Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Eficácia da Adaptação de Pessoas com Hipertensão Essencial e uma Avaliação com o Teste Estilocrômico

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v14n2p171-185

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Kayoko Yamamoto1 & Ryad Simon2

 

Resumo: Este estudo foi realizado visando verificar a utilidade do Teste Estilocrômico para captar diferenças aferidas pela avaliação da eficácia da adaptação e os estados afetivos de um grupo de nove mulheres portadoras de hipertensão essencial comparadas a um grupo de seis mulheres, mães de alunos de Primeiro Grau de uma escola pública, não portadoras de hipertensão essencial ou de quaisquer distúrbios psicossomáticos. Neste estudo, para a obtenção de dados das participantes, foi utilizada a chamada entrevista preventiva; e para a aferição da eficácia adaptativa e estados afetivos, a Escala Diagnóstica Adaptativa Operacionalizada – EDAO – comparada ao Teste Estilocrômico, ambos idealizados por Ryad Simon a partir de sua Teoria da Adaptação. O estudo sugere que as pacientes hipertensas eram, do ponto de vista da eficácia da adaptação, mais comprometidas e prejudicadas do que as mães do grupo controle. Essa ineficácia adaptativa devia-se, principalmente, à pouca ou pouquíssima adequação encontradas nos setores AR e Or. Com relação aos afetos, as pacientes hipertensas possuíam, tanto quanto as mães do grupo controle, anseios e necessidades por contatos interpessoais gratificantes. No entanto, como seus mecanismos de controle emocional eram de natureza mais primitiva - negação e repressão -, não conseguiam, como as mães do grupo controle, expressar adequadamente esses anseios e necessidades. E nem exercer um controle adequado sobre suas emoções. Por essa razão, a fim de preservarem seu equilíbrio emocional pouco consistente, as pacientes hipertensas mantinham-se distantes dos estímulos afetivos, o que lhes acarretava frustrações, insatisfações e conflitos afetivos, os quais contribuíam para a ineficácia adaptativa e o quadro hipertensivo que elas apresentavam. Os resultados do Teste Estilocrômico parecem mostrar uma associação com alguns dados afetivos e suas inibições, indicando a utilidade de sua aplicação em pesquisas sistematizadas envolvendo distúrbios hipertensivos essenciais, com amostragem mais ampla.

Palavras-chave: Teste estilocrômico, escala diagnóstica adaptativa operacionalizada - EDAO, psicossomática, eficácia adaptativa, afetividade

 

Abstract: The study was carried through aiming at to verify the utility of the Simon’s Chromatic Style Test to detect correlations between the evaluation of adaptive effectiveness and affective states of nine women with the diagnosis of essential hypertension, whose group was compared with a group of six women, mothers of pupils of first degree of a public school, not suffering from essential hypertension or any psychosomatic complaints. In this investigation, demographic data of the participants were obtained with preventive interviews; affective and relational adaptiveness, obtained with Simon’s AODS - Adaptive Operationalized Diagnosis Scale; and were compared with Simon’s Chromatic Style Test, both according to the Simon’s Adaptation Theory. The conclusion suggests, according to the adaptive efficacy, that patients with essential hypertension were, more compromised and impaired than the mothers of the control group. This adaptive inefficacy had, mainly, to the little or very little adequacy found in the Affective-Relational and Organic adaptive sectors. With regard to the affection, the patients with hypertension showed, as much the mothers of control group, yearnings and necessities for more rewarding interpersonal contacts. However, as their mechanisms of emotional control were of more primitive nature - negation and repression, they did not express adequately their yearnings and necessities, as the mothers of the control group really do it. Than, mothers with hypertension did not exert an adjusted control on their emotions. Therefore, in order to preserve their little consistent emotional balance, the patients with essential hypertension remained distant of their affective stimulations, affective frustrations, discontents, and conflicts caused them, which contributed for the adaptive inefficacy and presented essential hypertension. The results of the Simon’s Chromatic Style Test pointed to an association with affective data and patients’ inhibitions, and prescribing its application in systematic research with essential hypertension challenges, with an wider sample size.

Key words: Simon’s Chromatic Style Test, Adaptive Operationalized Diagnosis Scale - AODS, essential hypertension, adaptive effectiveness, affectivity

 

1 Professora Doutora do Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Supervisora do Curso de Pós-Graduação lato sensu Especialização em Psicoterapia Psicanalítica do Instituto de Psicologia da USP.
2 Professor Titular do Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Coordenador Acadêmico do Curso de Pós-Graduação lato sensu: Especialização em Psicoterapia Psicanalítica da USP. E-mail:ryad@usp.br

 

Literatura Citada

Alexander, F. (1950) - Medicina Psicossomática. Cuba: Cultural, 1954; ou Psychoanalytic Therapy. New York: W. W. Norton, 1950.

Braga, T.M.S. (1995) - Hipertensão: Relato sobre condições de ocorrência. São Paulo. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

Campos, E.P. (1992) - Aspectos Psicossomáticos em Cardiologia. In Mello Filho (org). Psicossomática Hoje. Porto Alegre: Artes Médicas.

Chiozza, L.A. (1993-8) O significado inconsciente da hipertensão arterial essencial. In Chiozza, L. (1998). Os sentimentos ocultos em ... : hipertensão essencial, transtornos renais, litíase urinária, hipertrofia da próstata, varizes hemorroidais, doenças auto-imunes & São Paulo: Casa do Psicólogo.

Freitas, D.C. (2004) – O Emprego do Teste Estilocrômico no Estudo Comparativ entre Crianças Fóbicas e Não-Fóbicas. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo.

Gartner, R.P. (2004) - Contribuição para a padronização do Teste Estilocrômico em uma população urbana de 18 a 42 anos. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

Groddeck, G. (1966) - Estudos Psicanalíticos sobre Psicossomática. São Paulo: Perspectiva, 1992.

Lipp, M.N. (1995) - Stress e Hipertensão Arterial Essencial. In Oliveira, M.F.P. & Ismael, S.M.C. (org). Rumos da Psicologia Hospital em Cardiologia. Campinas: Papirus.

Marty, P. (1990) - A Psicossomática do Adulto. (Ramos, P. C., trad). Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

Mc Dougall, J. (1994) - Corpo e Linguagem. Da Linguagem do Soma às Palavras da Mente. Revista Brasileira Psicanálise. Vol. XXVIII, n.1: 75-97.

Neder, C. R. & Simon, R. (2004) – Diagnóstico da Adaptação, Teste Estilocrômico e Psicoterapia Breve Operacionalizada em Transplante deFígado. Mudanças-Psicologia da Saúde, vol. 12, n. 1, Jan.-Jun, 7-93.

Oliveira, E.P. (2000) - Psicoterapia Breve Operacionalizada e Evolução Adaptativa em Hipertensos Essenciais. Dissertação de Mestrado. Universidade Metodista de São Paulo.

Simon, R. (1973) - Estudo da Validade e Precisão do Teste Estilocrômico. Tese de Doutorado. Escola Paulista de Medicina – UNIFESP.

Simon, R. (1989) - Psicologia Clínica Preventiva. Novos Fundamentos. São Paulo: EPU.

Simon, R. (1996) – Do Diagnóstico à Psicoterapia Breve. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 45, n. 7, 403-408.

Simon, R. (1999) – Concordâncias e Divergências entre Psicanálise e Psicoterapia Psicanalítica. Jornal de Psicanálise. São Paulo. 32, n. 58/59, 245-264.

Thalenberg, J. M. (1998) - Aspectos Psicossomáticos da Hipertensão Arterial Essencial. In Volich, R.M. Ferraz, F.C. & Arantes, M.A.A.C. Psicossomática Psicanalítica. São Paulo: Casa do Psicólogo.