Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Lúdico e Limites Formativos no Contexto da Indústria Cultural

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v21n2p161-172

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Eduardo O. Sanches1 & Luiz H. Fabiano2

 

Resumo: Trata-se de uma pesquisa de natureza teórica que busca a relação existente entre as apropriações do lúdico pela sociedade de consumo atual e a determinação de estereótipos no imaginário social. A constante veiculação de condutas estereotipadas pelos meios de comunicação de massa é uma das sutis estratégias utilizadas para mistificar a realidade, visando manter o modelo social atual. O lúdico, compreendido como atividade que permite a expansão da sensorialidade, a ampliação de capacidades perceptivas e recurso da aprendizagem vinculada à formação do sujeito, hoje participa da legitimação e manutenção da estrutura social hegemônica pelas formas sutis de manipulação. Em vista do exposto, a educação torna-se importante vetor de formação crítica, mediando uma parcela da constituição da concepção de mundo dos sujeitos. Compreender o lúdico inserido no processo educacional, e as direções a que esse entendimento remete, torna-se relevante, pois nessa forma de expressão humana reside um significativo processo de intervenção pedagógica como fortalecimento da interioridade do sujeito. As análises realizadas nesta pesquisa partem das formulações de Max Horkheimer e Theodor Adorno, mais especificamente as categorias de razão instrumental, indústria cultural e semiformação.

Palavras-chave: lúdico, indústria cultural, educação

 

Abstract: This is a research of a theoretical nature that seeks the relation between the current consumer society’s appropriation of recreation and the determination of stereotypes in social imagery. The constant broadcasting of stereotyped conducts by the mass media is one of the subtle strategies used to mystify reality in order to maintain the current social model. Recreation, understood as an activity that enables the expansion of sensoriality, the widening of perceptual skills, and as a learning resource associated with the subject’s training, takes part in the legitimation and maintenance of the hegemonic social structure through subtle forms of manipulation. Thus, education becomes an important vector of critical training, mediating part of the constitution of people’s world view. It is relevant to understand the recreational element inserted in the educational process, and the directions this understanding leads to, since in this form of human expression is a significant process of educational intervention to strengthen the subject’s inner self. This study’s analyzes were based on the ideas of Max Horkheimer and Theodor Adorno, specifically the categories of instrumental reason, cultural industry and semi-formation.

Key words: recreation, cultural industry, education

 

1 Doutorando em Educação da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho – Unesp. Apoio FAPESP. eduardo.uem@hotmail.com
2 Doutor em Educação e professor aposentado da Universidade Estadual de Maringá – UEM

 

Literatura Citada

ADORNO, T. A indústria cultural. In: COHN, G. (Org.). Comunicação e indústria cultural. São Paulo: Nacional, 1978.

ADORNO, T. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1991. (Coleção Os Pensadores).

ADORNO, T. Mínima morália: reflexões a partir da vida danificada. São Paulo: Ática, 1992.

ADORNO, T. Palavras e sinais: modelos críticos. Petrópolis: Vozes, 1995a.

ADORNO, T. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995b.

ADORNO, T. Teoria da semicultura. Educação e Sociedade, Campinas, ano XVII, n 56, p. 388-411, dez. 1996.

ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

GOMIDE, A. P. de A. Psicanálise e teoria social à luz da teoria crítica de Theodor W. Adorno. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 31, n. 1, p. 120-133, 2011. doi

LAFARGUE, P. O direito à preguiça. Lisboa: Teorema, 1977.

LOCKE, J. Segundo tratado sobre o governo. São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Coleção Os Pensadores).

SANCHES, E. O. Lúdico e experiência formativa: convenções ideológicas e emancipação social. 2007. 109f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná.

SOARES, C. A imagem da educação no corpo. Campinas: Autores Associados, 2002.

WOOD JR., T. Fordismo, toyotismo e volvismo: os caminhos da indústria em busca do tempo perdido. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 32, n. 4, p. 6-18, set.-out. 1992. doi