Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Gênero e Infância: A Noção de Alteridade nas Representações Sociais de Meninos e Meninas1

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1043/el.v11n18p149-169

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/index 

downloadpdf

Fabiana C. Souza2

 

Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo principal verificar que concepções de gênero são manifestadas na socialização das crianças. Destaca-se, nesta discussão, que o gênero é uma construção social que conduz os processos que diferenciam homens e mulheres, envolvidos por relações de poder. Com base nessa perspectiva, buscou-se identificar e problematizar, nos processos educativos familiares e escolares, os discursos, as práticas que direcionam a construção de representações masculinas e femininas. Para isso, foi desenvolvida uma pesquisa de natureza analítico-descritiva e de abordagem qualitativa nas escolas do município de Monte Alto, além de entrevistas com uma turma de alunos/as da terceira série. Os resultados demonstram as representações de masculinidade e feminilidade manifestadas pelas crianças e mostram como o gênero interfere no processo de aprenderem a ser meninos e meninas.

Palavras-chave: Gênero – Representações de masculinidade te feminilidade – Socialização de crianças

 

Abstract: This research’s main goal was to check the gender conceptions that emerge in children socialization. This debate’s focus is that gender is a social construction that leads the processes that differentiate men and women, who are involved in relations of power. Based on such a perspective, we sought to identify and formalize the problematic on the discourse and the practices that guide the construction of female and male representations in the educational processes, both in school and in the family. To do so, we carried out an analytical-descriptive qualitative survey in the schools of Monte Alto; the survey was complemented by interviews with students from the 3rd grade. Results show the male and female representations manifested by children; they also demonstrate how gender interferes in the process of learning how to become a boy or a girl.

Key words: Gender – Female and male representations – Children socialization

 

1 Este artigo é adaptação de um capítulo da tese de doutorado Desvendando práticas familiares e escolares a partir das relações de gênero: uma reflexão sobre a educação de meninos e meninas, defendida pela autora em fevereiro de 2007 na Faculdade de Ciências e Letras, Unesp, campus de Araraquara.
2 Professora Doutora do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Tendências Pedagógicas da Faculdade de Educação São Luís, Jaboticabal, São Paulo. E-mail: fabi_cds@yahoo.com.br.

 

Literatura Citada

AMARAL, Célia Chaves Gurgel do. Relações familiares, adolescência, gênero e representações sociais de adolescente. Campinas: Unicamp, 1997. 496 p. Tese de doutorado apresentada à Universidade Estadual de Campinas.

COSTA, Arlete de. Cenas de meninos e meninas no cotidiano institucional da educação infantil; um estudo sobre as relações de gênero. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2004. 157 p. Dissertação de mestrado em Educação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina.

DUVEEN, Gerard. Crianças enquanto atores sociais: as representações sociais em desenvolvimento. In: GUARESCHI, Pedrinho; JOVCHELOVITCH, Sandra (orgs.) Textos em representações sociais. Rio de Janeiro: Vozes, 1995. p. 261-293.

FELIPE, Jane. Construindo identidades sexuais na educação infantil. Pátio, Porto Alegre, n. 7, p. 56-58, nov./dez., 1999.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert L.; RABINOW, Paul (orgs.) Michel Foucault; uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense/Universitária, 1995. p. 231-249.

JODELET, Denise. A alteridade como processo e produto psicossocial. In: ARRUDA, Angela (org.) Representando a alteridade. Rio de Janeiro: Vozes, 1998. p. 47-67.

LEITE, Maria Isabel Ferraz Pereira. Brincadeiras de menina na escola e na rua: reflexões da pesquisa no campo. Cadernos Cedes, São Paulo, n. 56, p. 63- 80, abr., 2002.

LOPES, Luiz Paulo da Moita. Identidades fragmentadas: a construção discursiva de raça, gênero e sexualidade em sala de aula. São Paulo: Mercado de Letras, 2002.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pósestruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MANCE, Euclides André. Emmanuel Lévinas e a alteridade. Revista Filosofia, Curitiba, PUC, v. 7, p. 23-30, abr., 1994.

MOORE, Henrietta L. Fantasias de poder e fantasias de identidade: gênero, raça e violência, Cadernos Pagu, São Paulo, n. 14, p. 13-44, 2000.

MOSCOVICI, Serge. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

RIBEIRO, Marcos. Menino brinca de boneca? Rio de Janeiro: Salamandra, 2001.

ROCHA, Ruth. Faca sem ponta galinha sem pé. São Paulo: Ática, 2005.

SAYÃO, Déborah Thomé. Pequenos homens, pequenas mulheres? Meninos, meninas? Algumas questões para pensar as relações entre gênero e infância. Pro-posições, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 67-87, set./dez., 2003.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez., 1995.

WHITAKER, Dulce Consuelo Andreatta. Menino-Menina: sexo ou gênero? Alguns aspectos cruciais. In: SERBINO, Raquel Volpato; GRANDE, Maria Aparecida Rodrigues de Lima (orgs.). A escola e seus alunos: estudos sobre a diversidade cultural. São Paulo: Edunesp, 1995. p. 31-52.