Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Cânon do Antigo Testamento nas Igrejas Cristãs

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1677-2644/correlatio.v11n21p163-181

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/COR/index 

downloadpdf

Carlos J. Klein1

 

Resumo: Este artigo trata de algumas questões relativas ao cânon do Antigo Testamento em diferentes tradições cristãs. Em Alexandria no terceiro século antes de Cristo foi elaborada uma tradução do Antigo Testamento do hebraico para o grego, a Septuaginta ou LXX. A esta foram incorporados livros escritos em grego, formando o cânon alexandrino. Em fins do século I, as Escrituras hebraicas foram consideradas como canônicas por um Concílio judeu (cânon palestinense). Na Igreja antiga prevaleceu o uso da Septuaginta, mas no cristianismo oriental houve restrições a livros do cânon alexandrino. No Ocidente, em decisões conciliares, foram incorporados sete livros ao cânon palestinense, formando o cânon do Antigo Testamento da Igreja Católica Romana. No século XVI, na Reforma Protestante, prevaleceu o cânon da Bíblia hebraica. O trabalho trata também dessa questão no âmbito da Igreja Ortodoxa, na qual se tem verificado certa indefinição na composição do cânon do Antigo Testamento. Paul Tillich observou em sua Teologia Sistemática (1984, 50): “Foi o Espírito quem criou o cânon. E, como todas as coisas espirituais, o cânon não pode ser fixado legalmente de forma definida. A abertura parcial do cânon é uma salvaguarda da espiritualidade da Igreja cristã”.

Palavras-chave: Cânon; Antigo Testamento; Septuaginta; Patrística; Igreja Católica; Igreja Ortodoxa; Reforma protestante

 

Abstract: This paper deals with some issues related to the Canon of Old Testament in various Christians traditions. In the 3sd Century B. C., in Alexandria, a translation of the Old Testament from Hebrew to Greek was elaborated. It was named Septuagint, ou LXX. New books written in greek were incorporated, constituting the Alexandrian Canon. In the end 1sd Century the Hebrew Scriptures were consideded the Canon by jewish council. In the Ancient Church the use of the Septuagint prevailed, but in Eastern Christianity there were restrictions to Alexandrian Canon. In the Western Church (Catholic), the adoption of seven books besides of hebreu Canon was dominant in Council resolutions.The Protestant Reformation, in 16th Century, adopted the Hebrew Bible Canon. This article also approuches this issue in the Orthodox Church. Paul Tillich (Systematic Theology): It was Spirit that created the canon. And as all spiritual things, the canon can not be legally prescribed shape. The parcial opening of the canon is a safeguard of Christian spiritualityh.

Key words: Canon; Old Testament; Septuagint; Patristic; Catholic and Orthodox Churches; Protestant Reformation.

 

1 Mestre e Doutor em Ciências da Religião, área de Teologia e História, pela Universidade Metodista de São Paulo. Professor no Curso de Teologia do Centro Universitário Filadélfia – UniFil – Londrina – PR.

 

Literatura Citada

AGOSTINHO, Santo. A cidade de Deus. Parte II. Petrópolis: Vozes, 1990.

AGUSTIN, San. Obras de San Agustín. Madrid, Biblioteca de Autores Cristianos, 1956.

ALTANER, Berthold; STUIBER, Alfred. Patrologia. São Paulo: Paulinas, 1998.

BARRERA, Julio Trebolle. A Bíblia judaica e a Bíblia cristã. Petrópolis: Vozes, 1999.

BASILIO MAGNO, S. Basílio de Cesareia. São Paulo: Paulus, 1998.

BAUER, Johannes B. Dicionário de teologia bíblica. São Paulo: Loyola, 1988.

BENTZEN, Aage. Introdução ao Antigo Testamento. São Paulo: Aste, 1968.

BIBLIA. Tradução Ecumênica. São Paulo, Loyola, 1994.

BOAVENTURA, São. Obras escolhidas. Caxias do Sul: Escola Superior de Teologia São Lourenço de Brindes, 1983. 60 Bíblia. Tradução Ecumênica. São Paulo, Loyola, 1994, Apresentação, p. ix. 61 TILLICH, Paul. Teologia sistemática, 1984, p. 50.

BOOK OF COMMON WORSHIP. Louisville, Kentucky, Westminster, John Knox Press, 1993.

CALVINO, J. Institución de la Religión Cristiana. Buenos Aires: Nueva Creación, 1988.

CONFISSÃO DE FÉ E CATECISMO MAIOR. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1980.

DICCIONARIO TEOLÓGICO INTERDISCIPLINAR. Salamanca: Sigueme, 1985.

CIRILO DE JERUSALÉM, São. Catequeses pré-batismais. Petrópolis: Vozes, 1978.

CRISÓSTOMO, S. João. Oito catequeses baptismais. Lisboa: Verbo, s/data.

DENZINGER, Enrique. El magistério de la Iglesia. Barcelona: Herder, 1963.

DICIONÁRIO CRÍTICO DE TEOLOGIA São Paulo: Paulinas/Loyola, 2004.

ENCHIRIDION PATRISTICUM. M. J. Rouet. Barcilona, Friburgi, Romae, 1958.

EUSÉBIO DE CESARÉIA. História eclesiástica. São Paulo: Fonte Editorial, 2005.

GEORGE, Timothy. Teologia dos reformadores. São Paulo: Vida Nova, 1994.

HARRI NGTON, Wilfrid J. Chave para a Bíblia. São Paulo: Paulinas, 1985.

HINÁRIO. Igreja Evangélica Reformada.Curitiba, 1998.

IRENEU DE LIÃO. Adversus haereses. São Paulo: Paulus, 1996.

KARENIN, Jerzy Berkman. Doutrina Cristã Ortodoxa. São Paulo: Santa Igreja Grego-Ortodoxa do Brasil, 1957.

LIVRO DE CONFISSÕES. Igreja Presbiteriana Unida dos Estados Unidos. São Paulo, 1969.

LIVRO DE ORAÇÃO COMUM. Igreja Episcopal do Brasil. Província Anglicana. Porto Alegre, 1987.

MACKENZIE, John L., S. J. Dicionário Bíblico. São Paulo: Paulinas, 1983.

METZGER, Bruce M. An Introduction to the Apocrypha. Oxford University Press, 1977.

PADRES APOSTÓLICOS, São Paulo: Paulus, 1995.

ROST, Leonard. Introdução aos livros apócrifos e pseudepígrafos do Antigo Testamento e aos Manuscritos do Mar Morto. São Paulo: Paulinas, 1980.

SALVADOR, José Gonçalves. Clemente Romano. São Paulo: Metodista, 1959.

SEPTUAGINTA. Stuttgart, Deutsch Bibelgesellschaft, 2006 e Sociedade Bíblica do Brasil, 2006.

SIMONS, Menno. The Complete Writings of Menno Simons. John C. Wenger, Ed. Scottdale, Herald Press, 1956.

TILLICH. Paul. Teologia Sistemática. São Paulo, Paulinas? São Leopoldo, Sinodal, 1984. VV.AA. Introdução à Bíblia 1. São Paulo: Herder, 1967.