Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Reorganização do Ensino Fundamental em Ciclos: Trajetória dos Últimos Trinta Anos no Estado de São Paulo

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1043/el.v15n26p169-191

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/index 

downloadpdf

João C. Palma Filho, Maria L. Alves & Marília C. G. Duran

 

Resumo: Um diagnóstico da educação no início de 1980 no estado de São Paulo revelou um cenário de baixa qualidade do ensino, considerando as altas taxas de evasão, remuneração inadequada e más condições de trabalho dos professores, além da falta de programas adequados para a melhoria e a formação contínua dos docentes, instalações mal exploradas, falta de desempenho harmônico entre a escola e a comunidade. Estudos apontam, como responsáveis por esta situação educacional de rendimento escolar, “a baixa dotação de recursos orçamentários para o setor de educação, o uso pelo governo do sistema de ensino público para alimentar esquemas de corrupção, o nepotismo eleitoral e distribuição de favores”. Uma terceira causa do fracasso da ação governamental no campo da educação aponta para o fato de que “as reformas educacionais foram impostas, de cima para baixo, sem a participação das partes interessadas” (cf. documento do Partido do Movimento Democrático Brasileiro, 1982). Este breve resumo introduz a discussão sobre o tema da reorganização do ensino fundamental em ciclos, considerando a trajetória dos últimos trinta anos no estado de São Paulo. E o artigo se desdobra em três movimentos. O primeiro retoma a discussão sobre a criação do ciclo básico em 1983 e suas consequências. O segundo movimento discute caminhos e descaminhos das políticas desencadeadas com a implementação do ciclo básico, seus desenvolvimentos e descontinuidades. O terceiro movimento dá continuidade à discussão da proposta de flexibilização, não do tempo, mas do formalismo do currículo, por meio das linguagens artísticas. E a questão levantada nessa pesquisa de natureza documental e bibliográfica é a seguinte: a política da reorganização da escola em ciclos alavancou avanços? Se sim, em que direção?

Palavras-chave: ensino fundamental, organização escolar, ciclos de aprendizagem.

 

Abstract: A diagnosis of education in the early 1980s in the state of São Paulo revealed a scenario of low quality education, with high dropout rates, inadequate wages and poor working conditions for teachers, as well as under-used facilities, the lack of ongoing teacher training and further educational programs, and the lack of a harmonious relationship between school and community. Studies show that among the causes for such educational performance are “the low allocation of budget resources to education, the governmental misuse of the public educational system to feed corruption, electoral nepotism, and the distribution of political favors”. A third cause for the failure of governmental actions in education relates to the fact that “educational reforms have been imposed top-down without the participation of the parties involved” (see the Brazilian Democratic Movement Party document, 1982). This brief abstract introduces the discussion on the reorganization of the elementary education in the state of São Paulo in cycles in the last 30 years. The article unfolds in three stages. The first stage resumes the discussion on the creation of the Basic Cycle in 1983 and its consequences. The second one discusses the right and wrong turns of the policies triggered by the implementation of the Basic Cycle, as well as their developments and discontinuities. The third stage continues the discussion about the proposal for making the formal curriculum flexible (rather than its time) by including art languages. The question raised in this research paper is: Has such policy of school reorganization in cycles produced any advances? If so, in what direction?

Key words: elementary school, educational organization, learning cycles.

 

Literatura Citada

ALVES, M. L. A educação continuada comprometida com a transformação social. 2000. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

ALVES, M. L. A escola como uma instituição socializadora da cultura. In:

PERES, E. et al. Trajetórias e processos de ensinar e aprender: sujeitos, currículos e cultura. Porto Alegre: Edipucrs, 2008. p. 440-455, v. 3.

AZEVEDO, A. J. A organização do ensino em ciclos e o regime de progressão continuada. Revista Científica Eletrônica de Pedagogia. Garça, São Paulo, a. 5, n. 9, jan. 2007.

BARRETTO, E. S. S.; SOUSA, S. Z. Estudos sobre ciclos e progressão escolar no Brasil: uma revisão. Educação e Pesquisa, São Paulo, a. 30, n. 1, p. 31-50. jan.-abr.

BARRETO, E. S. S. et al. A mudança curricular na Secretaria da Educação. IN: BARRETO, E. S. S. Superando a dicotomia administrativo-pedagógica. São Paulo: Secretaria da Educação; Cenp, 1986. p.27-33.

BONEL, M. M. O ciclo básico: estudo de caso de uma política pública no estado de São Paulo. 1993. Dissertação (Mestrado) Faculdade de Educação, Universidade de Campinas, Campinas.

DURAN, M. C. G.; ALVES, M. L.; PALMA FILHO, J. C. Vinte anos da política do ciclo básico na rede estadual paulista. Caderno de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 124, jan.-abr. 2005.

DURAN, M. C. G. Alfabetização na rede pública de São Paulo: a história de caminhos e descaminhos do ciclo básico. 1995. Tese (Doutorado) - PontifíciaUniversidade Católica de São Paulo, São Paulo.

DURAN, M. C. G. Emilia Ferreiro: uma concepção do desenvolvimento da escrita na criança. São Paulo: Vozes, 2009.

FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

LIBANORI, G. A.; RISCAL, S. A. O novo papel da escola como executora de políticas públicas: as parcerias da Secretaria de Estado da Educação de São Paulo para a realização de programas sociais. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 34., 2011, Natal Anais… Natal: 2011.

LIBANORI, Guilherme Andolfatto & RISCAL, Sandra Aparecida. A família vai à escola: as concepções de justiça social, cidadania e parcerias comunitárias como estratégias conservadoras de poder em cinco programas da Secretaria de Estado da Educação de São Paulo. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.44, p.337-337.

MONFREDINI, I. Política educacional e cultura escolar: consequências na constituição de professores de 5ª à 8ª séries. Teoria e Prática da Educação. v. 12, n. 1, p. 101-114, jan.-abr. 2009.
PARO, V. H. Reprovação escolar: renúncia à educação. 2. ed. São Paulo: Xamã, 2003.

PALMA FILHO, J. C.; ALVES, M. L.; DURAN, M. C. G. Ciclo básico em São Paulo: memórias da educação nos anos 1980. São Paulo: Xamã, 2003.

PALMA FILHO, J. C. A reforma curricular da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo para o ensino de 1º grau (1983-1987): uma avaliação crítica. 1989. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade católica de São Paulo, São Paulo. 247p.

PARTIDO DO MOVIMENTO DEMOCRÁTICO BRASILEIRO (PMDB). Proposta Montoro: versão preliminar. São Paulo, 1982. (Jornal de campanha).

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas, Informativo Cenp. São Paulo, p. 9, fev.1984.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Por uma educação básica de qualidade. São Paulo: SEE, 2011a.

SÃO PAULO (Estado). Progressão continuada da aprendizagem no ensino fundamental organizado em três ciclos. São Paulo: SEE, 2011b.

VASCONCELOS, M. L. M. C. Progressão continuada: por que a revisão dos ciclos? Revista Lusófona de Educação, v. II, p. 77-84, 2008.

VIEIRA, S. L. Continuidades e rupturas na política educacional: indicadores do período 1995-2005. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 34., 2011, Natal Anais… Natal: 2011.