Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Relação Contratransferencial em PBO – Estudo de Caso

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v20n1-2p63-73

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Walter L. Oliveira1 & Ileuza M. Santana2

 

Resumo: O objetivo deste artigo é descrever um estudo de caso em Psicoterapia Breve Operacionalizada - PBO, no qual se verificou a contratransferência como um obstáculo para a condução adequada da técnica desse tipo de abordagem. A PBO baseia-se na teoria psicanalítica e na teoria da adaptação e por lidar com situações-problema, a brevidade do processo é uma questão estratégica. A PBO inicia-se com a identificação da situação-problema nuclear do paciente, procurando ajudá-lo, através de interpretações teorizadas, a reconhecer os fatores causais desta situação e as razões inconscientes de seu comportamento atual e pregresso, para ajudá-lo na compreensão de como se deram as soluções pouco ou pouquíssimos adequadas, estimulando a procura de soluções mais eficazes. A paciente é uma mulher com trinta e seis anos, cuja queixa principal era o desânimo na área profissional. Após as entrevistas, evidenciou-se uma expectativa idealizada quanto ao mundo e ao emprego que ansiava. Com isso, o objetivo central da psicoterapia seria procurar propiciar uma percepção adequada do mundo, com suas qualidades e defeitos. Nas primeiras sessões, o psicólogo teve dificuldades diante da aparente fragilidade apresentada pela paciente. Após constatar tal dificuldade em supervisão, a reflexão evidenciou a existência de um processo de contratransferência negativa. Após compreendê-lo, foi possível assegurar a continuidade e o êxito do trabalho, uma vez que a paciente respondeu bem às intervenções, mostrando ao fim da psicoterapia uma postura mais amadurecida. Tanto na psicoterapia breve quanto na psicanalítica, a contratransferência interfere no desenvolvimento da psicoterapia, mas conforme ilustrado por este caso, se bem compreendida e superada propicia bons resultados.

Palavras-chave: Psicoterapia Breve Operacionalizada - PBO; contratransferência; transferência.

 

Abstract: The aim of this article is to describe a case report in Brief Operational Psychotherapy, which has revealed a countertransference process as an obstacle to the proper course of this approach. It is based on Psychoanalytic Theory and the Theory of Adaptation. This approach deals with problem situations and thereby the brevity of the process is a strategic issue. The Brief Operational Psychotherapy begins with the identification of the patient’s nuclear problem situation, trying to help one through theorized interpretations, to comprehend the unconscious causes of current and past behaviors, and also to understand how he has used little or very little suitable solutions and to stimulate one to seek more effective solutions. The patient is a thirty-six years old woman, whose main complaint was discouragement in the professional field. After the interviews, it was noticed an idealized expectation concerning the world and the job that she has eager for. Thus, the central purpose of psychotherapy was to provide a more adequate perception of the world, with its qualities and defects. In the first sessions, the psychologist had difficulty to achieve more direct interventions, because of the apparent patient fragility. After noting this difficulty, the reflection revealed the existence of a negative countertransferencial process. After understanding it, it was possible to ensure the continuity and success of the work, as the patient responded well to the interventions, showing at the end of psychotherapy, a more mature attitude. As in brief psychotherapy as in psychoanalysis, countertransference interferes with the development of psychotherapy, but as illustrated by this case, the countertransference well understood and overcame yields good results.

Key words: short-term psychotherapy; transference; countertransference

 

1 Mestrando pelo Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo - IP/USP; Psicólogo colaborador do Hospital Universitário da USP.e-mail: walterlisboa@rocketmail.com
2 Especialista em Psicoterapia Psicanalítica e em Psicoterapia Breve Operacionalizada. Psicóloga da Secretaria da Saúde - Hospital Guilherme Álvaro.

 

Literatura Citada

Bettelheim, B. (2007). A Psicanálise dos contos de fadas. São Paulo: Paz e Terra. 21ª edição revista.

Freud, S. (1910) As perspectivas futuras da terapêutica psicanalítica. Edição Eletrônica Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. [CD- -ROM]. Versão 2.0. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1911). Formulações sobre os dois princípios de funcionamento mental. Edição Eletrônica Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. [CD-ROM]. Versão 2.0. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1912). A dinâmica da transferência. Edição Eletrônica Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. [CD-ROM]. Versão 2.0. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1914). Recordar, repetir e elaborar. Edição Eletrônica Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. [CD-ROM]. Versão 2.0. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1915). O Inconsciente. Edição Eletrônica Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. [CD-ROM]. Versão 2.0. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1916) Conferências introdutórias sobre psicanálise: Conferência XXVII – Transferência. Edição Eletrônica Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. [CD-ROM]. Versão 2.0. Rio de Janeiro: Imago.

Gebara, A. C (2003). Como interpretar na Psicoterapia Breve Psicodinâmica. 1. ed. São Paulo: Vetor.

Heimann, P. (1995). Sobre a contratransferência. Revista Psicanálise. 2(1):171-6. Porto Alegre.

Hinshelwood, R. D. (1992). Dicionário do pensamento kleiniano. Porto Alegre: Artes Médicas.

Kahtuni, H. (2003). Psicoterapia Breve Psicanalítica: compreensão e cuidados da alma humana. 3. ed. São Paulo: Editora Escuta.

Simon, R. (1977). As séries complementares de Freud como base para uma história natural dos distúrbios mentais. Jornal de Psicanálise, ano 9, n22, p. 17-31.

Simon, R. (1981). A Formação do Psicoterapeuta na Realidade Brasileira. Boletim de Psicologia da Sociedade de Psicologia de São Paulo. v.33, n.8, pp.67-73.

Simon, R. (1989). Psicologia Clínica Preventiva. Novos Fundamentos. São Paulo, SP: EPU.

Simon, R. (1995). Teoria da evolução da adaptação humana - Prevenção da ineficácia adaptativa. Mudanças, 3 (3-4):25-36.

Simon, R. (1998). Proposta de Redefinição da EDAO. Mudanças, 10:13-24.

Simon, R. (2001). Manejo da transferência e da contratansferência na psicoterapia psicanalítica. V Encontro do Curso de Especialização em Psicoterapia Psicanalítica. São Paulo.

Simon, R. (2005). Psicoterapia Breve Operacionalizada: Teoria e Técnica. São Paulo, SP:Casa do Psicólogo.

Simon, R. (2010). Psicoterapia psicanalítica: concepção original – Teoria, técnica, pesquisas, Ilustrações Clínicas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Simon, R. & Yamamoto, K. (2008) Psicoterapia Breve Operacionalizada em Crise Adaptativa. Mudanças – Psicologia da Saúde. 16 (2), Jul-Dez, 144-151p.

Winnicott, D. (1996). O bebê e suas mães. São Paulo: Ed. Martins Fontes.