Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Vida das Estatísticas e a Vida das Mulheres: Sobre as Possibilidades de Produzir Dados Afetados e o Caso da Pesquisa do IPEA

DOI: http://dx.doi.org/10.15668/1807-8214/artemis.v17n1p25-40

http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis 

downloadpdf

Alana Moraes1

 

Resumo: O presente artigo pretende oferecer algumas reflexões sobre a interface entre produção de conhecimento científico e produção de políticas do Estado no que se refere à vida das mulheres e ás consequentes implicações para a agenda de pesquisa feminista no “sul global”. Para tal problematização, utilizaremos como caso ilustrativo a produção e repercussão da pesquisa sobre tolerância social à violência sexista realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) em março de 2014. Pretendemos aqui sugerir alguns apontamentos sobre a historicidade e significados dos métodos quantitativos e da produção de estatísticas no que diz respeito às relações de poder e às produções dos saberes sujeitados no que se refere à experiência das mulheres. Procuramos com esse debate, por fim, levantar algumas questões sobre a pauta da despatriarcalização do Estado e sua relação com a disputa epistêmica no campo do feminismo do sul global.

Palavras-chave: feminismo, estado, epistemologia da ciência, relações de poder

 

Abstract: This article aims to offer some reflections about the interface between the production of scientific knowledge and the production of the State Policies with regard to the lives of women and the consequent implications for feminist research agenda in the global south. To this end we will use as illustrative case the production and impact of a research on gender violence conducted by the Institute for Applied Economic Research (IPEA) in March 2014. We intend here to suggest some pointers about the historicity and significance of quantitative methods and the production of statistics with regard to the power relations and the productions of the subjected knowledges in which refers to women’s experience. We finally seek with this discussion raise questions about the agenda of the State dispatriarchalization and its relationship with the epistemic dispute in the field of feminism from the south.

Key words: feminism, state, epistemology of science, power relations

 

1 Institut des Hautes Etudes de l’Amérique Latine, Paris 3 - Sorbonne Nouvelle. Paris, França. E-mail: alana.ufrj@gmail.com

 

Literatura Citada

BORDO, Susan. (2000). “A feminista como o outro”. In: Estudos feministas. Ano 8 . 1º semestre. 10-29.

BOURDIEU. Pierre. (1973[1972]). “A opinião pública não existe”. Comunicação feita em Noroit (Arras) em janeiro de 1972 e publicada em Les Temps Modernes, 318, janeiro de 1973.

BRAUM, Pedro. (2009). O estado da ciência e a ciência do Estado: a Fundação Getúlio Vargas e a configuração do campo das ciências econômicas no Brasil. Dissertação de Mestrado defendida pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Museu Nacional.

BUTLER, Judith. (2010). Ce qui fait une vie. Essai sur la violence, la guerre et le deuil. Paris, Zones.

CAMARGO, Alexandre de Paiva Rio. (2009). “Sociologia das estatísticas: possibilidades de um novo campo de investigação”. In: Hist. cienc. saúde-Manguinhos. Rio de Janeiro, v. 16, n. 4, Dec.

CAMPBELL, Kristen. (2004). “The Promise of Feminist Reflexivities: Developing Donna Haraway’s Project for Feminist Science Studies”. In: Hypatia, Volume 19, Number 1, pp. 162-182. Published by Indiana University Press. https://doi.org/10.1111/j.1527-2001.2004.tb01273.x

CARRASCO, Cristina. (2012) Estatísticas sob suspeita. SOF, São Paulo.

CPDOC. (2005). Rio de Janeiro: CPDOC/FGV.

DAS, Veena. (2008). “Violence, Gender and Subjectivity”. In: Annual Review of Anthropology, 37, pp. 283-99. https://doi.org/10.1146/annurev.anthro.36.081406.094430

DASTON, Lorraine. (1995). “The Moral Economy of Science”. In: Osiris, 2nd Series, Vol. 10, Constructing Knowledge in the History of Science, pp. 2-24. https://doi.org/10.1086/368740

DEBERT, Guita. & GREGORI, Maria Filomena(2008). “Violência de gênero: novas propostas, velhos dilemas”. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 23, n, 66, pp. 165-185, fev.

DESROSIÈRES, Alain. (1993). La politique des grands nombres. Histoire de la raison statistique. Paris, La dècouverte.

FAVRET-SAADA, Jeanne (2005). “Ser afetado” (tradução de Paula de Siqueira Lopes). In: Cadernos de Campo, n. 13, pp. 155-161.

FOUCAULT, Michel. (2006). “Omnes et singulatim: uma crítica da razão política”. In: FOUCAULT, Michel. Estratégia, poder saber. Org. e seleção de textos, Manoel Barros da Motta; trad., Vera Lucia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, pp. 355-385.

FOUCAULT, Michel. (2005). Em defesa da sociedade: Curso no Collège de France (1975-1976), (trad. de. Maria Ermantina Galvão). São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. (2000). “A governamentalidade”. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Org., introd., trad. e rev. técnica, Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal. pp. 277-293.

FOUCAULT, Michel. (1996). A ordem do Discurso. São Paulo: Edições Loyola.

HARAWAY, Donna. (1995). “Saberes localizados. A questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”. In: Cadernos Pagu (5), pp. 07-41.

HEREDIA, Beatriz Maria Alásia de. (1979). A morada da vida: trabalho familiar de pequenos produtores do Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

IPEA . Ipea -40 Anos: uma trajetória voltada para o desenvolvimento. Maria Celina D`Araujo, Ignez Cordeiro de Farias, Lucia Hippolito (organizadoras) Rio de Janeiro, 2005

IRIGARY, Luce & MASTRANGELO, Bové. (1987). “Le Sujet de la Science Est-ll Sexué?/Is the Subject of Science Sexed?Author(s)”. In: Hypatia, Vol. 2, No. 3, Feminism & Science, 1 (Autumn), pp. 65-87.

LATOUR, Bruno. (2000). Ciência em Ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP.

MARTIN, Olivier. (2001). “Da estatística política à sociologia estatística. Desenvolvimento e transformações da análise estatística da sociedade (séculos XVII-XIX)”. In: Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 21, nº 41, pp. 13-34.

MATOS, Marlise. (2010). “Movimento e Teoria feminista: É possível reconstruir a teoria feminista a parir do sul global?”. In: Rev. Sociol. Polít., Curitiba, v. 18, n. 36, pp. 67-92, jun.

NEIBURG, Federico. (2010). “Os sentidos sociais da economia”. In: DIAS DUARTE, Luiz Fernando & BENEDITO MARTINS, Carlos (orgs.). Antropologia. Horizontes das Ciências Sociais no Brasil. São Paulo: Anpocs/Ciência Hoje / Discurso Editorial / Barcarolla, pp. 225-258.

NEIBURG, Federico. (2007). “As moedas doentes, os números públicos e a antropologia do dinheiro”. In: MANA 13(1), pp. 119-151. https://doi.org/10.1590/s0104-93132007000100005

OLIVEIRA, Luiz Antônio; SIMÕES, Celso Cardoso (2005). “O IBGE e as pesquisas populacionais”. In: Ver .bras. Est. Pop, São Paulo, v. 22, n. 2, pp. 291-302, jul./dez.

PASINATO, Wânia. (2011). “Femicídios e as mortes de mulheres no Brasil”. In: Cadernos Pagu (37), julho/dezembro, pp. 219-246. https://doi.org/10.1590/s0104-83332011000200008

PERROT, Michelle. (1977). “Premières mesures des faits sociaux: les débuts de la statistique criminelle en France (1780-1830)”. In: Pour une histoire de la statistique, cit. p. 125. Paris.

PIGNARRE, Philippe & STENGERS, Isabelle. (2005). La Sorcellerie capitaliste. éd. La Découverte, Paris.

PORTER, Theodore (1995). Trust in numbers. The search for objectivity in science and public life. Princeton: Princeton University Press.

RICHARD, Nelly. (1996). “Feminismo, experiencia y representación”. In: Revista lberoamericana, v. 62, n. 176-177, pp. 733-744, julho-dezembro.

SCOTT, Joan. (1989). Gênero. Uma categoria útil para a análise histórica. Tradução: Christine Rufino Dabat, Maria Betânia Ávila.

SCOTT, Joan. (1999). “Igualdade versus diferença: os usos da teoria pós-estruturalista”. In: Debate feminista, São Paulo: Cia. Melhoramento, Edição Especial (cidadania e feminismo), pp. 203-222.

SNTENGERS, Isabelle. (2013). “Cultiver une déloyauté envers ceux qui nos gouvernent”. Entrevista feita por Michail Maiatsky pour le projet General Intellect. Contretemps.

SOUZA, Alana Moraes. (2012). A gente trabalha onde a gente vive: A vida social das relações econômicas: parentesco, “conhecimento” e as estratégias econômicas no agreste das confecções. Dissertação de Mestrado UFRJ.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. (2010). Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG.

VIANNA, Adriana & FARIAS, Juliana. (2011). “A guerra das mães: dor e política em situações de violência institucional”. In: Cad. Pagu. Campinas, n. 37, Dec . 79-116.