crosscheckdeposited

Dificuldades de Maternagem em Um Grupo de Mães de Crianças Agressivas

DOI: http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v17n1p15-25

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/index 

downloadpdf

Aline E. Basaglia1 & Maria A. Souza1

 

Resumo: A agressividade no ambiente escolar foi considerada por Winnicott uma das manifestações de tendência antissocial decorrente de privação emocional precoce. Com esse pressuposto, sugeriu que, para tentar garantir um trabalho bem-sucedido com crianças agressivas, seria aconselhável oferecer um ambiente protetor e estável que lhes faltou. Devido à escassez de estudos envolvendo diretamente mães de crianças agressivas, esta pesquisa buscou investigar o funcionamento psíquico de mães de meninos entre 8 e 12 anos que apresentavam queixa de agressividade no ambiente escolar. Trinta mães que tinham seus filhos em atendimento psicológico foram submetidas a duas entrevistas psicodiagnósticas, uma sobre o filho e outra sobre ela mesma (Edao). Os resultados evidenciaram frágil controle das emoções, dificuldade no estabelecimento de contato interpessoal, sentimentos de insegurança, de angústia e tendência depressiva. Tais características poderiam produzir um efeito negativo sobre o desempenho da função materna, diminuindo a possibilidade de proporcionar aos filhos um ambiente protetor e estável.

Palavras-chave: agressividade; comportamento antissocial; relações mãe-criança; privação; escala diagnóstica adaptativa operacionalizada

 

Abstract: Winnicott considered aggression in the school environment one of the manifestations of antisocial tendency, due to early emotional deprivation. With this assumption and to ensure a successful work with aggressive children, he suggested it would be advisable to provide the protective and stable environment they lacked. Due to the lack of studies directly addressing these mothers, we aimed to investigate the psychological functioning of mothers of aggressive boys between 8 and 12 years old. Thirty mothers, whose children were undergoing psychological treatment, were assessed through two psychodiagnostic interviews, one regarding the child and the other regarding the mother (Edao). The results showed weak emotional regulation, difficulty in establishing interpersonal contact, feelings of insecurity, anxiety and depressive tendency. Such characteristics could have a negative effect on the performance of maternal functions, reducing the possibility of providing their children with a protective and stable environment.

Keywords: aggressiveness; antisocial behavior; mother-child relations; deprivation; adaptative operational diagnostic scale.

 

1 Universidade de São Paulo, São Paulo – SP – Brasil. Rua Joaquim Ferreira, 147, ap. 32, torre a2, Água Branca – São Paulo – SP – Brasil. CEP: 05033-080. E-mail:  basaglia@usp.br.

 

Literatura Citada

Aberastury, A. (1989). Psicanálise de criança: teoria e técnica (A. L. Campos, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Farrington, D. P., & Smith, C. A. (2004) Continuities in antisocial behavior and parenting across three generations. Journal of Child Psychology and Psychiatry and Allied Disciplines, 45(2), 122-145.

Kaëz, R. (1998). Os dispositivos psicanalíticos e as incidências da geração. In A. Eiguer (Org.). A transmissão do psiquismo entre gerações: enfoque em terapia familiar psicanalítica (pp. 5-19). São Paulo: Unimarco.

Kochanska, G., & Kim, S. (2012). Toward a new understanding of legacy of early attachments for future antisocial trajectories: evidence from two longitudinal studies. Development and Psychopathology, 24(3), 783-806. doi

Molina, B. S. G., Donovan, J. E., & Belendiuk, K. A. (2010). Familial loading for alcoholism and offspring behavior: mediating and moderating influences. Alcohol Clinical and Experimental Research, 34(11), 1972-1984.

Rehbein, M. P., & Chatelard, D. S. (2013). Transgeracionalidade psíquica: uma revisão de literatura. Fractal: Revista de Psicologia, 25(3), 563-583 [online] [cited 2014-11-18]. doi

Santos, M. C. dos, Honda, G. C., Santeiro, T. V., & Yoshida, E. M. P. (2013). Eficácia adaptativa: produção científica brasileira (2002/2012). Contextos Clínicos, 6(2), 84-94.

Simon, R. (1996). Encarte. In R. Simon. Psicologia clínica preventiva: novos fundamentos (pp. 2-11). São Paulo: EPU.

Simon, R. (2005). Correlações psicanalítico-adaptativa utilizando modelo de geometria. Mudanças, 13(1) , 7-29.

Souza, M. A. (2001). Intervenção psicoterápica em meninos agressivos escolares como prevenção de comportamento transgressor futuro. Psicologia: Teoria e Prática, 3(2), 21-35.

Souza, M. A., & Castro, R. E. F. (2008) Agressividade infantil no ambiente escolar: concepções e atitudes do professor. Psicologia em Estudo, 13(4) , 831-839. doi

Souza, M. A., Soldatelli, M. I., & Lopes, A. R. C. (1997). Psicodinamismo familiar de crianças agressivas. Anais do Encontro de Psicologia Clínica, São Paulo, SP, Brasil, 1.

Stoolmiller, M., Eddy, J. M., & Reid, J. B. (2000). Detecting and describing preventive intervention effects in a universally school-based randomized trial targeting delinquent and violent behavior. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 68(2) , 296-306. doi

Trentacosta, C. J., & Shaw, D. S. (2008). Maternal predictors of rejecting parenting and early adolescente antisocial behavior. Journal of Abnormal Child Psychology, 36(2), 247-259.

Winnicott, D. W. (1987a). Agressão e suas raízes. In D. W. Winnicott. Privação e delinquência (pp. 89-103). (A. Cabral, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1939).

Winnicott, D. W. (1987b). Alguns aspectos psicológicos da delinquência juvenil. In D. W. Winnicott. Privação e delinquência (pp. 119-125). (A. Cabral, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1946).

Winnicott, D. W. (1987c). O desenvolvimento da capacidade de envolvimento. In D. W. Winnicott. Privação e delinquência (pp. 104-113). (A. Cabral, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1963).

Winnicott, D. W. (1997). O infrator delinquente e habitual. In R. Shepherd, J. Johns & H. T. Robinson (Orgs.). Pensando sobre crianças (pp. 68-69). (M. A. V. Veronese, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas. (Obra original publicada em 1940).

World Health Organization (2010). Violence prevention the evidence. Geneva: WHO Press.