Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Educação como Direito Fundamental na Sociedade Informacional: Novas Formas de Ensinar e Aprender

DOI: http://dx.doi.org/10.15602/1983-9480/cmedh.v15n31p81-91

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ipa/index.php/EDH/index 

downloadpdf

Nivaldo F. Dias1

 

Resumo: O presente artigo se propõe a discutir a educação como direito fundamental na Sociedade da Informação. Sabe-se que um novo paradigma tecnológico toma forma em todo mundo substituindo o modelo antigo da Revolução Industrial. Esse modelo, a partir dos últimos 25 anos do século vinte, revolucionou a comunicação a nível mundial. Vive-se, então, no século XXI, trocas de informações em tempo real e com velocidade nunca vista na história da humanidade. O ser humano nunca teve uma gama de informações e conhecimento à disposição como atualmente. A questão que se coloca é como lidar com essas tecnologias? É certo que esse novo paradigma que surge não é passageiro, ele vem para ficar e, também, não é estático, mas está em constante mudança, transformando vários aspectos da vida em sociedade, como a forma de aprender e conhecer.  Considerando a educação como direito fundamental, a pergunta como fazer educação neste novo cenário social torna-se um imperativo. Portanto, busca-se fazer um debate so81 bre como pensar proces os educativos na perspectiva da educação a distância. Quais os desafios colocados para a educação nesta nova dinâmica social? Utilizar essas tecnologias ou ficar com os velhos métodos como se fossem eternos e imutáveis? Faz-se necessário refletir sobre essa temática, uma vez que não se pode perder o bonde da história no que tange às transformações sociais. Assim, a educação necessita conhecer e colher o que tem de melhor na sociedade da informação, para poder se transformar e continuar a construir o conhecimento de forma ética e responsável.

Palavras-chave: Sociedade da informação - Novas tecnologias -Direito fundamental - Educação.

 

Abstract: The purpose of this article is discuss the education as a fundamental right in the information society. There is a new world paradigm being raised changing the old industrial revolution model. The beginning of this new model, since the last 25 years of the 20th century, is developing a revolution in world level communications. This present process made possible real time trades of information and in a never seen before velocity of contents. Until now human being never had before such wide range of information and knowledge to handle with. The question is: how could humanity handle with these new technologies? Certainly this new paradigm is not ephemeral, it remains as a new and permanent process, not static, always in transformation and changing all aspects of society life. Also are changed aspects of learning and knowledge. Considering education as a fundamental right, it is an imperative asking questions about how to do education. Therefore, this article aims set a debate about how are the possibilities to think educational processes in the distance education perspective. How are the setting challenges for education in that new social paradigm? Will it be possible working with those new technologies or we will remain working with old methods as those appear as eternal tools? It is necessary thinking with this theme once we could not lose history changes through social transformations. Therefore, education needs to know and collect the best of information society to be in order to change itself and continuing to build knowledge in responsible and ethic ways.

Key words: Information society - New technologies - Fundamental right education.

 

1 Agente da pastoral da Rede Metodista de Educação do Sul. Bacharel em Teologia, Advogado, Especialista em Direito Constitucional e Mestre em Direito pela UNISC.

 

Literatura Citada

ADOLFO, Luiz Gonzaga Silva. Obras privadas, benefícios coletivos: a dimensão pública do direito autoral na sociedade da informação. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 2008.

ASCENSÃO, José de Oliveira. A sociedade da informação. In: ASCENSÃO, José de Oliveira (org.). Direito da Sociedade da Informação Vol. I. Coimbra: Coimbra, 2006.

ASCENSÃO, José de Oliveira. Sociedade da informação e o mundo globalizado. Coimbra: Coimbra, 2002.

ASSMANN, Hugo. A metamorfose do aprender na sociedade da informação. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, p. 7-15, maio/ ago. 2000.

AZANHA, José Mario. Planos e Políticas de Educação no Brasil: Alguns Pontos para a Reflexão. In: Vários autores. Educação Básica: Políticas, Legislação e Gestão. São Paulo: Pioneira Thompsom Learning, 2004.

BOBBIO, Norberto. Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros, 2009.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da república Federativa do Brasil. Disponível em: <http://www.stf.gov.br> Acesso em: 20 de julho de 2011.

BRASIL, Lei nº 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em 2o jun. 2012.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Tradução Roneide Venancio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

CASTELLS, Manuel. Fluxos, Redes e Identidades: Uma Teoria Crítica da Sociedade Informacional. In. CASTELLS, Manuel (Coord.) – Novas Perspectivas Críticas em Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

CHAVES, Eduardo O C. Tecnologia na Educação, Ensino a Distância, e Aprendizagem Mediada pela Tecnologia: Conceituação Básica. In: Revista Educação da Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Ano III, Número 7, Novembro de 1999.

GORCZEVSKI, Clovis. Direitos Humanos, Educação e Cidadania: conhecer, educar, praticar. Santa Cruz do Sul/RS: Edunisc, 2009.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: 34, 2000.

MORAN, José Manuel. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias. In: Informática na Educação: Teoria & Prática vol. Porto Alegre, vol. 3, n.1 (set. 2000) UFRGS.

RECK, J. R. ; THIER, J. H. ; MORAES, L. C.O Conceito de Educação, a Liberdade de Expressão e a Participação da Comunidade nas Eleições Escolares. Revista Brasileira de Direito, v. V. 1, p. 1-12, 2011. http://dx.doi.org/10.18256/2238-0604/revistadedireito.v7n1p61-74

SARLET, A Eficácia dos Direitos Fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.

SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2006.91

SILVA, Alzira Karla Araújo da; CORREIA, Anna Elizabeth Galvão Coutinho; LIMA, Izabel França de. O conhecimento e as tecnologias na sociedade da informação. Revista Interamericana de Bibliotecología. Ene.-Jun. 2010, vol. 33, no. 1, p. 213-239.

TAKAHASHI, Tadao (org.) Sociedade da Informação no Brasil: Livro Verde. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, set. 2000. Disponível em: <http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/18878.html> Acesso em: 23 abr. 2012.