Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Análise Tafonômica e Taxonômica da Concentração de Invertebrados Fósseis do Topo da Formação Romualdo, Cretáceo Inferior da Bacia do Araripe em Araripe, Ceará (CE)

DOI: http://dx.doi.org/10.18190/1980-8208/estudosgeologicos.v24n1p53-64

https://www.ufpe.br/estudosgeologicos/ 

downloadpdf

Ludmila A. C. do Prado1,2, Priscilla A. Pereira1,2, Alexandre M. F. Sales3 & Alcina M. F. Barreto4

 

Resumo: Na Bacia Sedimentar do Araripe, as rochas que caracterizam a Formação Romualdo, Neoaptiano-Eoalbiano (Cretáceo Inferior), tiveram sua deposição em ambiente lagunar com influência marinha. No distrito de Brejinho, porção noroeste da bacia, município de Araripe (CE), foi encontrado um afloramento da Formação Romualdo, com concentração de conchas de moluscos (gastrópodes e biválvios) que possibilitou estudos tafonômicos. Nesse local, realizou-se: (1) coletas, seguindo procedimentos tafonômicos, (2) análises tafonômicas, (3) descrição de tafofácies, (4) identificação taxonômica e (5) interpretação paleoambiental. A análise tafonômica permitiu a caracterização de cinco tafofácies primariamente biogênicas, depositadas em condições de tempestades, que exibem em geral: fragmentação, variação de tamanho e distribuição complexa e caótica de bioclastos, tanto em planta como em seção e contatos bruscos e erosivos. Foram identificados gastrópodes da família Epitoniidae e do género Cerithium sp. e biválvios indeterminados. A identificação desses táxons sugere ambiente transicional a marinho raso. Os resultados dos dados paleontológicos do afloramento de Brejinho, em Araripe, corroboram com ação de tempestades em ambiente marinho raso e expandem os limites paleogeográficos da transgressão marinha Cretácea da Formação Romualdo, para noroeste da Bacia do Araripe.

Palavras-chave: Formação Romualdo, Tafofácies, Tempestitos, Moluscos, Transgressão marinha Cretácica.

 

Abstract: In Araripe Sedimentary Basin, the rocks that characterize the Romualdo Formation, Neoaptian-Eoalbian (Lower Cretaceous), had its deposition in a lagoon environment with marine influence. In the District of Brejinho, Northwest portion of the basin, Araripe city, Ceará State, found an outcrop of calcarenite Romualdo Formation, containing a concentration of fossil mollusks (gastropods and bivalves) that allowed taphonomic studies. At this site was performed (1) sample collection, following taphonomic procedures, (2) taphonomic analysis, (3) description pf taphofacies, (4) taxonomic identification and (5) interpretation of paleoenvironment. The taphonomic analysis allowed the characterization of five taphofacies, deposited in storm conditions, which in general: exhibit fragmentation, size variation and complex and chaotic distribution of bioclasts, both in plan and in section and sharp and erosive contacts. Gastropods from the family Epitoniidae and the genus Cerithium sp. were identified and, also, undetermined bivalves. The identification of these taxons suggest transitional to shallow marine environment. The results of paleontological data from the Brejinho outcrop in Araripe, corroborate the action of storms in the marine environment and expand the paleogeographic limits of Cretaceous transgression, Romualdo Formation, to the northwest of the basin.

Key words: Romualdo Formation, Taphofacies, Tempestites, Molluscs, Cretaceous marine transgression.

 

1 Programa de Pós-Graduação em Geociências, Universidade Federal de Pernambuco/UFPE, prado.lac@gmail.com, palbuquerquep@hotmail.com.
2 PALEOLAB - Laboratório de Paleontologia do Departamento de Geologia, Centro de Tecnologia e Geociências, Universidade Federal de Pernambuco.
3 Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Regional do Cariri/URCA, amfsales@uol.com.br.
4 Pesquisador do CNPq, alcinabarreto@gmail.com.

 

Literatura Citada

Arai,M. & Coimbra, J. C. 1990. Análise paleoecológica do registro das primeiras ingressões marinhas na Formação Santana (Cretáceo Inferior da Chapada do Araripe). In: I Simpósio Sobre a Bacia do Araripe e Bacias Interiores do Nordeste, 1990... Atas p. 225-239.

Assine, M. L. 1992. Análise estratigráfica da Bacia do Araripe, Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Geociências, 22 (3): 289-300.

Assine, M. L. 2007. Bacia do Araripe. Boletim de Geociências da Petrobrás, 15 (2):371-389.

Batista, M. E. P. 2011. Evidências de depósitos de tempestitos fossilí-feros cretáceos na região de Moreilândia, borda sul da Bacia do Araripe. Monografia de Gra-duação, Departamento de Ciên-cias Biológicas - URCA. 51 p.

Beurlen, K. 1964. As espécies dos Cassiopinae, nova subfamília dos Turritellidae, no Cretáceo do Brasil. Arquivos de Geologia, 5: 1-44.

Beurlen, K. 1962. A geologia da Chapada do Araripe. Anais Academia Brasileira de Ciências, 34 (3):365-370.

Beurlen, K. 1963. Geologia e estratigrafia da Chapada do Araripe. In: SBG XVII Congresso Nacional de Geologia, Recife, 1963... Anais 1 p. 47.

Beurlen, K. 1966. Novos Equinóides no Cretáceo do Nordeste do Brasil. Anais Academia Brasileira de Ciências, 38:455-464.

Beurlen, K. 1971. As condições ecológicas e faciológicas da Formação Santana na Chapada do Araripe (Nordeste do Brasil). Anais da Academia Brasileira de Ciências, 43: 411-415.

Bruno, A. P. & Hessel, M. P. 2006. Registros paleontológicos do Cretáceo marinho na Bacia do Araripe. Estudos Geológicos, 16 (1): 30 – 49.

DellaFávera, J. C. 1987. Tempestades como agentes de poluição ambiental e mortandade em massa no passado geológico: caso das formações Santana (Baciado Araripe) e Irati (Bacia do Paraná). Boletim de Geociências da Petrobras, 1(2): 239-240.

DellaFávera, J. C. 2001. Fundamentos da Estratigrafia Moderna. Rio de Janeiro: EdUERJ, 264 p.

Elementos de Estratigrafia. T. A. Queiroz, USP, São Paulo, 12: 566 p.

Flessa, K. W. & Kowaleski, M. 1994. Shell survival and time-averaging in nearshore and shelf environments: estimates from the radiocarbon literature. Lethaia, 27 (2): 153-165.

Fürsich, F. T. & Oschmann, W. 1993. Shell beds as tools in basin analysis: the Jurrasic Kachchh, western India. Journal of Geological Society, 150 (1): 169-185.

Ghiliardi, R. P. 1999. Paleoautoecologia dos bivalves do Grupo Passa Dois (Neopermiano), no Estado de São Paulo: bivalves fósseis como indicadores da dinâmica sedimentar. Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em Geociências - USP. 160 p.

Holz,M. & Simões, M. G. 2002. Elementos Fundamentais de Tafonomia. Porto Alegre: ed. Universidade Federal de Rio Grande do Sul, 231 p.

Keen, A. M. 1960. Sea Shells of Tropical West America. 1960. Stanford University Press, California, 624 p.

Kellner, A. W. A. 2002. Membro Romualdo da Formação Santana, Chapada do Araripe, CE – Um dos mais importantes depósitos fossilíferos do Cretáceo brasileiro. SIGEP 6 In: Schobbenhaus, C.; Campos, D. A.; Queiroz, E. T.; Winge, M.; Berbetborn, M. L. C. (Edits.) Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. 1. ed. Brasília: DNPM/CPRM – Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleontológicos (SIGEP), 2002. 01:121-130.

Kidwell, S. M. & Bosence, D. W. 1991; Taphonomy and time- averaging of marine shelly faunas. In: P. A. Allison & D. E. G. Briggs (eds.) Taphonomy: Releasing the data locked in the fossil record. Plenum Press p. 115-209.

Kidwell, S. M. & Holland, S. M. 1991. Field description of coarse bioclastic fabrics. Palaios, 6 (4): 426-434.

Kidwell, S. M., Fürsich, F. T., Aigner, T. 1986. Conceptual framework for the analysis of fossil concentrations. Palaios, 1: 228-238.

Lima, M. R. 1979. Considerações Sobre a Subdivisão Estratigráfica da Formação Santana- Cretáceo do Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Geociências, 9: 116 - 121

Mabesoone, J. M. & Tinoco, I. M. 1973. Paleoecology of the Aptian Santana Formation (Northeastern Brazil). Palaeogeography, Palaeclimatology, Palaeoecology, 14: 97-118.

Magalhães, J. & Mezzalira, S. 1953. Moluscos Fósseis do Brasil. Departamento de Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, 283 p.

Maisey, J. G. 1991. Santana Fossil an Illustrated Atlas. Tropical Fish Hobbyist Publications, 459 p.

Martill, D. M. 2007. The age of the Cretaceous Santana Formation fossil Konservat Lagerstätte of North - east Brazil: a historical review and an appraisal of the biochronostratigraphic utility of its palaeobiota. Cretaceous Research, 28: 895 - 920.

Maury, C. J. O. 1937. Cretáceo de Sergipe. Monografia do Serviço Geológico e Mineralógico, DNPM , 11: 283p+28pls.Mendes, J. C. 1984.

Neumann, V. H. & Cabrera, L. 1999. Una nueva propuesta estratigráfica para La tectonosecuencia post-rifte de lacuenca de Araripe, Noreste de Brasil. In: V Simpósio Cretáceo Brasileiro, 1999... Boletim de Resumo p. 279-285.

Oliveira, M. I. M. 1971. Contribuição ao estudo da malacofauna Intertidal de arrecifes de arenito do Nordeste brasileiro. Arquivo de Ciências, Câmara Cascudo, Rio Grande do Norte, 11 (2): 83-86.

Ponte, F. C. & Ponte Filho, F. C. 1996. Evolução tectônica e classificação da Bacia do Araripe. In: IV Simpósio sobre o Cretáceo do Brasil, 1996... Boletim p. 123-133.

Ponte, F. C. 1992. Origem e evolução das pequenas bacias cretácicas do interior do nordeste do Brasil. In: II Simpósio Sobre as Bacias Cretácicas Brasileiras, 1992... Resumos Expandidos p. 55-58.

Prado, L. A. C. 2012. Estudo tafonômico da concentração de moluscos fósseis do sítio Brejinho, Formação Santana, Bacia do Araripe, CE. Monografia de graduação, Departamento de Ciências Biológicas - URCA. 40 p.

Prado, L. A. C., Oliveira, J. O., Freitas, C. F., Fernandes, N. S., Sales, A. M. F., Batista, M. E. P. 2012. Novos achados tempestíticos com acumulações fossilíferas conchíferas do mar Albiano, Cretáceo da Bacia do Araripe, PE e CE: In: SBPC LXIV Reunião Anual da SBPC, 2012... Anais, p. 8201.

Sales, A. M. F. & Simões, M. G. 2000. Tafonomia como suporte a estudos estratigráficos: exemplo das concentrações fossilíferas de invertebrados da Formação Santana (Cretáceo), Bacia do Araripe, NE do Brasil. In: Paleo – 2000, SP... Boletim de Resumos p. 17.

Sales, A. M. F. & Simões, M. G. 2003. Análise tafonômica das concentrações fossilíferas de macroinvertebrados do Membro Romualdo (Albiano) da Formação Santana, Bacia do Araripe, NE do Brasil: significado estratigráfico, temporal e paleoambiental. In: II Workshop Científico de Pós –Graduação do IGc – USP. São Paulo, SP... Boletim de Resumos p. 08.

Sales,A. M. F. 2005. Análise tafonômica das ocorrências fossilíferas de macroinvertebrados do Membro Romualdo (Albiano) da Formação Santana, Bacia do Araripe, NE do Brasil: significado estratigráfico e paleoambiental. Tese de doutorado, Pós-graduação em Geociências - USP. 160 p.

Sales, A. M. F., Ghilardi, R. P., Lima Filho, F. P. 1999. Sobre as coquinas calcáreas do Membro Romulado, Formação Santana (Cretáceo) Bacia do Araripe, uma contribuição estratigráfica. In: X Congresso Brasileiro de Paleontologia... Resumos, 93 p.

Santos, M. E. C. M. 1982. Ambiente deposicional da Formação Santana, Chapada do Araripe (PE, PI,CE). In: SBG XXXII Congresso Brasileiro de Geologia, 1982... Anais 3 p. 1412-1426.

Silva-Santos, R. & Valença, J.G. 1968. A Formação Santana e sua paleoictiofauna. Anais da AcademiaBrasileira de Ciências, 40(3): 339-358.

Simões, M. G. & Ghilardi, R. P. 2000. Protocolo tafonômico/paleoautológico como ferramenta nas análises paleossinecológicas: exemplos de aplicação em concentrações fossilíferas do Paleozóico da Bacia do Paraná. Pesquisas em Geociências, 27 (2): 3-13.

Simone, L. R. L. & Mezzalira, S. 1994. Fossil Molluscs of Brasil. Boletim do Instituto Geológico 11 p. 202.

Soares, R. C. 2013. Gênese dos níveis coquinóides do Membro Romualdo, Formação Santana na porção central e leste da Bacia do Araripe. Dissertação de mestrado, Pós-graduação em Geologia - UFC. 76 p.

Speyer, S. E. & Brett, C. E. 1988. Taphofacies models for sea enviroments: middle Paleozoic examples. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeocology, 63: 225-262.

Stanton, T. W. 1947. Studies of some Comanche Pelecypods and Gastropods. United States Government printing office, Washington, 253 p.

Viana, M. S. S. 1998. The Proto-Atlantic Albian way and its influence on the South American-African life. In: Boletin de la Asociación Paleontológica del Golfo San Jorge (Edición Especial), 2 (1): 32-34.

Wenz, W. 1944. Gastropoda Teil I: Allgemeiner und Prosobranchia. In: Schindewolf, O. H., Handbuch der Palaozoologie. Berlin, 1639 p.

White, C. A. 1887. Contribuições a Paleontologia do Brasil. Arquivos do Museu Nacional, 7: 273p+28pls.

Conquiliologistas do Brasil. Disponível em: <http://conchasbrasil.org.br/>. Acessado em 28 de Abril de 2013.

The Seashells of New South Wales. Disponível em: <http://seashellsofnsw.org.au./>. Acessado em 18 de Abril de 2013.