelecendo uma função de centro de harmonização social, de tal modo que os seus usuários sintam-se satisfeitos com a prestação jurisdicional escolhida, por meio judicial ou extrajudicial.

Palavras-chave: Mediação. Autocomposição. Teoria. Jogos. Judicial. Extrajudicial.

 

Abstract: The aim of this article is to point out how the concept of Game Theory created by John Nash can contribute to a consensus-based form of dispute resolution, the Brazilian “autocomposição”. The Judicial Mediation Guidebook (Manual de Mediação Judicial) issued in 2013 by the CNJ – Brazilian National Council of Justice - has guided the development of this research, which has been conducted through deductive approach and descriptive research methods. This study has focused on the Chapter Three of this Guidebook, which elaborates on the collaboration of John Von Neumann to Game Theory. By using such concept as a tool, conflict mediation can be applied on individual or joint sessions. The mediator can re-establish communication between the parties and encourage active listening as a form of cooperation in order to find the most appropriate manner to resolve disputes. The Brazilian judiciary system has allowed a new paradigm from the CNJ’s Guidebook and a Public Policy on “autocomposição”, establishing social harmonization heart function and your users to feel satisfied with the chosen adjudication, either through judicial or extrajudicial means.

Key words: Mediation. Autocomposição. Game Theory. Judicial Means. Extrajudicial Means.

 

1 Acadêmica do 10º semestre do Curso de Direito da IMED. E-mail: <janinehomemborba@gmail.com>;.
2 Acadêmico do 10º semestre do Curso de Direito da IMED. E-mail: <williampicolofibrans@yahoo.com.br>;.
3 Doutoranda da Faculdade Estácio de Sá do Rio de Janeiro, estágio doutoral na Universidade de Coimbra – Portugal, com bolsa CAPES, no período 2014-2015. Mestre em Direito pela Universidade Federal do Paraná, advogada, mediadora judicial e professora de Direito Civil, Sucessões e Prática Jurídica IV (Mediação) – ênfase em Direitos Humanos, pesquisadora da IMED, membro-participante dos Grupos de Pesquisa Multiculturalismo, Minorias, Espaço Público e Sustentabilidade da IMED. E-mail: <thaisecosta@imed.edu.br>;.