Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Influência do Capital Humano no Sistema de Inovação da Firma: A Formação de Um Construto

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v7n13p107-127

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/OC/index 

downloadpdf

David F. L. Santos1 & Silvio Popadiuk2

 

Resumo: Este trabalho tem por objetivo identificar, na literatura, as variáveis utilizadas para representar o capital humano dentro do sistema de inovação das empresas. Apresenta-se, assim, como um ensaio teórico que permeia diversas áreas do conhecimento sob a perspectiva da possibilidade de compreender o capital humano como um recurso econômico e, por consequência, sua mensuração. A diversidade de conceitos que tratam o tema ermitiu aumentar a compreensão do fenômeno em razão das diferentes perspectivas teóricas; todavia as diferentes variáveis utilizadas como capital humano, bem como sua formação e seus relacionamentos com diversas variáveis dependentes, levaram a resultados contraditórios (Dewarar; Dutton, 1986). Portanto, há o interesse na definição de um construto, com forte sustentação teórica, capaz de servir como direcionador para pesquisas futuras nesta área. Observa-se, no final, que a diversidade de variáveis utilizadas convergem para a formação de um construto baseado na qualificação, característica e resultados deste recurso. O desenvolvimento desse construto respeita as limitações ontológicas do tema, além de permitir que as variáveis sejam trabalhadas diferentemente por cada pesquisador.

Palavras-chave: capital humano; sistema de inovação.

 

Abstract: This work aims to identify, in literature, the variables used to represent the human capital within the system to innovate. It presents, as well as a paper that permeates many areas of knowledge from the perspective of understanding the possibility of human capital as an economic resource and therefore its measurement. The diversity of concepts that address the issue led to increased understanding of the phenomenon, because of the different theoretical perspectives, however, the different variables used as human capital, as well as their training and their relationships with different dependent variables, have led to contradictory results (Dewar ; Dutton, 1986). Therefore, the interest in defining a construct with strong theoretical support can serve as a director for future research in this area. It is observed that at the end of the diversity of variables used converge to form a construct based on qualifications, character and outcome of this appeal. The development of this construct regarding the limitations of ontological issue, and allow the variables to be worked differently by each researcher.

 

1 Doutor em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Professor Assitente Doutor na UNESP - FCAV Jaboticabal - SP no Departamento de Economia Rural. E-mail: david.lopes@fcav.unesp.br
2 Doutor em Administração pela Universidade de São Paulo. Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas da Universidade Presbiteriana Mackenzie. E-mail: popadiuk@mackenzie.com.br

 

Literatura Citada

ANGREASSI, T.; SBRAGIA, R. Fatores Determinantes do Grau de Inovatividade das Empresas: Um Estudo Utilizando a Técnica de Análise Discriminante. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2004. (Working Papers, 1).

BENAVENTES, J. M. The Role of Research and Innovation in Promoting Productivity in Chile. Econ. Innov. New Techn., London, v. 15, p. 301-315, june/july 2006.

BURLAMAQUI, L.; PROENÇA, A. Inovação, Recursos e Comprometimento: em Direção a uma Teoria Estratégica da Firma. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 2, n. 1, p. 79-109, jan./jun. 2003.

DEWAR, R. D.; DUTTON, J. E. The Adoption of Radical and Incremental Innovations: An Empirical Analysis. Management Science, Hanover, v. 32, n. 11, p. 1.422-1.433, nov. 1986.

DOMINGUES, S. A.; FURTADO, A. Recursos Humanos em P&D. Uniemp Inovação, Campinas, v. 2, n. 4, p. 26-27, 2006.

DRUCKER, P. F. A Sociedade Pós-Capitalista. São Paulo: Pioneira, 1999.

DUGUET, E. Innovation Height, Spillovers and TFP Growth at the Firm Level: Evidence From French Manufacturing. Econ. Innov. New Techn., London, v. 15, p. 415-442, june/july 2006.

FARAZMAND, A. Innovation in Strategic Human Resource Management: Building Capacity in the Age of Globalization. Public Organization Review, Netherland, v.4, n. 1, p. 3-24, mar. 2004.

FEYERABEND, P. Contra o Método. São Paulo: Unesp, 2007.

FURTADO, A.; QUADROS, R. Construindo o IBI. Uniemp Inovação, Campinas, v. 2, n. 3, p. 26-27, 2006.

GUPTA, P. Institutionalizing Innovation for Growth and Profitability. The Journal of Private Equity, New York, v. 9, n. 2, p. 57-62, Spring 2006.

HALL, B. H.; MAIRESSE, J. Empirical Studies of Innovation in the Knowledge-Driven Economy. Econ. Innov. New Techn., London, v. 15, p. 289-299, june/july 2006.

JAW, B. S.; WANG, C. Y. P.; CHEN, Y. H. Knowledge Flows and Performance of Multinational Subsidiaries: the Perspective of Human Capital. The International Journal of Human Resource Management, London, v. 17, n. 2, p. 225-244, feb. 2006.

JEFFERSON, G. H. et al. R&D Performance in Chinese Industry. Econ. Innov. New Techn., London, v. 15, n. 4-5, p. 345-366, june/july 2006.

LEIPONEN, A. Organizational of Knowledge Exchange: An Empirical Study of Knowledge Intensive Business Service Relationships. Econ. Innov. New Techn., London, v. 15, n. 4-5, p. 443-464, june/july 2006.

LEITE, E. Gestão do Conhecimento nas Empresas Brasileiras: Relações entre Estratégia Empresarial, Gestão de Competências e de Resultados e Impactos no Desempenho do Negócio. 2004. 186 f. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

LHUILLERY, S. Voluntary Technological Disclosures as an Efficient Knowledge Management Device: An Empirical Study. Econ. Innov. New Techn., London, v. 15, n. 4-5, p. 465-491, june/july 2006.

LIPPMAN, S. A.; RUMELT, R. T. The payments perspective: Micro-Foundations or Resource Analysis. Strategic Management Journal,U.S.A., v. 24, n. 10, p. 903-927, sep. 2003.

LÖÖF, H.; HESHMATI, A. On the Relationship Between innovation and Performance: a Sensitivity Analysis. Econ. Innov. New Techn., London, v. 15, n. 4-5, p. 317-344, june/july 2006.

MALERBA, F. Innovation and the Evolution of Industries. Journal Evolutionary Economy, Dulsseldorf, v. 16, n. 1-2, p. 3-23, nov. 2005.

MORGANTI, F. Inovação Tecnológica e Desempenho das Empresas do Setor Químico no Brasil. 2005. 155 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2005.

MOHNEN, P.; MAIRESSE, J.; DAGENAIS, M. Innovativity: A Comparisson Across Seven European Countruies. Econ. Innov. New Techn., London, v. 15, n. 4-5, p. 391-413, june/july 2006.

OECD. Measuring What People Know. France, 1996.

OLAVERRI-GARCÍA, C.; ARRIBAS-HUERTA, E.; KINTANA-LAZARRA, M. Human and Organizational Capital: typologies among Spanish firms. The International Journal of Human Resource Management, London,v. 17, n. 2, p. 316-330, feb. 2006.

PALMA, M. A. M. A Capacidade de Inovação como Formadora de Valor: Análise dos Vetores de Valor em Empresas Brasileiras de Biotecnologia. 2004. 175 f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

PINTO, J. F.; ANHOLON, R. A Inovação nas empresas e a necessidade de novos paradigmas em indicadores de desempenho. Trabalho apresentado no VII SEMEAD, São Paulo, 2006.

POHLMANN, M.; GEBHARDT, C.; ETZKOWITZ, H. The Development of Innovation Systems and the Art of Innovation Management – Stratey, Control and Culture of Innovation. Technology Analysis & Strategic Management, London, v. 17, n. 1, p. 1-7, mar. 2005.

QUINTELLA, H. M. Gestão Total do Produto. Volume II – O Mercado. Rio de Janeiro: Suma Econômica, 2001.

ROSS, S. A.; WESTERFIELD, R. W. JAFFE, J. F. Administração Financeira: Corporate Finance. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

SILVA, S. T. On evolutionary technological change an economic growth: Lakatos as a starting point for appraisal. Porto: Faculdade de Economia do Porto, 2004. (Working papers, 139).

SCHUMPETER, J. A. A Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e ciclo econômico. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

TIGRE, P. B. Paradigmas Tecnológicos e Teorias Econômicas da Firma. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 4, n. 1, p 187-223, jan./jun. 2005.