Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Manejo Psicoterápico e a História Natural da AIDS

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v16n1p27-36

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Nelson Silva Filho1

 

Resumo: Pretende-se sugerir cuidados no manejo psicoterápico, segundo as possibilidades de interações entre fatores psicodinâmicos, orgânicos e sociais, de um paciente portador da infecção pelo HIV. A paciente foi avaliada no Ambulatório Especial de Moléstias Infecciosas da UNESP- Botucatu. Foram colecionadas informações sobre a história clínica compreendida entre 1995 e 2002. Para as avaliações psicológicas foram utilizados o Teste de Relações Objetais e o Sistema Diagnóstico Adaptativo Operacionalizado. A paciente apresentou depressão crônica do tipo psicótico maníaco depressivo, associado à deterioração do sistema imunológico, com risco de concretização de suicídio, sugerindo prioridade para o oferecimento de psicoterapia. A persecutoriedade determinada por características psicodinâmicas da posição esquizo-paranóide se confundem com as segregações e preconceitos vividos por estes indivíduos em seu dia a dia.

Palavras-chave: Infecções por HIV; Psicoterapia, Teste de Relações Objetais; escala diagnóstica adaptativa operacionalizada, (EDAO).

 

Abstract: We intend to suggest in this study certain cautions in the psychotherapic handling, according to the possibilities of interactions among psychodynamic, organic, and social factors, of an HIV infected patient. The patient was evaluated in the UNESP’s Special Infectious Maladies Ambulatory – in Botucatu. Information on the clinical history, between 1995 and 2002, was collected. For the psychological assessment, we used the Object Relations Test and the Adaptive Operacionalized Diagnosis System. The patient suffered from chronic depression of the manic-depressive psychotic type, associated to the deterioration of the immunological system, with suicide risks, demanding with high priorities the offering of psychotherapy. The persecutory feelings determined by psychodynamic characteristics of the schizoid-paranoid position seemed to blend with the segregation and prejudice experienced by these individuals in a day-to-day basis.

Key words: HIV infection; therapeutic handling; Object Relations Test; Adaptive Operacionalized Diagnosis System.

 

1 Professor Assistente Doutor junto ao Departamento de Psicologia Clínica – UNESP- Campus de Assis – SP – Brasil) – e-mail: nelsonsf@assis.unesp.br

 

Literatura Citada

Abbas, K.A., Lichtman, A. H. e Pober, J.S. (2000) Imunologia Celular e Molecular. Rio de Janeiro: Livraria e Editora Revinter.

Angelino AF, Treisman GJ (2001). Management of psychiatric disorders in patients infected with HIV. Clin Infect Diseases 33(6):847-56. http://dx.doi.org/10.1086/322679

Bastos IF, Szwarcwald CL. (2000) AIDS e Pauperização: Principais Conceitos e Evidências Empíricas, Cadernos de Saúde Pública, v.16, p. 65-76. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2000000700006

Bastos IF. (1995) Limitações estruturais a implantação de estratégias preventivas relativas à disseminação do HIV entre usuários de drogas injetáveis no Brasil. In: Czeresnia D, Santos EM, Barbosa RHS. AIDS: Pesquisa Social e Educação. Rio de Janeiro: Editora Hucitec. p.166 – 192.

Boccelari AA, Dilley JW, Chambers DB et al (1993). Immune function and neuropsychological performance in HIV-1-infected homosexual men. Journal Acquired Immune Deficiency Syndrome 6(6):592-601.

Bucher R . (1995) O usuário de drogas injetáveis na política preventiva ao HIV/AIDS. In: Czeresnia D, Santos E M, Barbosa RHS. AIDS: pesquisa social e educação. Rio de Janeiro, Editora Hucitec, 147-166.

Braier, E.A. (1986) Psicoterapia Breve de Orientação Psicanalítica. São Paulo, Martins Fontes.

Brasil, Ministério da Saúde (2000). Manual de Assistência Psiquiátrica em HIV / AIDS. Brasília: Ministério da Saúde. 1-66.

Brasil, Ministério da Saúde (2001a). Boletim Epidemiológico AIDS. Brasília: Ministério da Saúde, v.15, p.1-59. [semana ep. 27ª a 40ª] Brasil, Ministério da Saúde (2001b). Coordenação Nacional de DST e AIDS. Manual de Redução de Danos: Saúde e Cidadania, Série Manuais, v.49, p. 1-114.

Brasil, Ministério da Saúde (2001c). Coordenação Nacional de DST e AIDS. Projeto Ajude-Brasil: Avaliação epidemiológica dos usuários de drogas injetáveis dos Projetos de Redução de Danos (PRD) apoiados pela CNDST/ AIDS. Brasília, p. 1- 341.

Brasil, Ministério da Saúde (2002). Boletim Epidemiológico AIDS. Brasília: Ministério da Saúde, v 16, p. 1-45. [semana ep. 14ª a 52ª]

Brasil, Ministério da Saúde (2003). Ms divulga novos dados da AIDS e anuncia índices de resistência do HIV aos anti-retrovirais, [serial online]; [cited 2003 maio 16] available from: http://www.AIDS.gov.br/final/imprensa1/imprensa.htm

Brasil, Ministério da Saúde (2005). Adesão aos ani-retrovirais: manual para profissionais de saúde. Unidade de Assistência e Tratamento, Programa Nacional de DST/AIDS, Organização: Helena Maria Medeiros Lima, Brasília/DF.

Brasil, Ministério da Saúde (2007). Recomendações para terapia anti-retroviral em adultos e adolescentes infectados pelo HIV 2007/2008, Documento Preliminar, Brasília.

Camargo, Brigido V; Botelho, Lúcio J. (2007) AIDS, Sexuality and attitude of adolescents about protection against HIV. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n.1. doi

Castanha, R.A., Coutinho, M.P.L., Saldanha, A.A.W., Ribeiro, C.G. (2007) Avaliação da qualidade de vida em soropositivos para o HIV, Estudos de Psicologia, v.24,1,p.23-32. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2007000100003

Cazenave, A. G., Ximena Ferrer, S-G., Soledade Castro, B. & Sandra Cuevas, A. (2005). El familiar cuidador de pacientes con SIDA y la toma de decisiones en salud. Rev Chil Infect 22 (1): 51-57. http://dx.doi.org/10.4067/S0716-10182005000100007

Fernandes, J. C. L. (1994) Práticas educativas para a prevenção do HIV/AIDS: Aspectos conceituais, Cadernos Saúde Pública, Rio de Janeiro,10 (2): p.171-180, abr/jun.

Fernandes MAS, Antonio DG, Bahamondes LG, Cupertino CV. (2000) Conhecimento, atitudes e práticas de mulheres brasileiras atendidas pela rede básica de saúde com relação às doenças de transmissão sexual, Cadernos de Saúde Pública, v.16, p.103-112. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2000000700009

Fonseca GM, Bastos FI, Derriço M, Andrade CLT, Travassos C, Szwarcwald CL. (2000) AIDS e grau de escolaridade no Brasil: evolução temporal de 1986 a 1996. Cadernos de Saúde Pública, v.16, p. 77- 87. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-311x2000000700007

Figueiredo, M.A.C.; Fioroni, L. N. (1996) Atitudes frente à AIDS e locus de controle: um estudo com estudantes e profissionais de enfermagem. Medicina, Ribeirão Preto, v. 29, n. 3 e 4, p. 301-308. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v29i2/3p301-308

Galduróz FCJ, Noto AR, Carlini AE. (1995) A adolescência, o ensino e o abuso de drogas: reflexões. Temas, v.49, p. 48-57.

Galduróz JCF, Noto RA, Carlini EA, (1997) IV Levantamento sobre o uso de drogas entre estudantes de 1º e 2º graus em 10 Capitais Brasileiras – 1997; São Paulo:Universidade Federal de São Paulo; Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas – CEBRID.

Galvão, M.T.G. (2002) Aplicação do Instrumento hat-qol para análise da qualidade de vida de mulheres com infecção pelo HIV, ou com AIDS e sua correlação com as variáveis sócio-demográficas, epidemiológicas e clínicas. [Tese] Botucatu: UNESP.

Heleno, M.G.V., Santos, H. (2004) Adaptação em Pacientes Portadores do Vírus da Imunodeficiência Humana – HIV . Psicologia, Saúde e Doenças. 5 (1): 87-91.

Lopes, S.M. (1993) Estudo qualitativo de características psicossociais de pacientes contaminados pelo HIV. [tese] Campinas: UNICAMP.

Lyketsos CG, Hanson AL, Fishmann M et al (1993). Maniac syndrome early and late in the course of HIV. Am J Psychiatry 150(2) 326-7. http://dx.doi.org/10.1176/ajp.150.2.326

Malbergier, A; Andrade A.G. (1999) Transtornos depressivos em usuários de drogas injetáveis infectados pelo HIV: um estudo controlado. Revista Brasileira de Psiquiatria. 21:1-17. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44461999000400010

Marques, L.F. Doneda D. Serafin, D. (1999) O uso indevido de drogas e a AIDS. In: Brasil, Ministério da Saúde, Brasília. Secretária de Políticas de Saúde. Cadernos Juventude Saúde e Desenvolvimento, v. 1, p. 173-183.

Marins, P.R.J. e col. (2002) Relatório de pesquisa: sobrevivência atual dos pacientes com AIDS no Brasil.Evidência dos resultados de um esforço nacional. Boletim Epidemiológico AIDS. Brasília: Ministério da Saúde. [Serial Online] [cited 2002 abr 21]. avaiable from: http://www.AIDS.gov.br/final/biblioteca/bol_marco_2002/artigo1.htm

Ocampo MLS. et al. (1981) O processo psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. São Paulo: Editora Martins Fontes.

Organização Mundial de Saúde. (1993). Tradução Dorgival Caetano. Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID –10: descrições Clínicas e Diretrizes Diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Parker, R. & Aggleton, P. Coleção Abia, Cidadania e Direitos, Estigma, Discriminação e Aids, Rio de Janeiro, n.1, 2001.

Pechansky F, Inciardi AJ, Surratt H, Lima AFBS, e col. Estudo sobre as características de usuários de drogas injetáveis que buscam atendimento em Porto Alegre, RS. Revista Brasileira de Psiquiatria, v.22, p.164-171, 2000. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462000000400005

Rua GM, Abramovay M. Avaliação das Ações de Prevenção às DST/AIDS e Uso Indevido de Drogas nas Escolas de Ensino Fundamental e Médio emCapitais Brasileiras. Brasília, Unesco. 2001:256.

Silva Filho N, Sacardo DP. Estudo longitudinal da variação da eficácia adaptativa e do equilíbrio adaptativo de pacientes portadores de HIV/aids e evoluções em psicoterapia. in: II Jornada de Pesquisa, Assis. A pesquisa no Campus: Diagnóstico e Reflexão. Assis: Gráfica da Faculdade de Ciências e Letras – Unesp, Campus de Assis, n.1,.p.32-33, 1997.

Silva Filho, N. Associação entre o diagnóstico adaptativo, indicadores de evolução clínica e o teste de relações objetais em pacientes com infecção pelo HIV-1, doentes ou não. [tese] Botucatu: UNESP; 2003.

Simon R, Psicologia clinica preventiva: novos fundamentos. São Paulo: Editora Vetor. 1983.

Simon R. Relações entre o diagnóstico operacionalizado, a psicopatologia da depressão e psicoterapia psicanalítica. Mudanças: Psicoterapia e Estudos Psicossociais 2000; 8: 165-190

Simon R. Psicoterapia Breve Operacionalizada.São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.

Vieira ME, Villela WV, Réa MF, Fernandes MEL, Franco E., Ribeiro G., Alguns aspectos do comportamento sexual e prática de sexo seguro em homens do Município de São Paulo, Cadernos de Saúde Pública, v.16, p. 997- 1009, 2000. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2000000400018

Whitefield SG, Everett AS, Rein MF (1992). Mania and AIDS. American Journal of Psychiatry 149(4):583-4. http://dx.doi.org/10.1176/ajp.149.4.583-b

Yamamoto K. A psicoterapia Breve Operacionalizada na Saúde. Psicologia da Saúde:Temas de Reflexão e Prática 2003; 153-170.