Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Contexto Histórico, Econômico e Político da Engenharia no Brasil: Do Século XVIII ao Século XXI

DOI: http://dx.doi.org/10.15552/2236-0158/abenge.v32n1p65-73

http://www.abenge.org.br/revista/index.php/abenge/index 

downloadpdf

Adriana M. Tonini1

 

Resumo: No Brasil e no mundo, o progresso tecnológico e o crescimento econômico de um país dependem da formação em engenharia. Nesse sentido, justifica-se a necessidade de investigações que alinhavem algumas interações entre essa área profissional e as políticas educacionais do ensino superior, em especial, dos cursos de engenharia. Assim, este artigo tem por objetivo apresentar o contexto histórico, econômico e político do curso de Engenharia, tentando explicar como este sempre esteve relacionado ao sistema de produção econômica do país e ao desenvolvimento geoeconômico e político que vem simultaneamente atrelado a novas perspectivas de formação nessa área.

Palavras-chave: formação, engenharia, tecnologia, políticas públicas

 

Abstract: In Brazil and in the world, the technological progress and the economic growth of a country depend on training in engineering. This justifies the need of some investigations to promote professional interactions between this area and the educational policies of higher education, in particular, of engineering degrees. Thus, this article aims to present the historical, economic and political context of the Engineering course, trying to explain how it has always been related to the economic system output of the country, and also to the geo-economic and political development which is simultaneously coupled to new vistas of training in this area.

Key words: formation; engineering, technology, public politics

 

1 Professora doutora, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais; atonini2@hotmail.com

 

Literatura Citada

ARANTES, Eduardo Marques. Reengenharia do ensino das engenharias: da construção do discurso oficial à produção de reformas curriculares. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.

BARBOSA, Maria Ligia de Oliveira. Reconstruindo as Minas e planejando as Gerais: os engenheiros e a constituição dos grupos sociais. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP, Campinas, 1993.

BRASIL. Decreto Federal n. 23.569, de 11 de dezembro de 1933. Regula o exercício das profissões de engenheiro, de arquiteto e de agrimensor. Brasília/DF, 1933.

BRASIL. Lei n. 5.194, de 24 de dezembro de 1966. Regula o exercício das profissões de engenheiro, de arquiteto e de engenheiro-agrônomo, e dá outras providências. Brasília/DF, 1966.

BRASIL. Lei n. 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola media, e dá outras providencias. Brasília/DF, 1968.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília/DF, 1996.

BRASIL. Lei n. 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Brasília/DF, 2004.

BRASIL. CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n. 48, de 27 de abril de 1976. Fixa os mínimos de conteúdo e de duração do Curso de Graduação em Engenharia. Brasília/DF, 1976.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer CNE/CES n. 1362/2001, aprovado em 12 de dezembro de 2001. Assunto: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia. Diário Oficial da União. Brasília/DF, 25 de fevereiro de 2002. Seção 1, p. 17.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução CNE/CES n. 11/2002, aprovado em 11 de março de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia. Diário Oficial da União. Brasília/DF, 9 de abril de 2002. Seção 1, p. 32.

CAVALIERE, Ana Maria Villela. Escola de educação integral: em direção a uma educação escolar multidimensional. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da UFRJ, Rio de Janeiro, 1996.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino superior no octênio FHC. Revista Educação e Sociedade, Campinas: v. 24, n. 82, p. 37-61, abr. 2003.

GASPARIN, João Luiz; FAUSTINO, Rosângela Célia. A influência do positivismo e do historicismo na educação e no ensino de história. Acta Scientiarum, Maringá, v. 23, n. 1, p. 157-166, 2001.

GENRO, Tarso. Anteprojeto da Reforma do Ensino Superior. Brasília/DF, 2005. Documento disponível na Internet: <http://www.mec.gov.br/reforma>. Acesso em 10 jun. 2006.

GHIRALDELLI JR., Paulo. História da educação brasileira. São Paulo: Cortez, 2006.

KAWAMURA, Lili Katsuco. Engenheiro: trabalho e ideologia. São Paulo: Ática, 1979.

LESSA, Carlos. Conferência no VIII Encontro de Educação em Engenharia. Simpósio Engenharia, Universidade e Nação. Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Rio de Janeiro, nov. 2002.

OLIVEIRA, Vanderli Fava. Crescimento, evolução e o futuro dos cursos de engenharia. ABENGE. Revista de Ensino de Engenharia, v. 24, n. 2, p. 3-12, 2005 – ISSN 0101-5001.

PEIXOTO, Maria do Carmo de Lacerda. Política de ciência e tecnologia e formação do pesquisador. Cadernos de Sociologia, Porto Alegre, Programa de Pós-Graduação em Sociologia – UFRGS, v. 8, p. 45-67, dez. 1998.

PESSOTTI, Gabriel. USP, FFLCH e o estado de São Paulo. Revista Klepsidra. Curso de História da USP. out./nov., São Paulo, v. 13, 2002. Documento disponível na Internet: <http://www.klepsidra.net/>. Acesso em 30 mar. 2006.

PINTO, Danilo Pereira; PORTELA, Júlio César da Silva; SOUZA, Antônio Claudio Gomes de. Lei de Diretrizes e Bases da Educação e Diretrizes Curriculares Nacionais. Revista Engevista, Niterói, v. 5, n. 9, p. 5-19, 2003.

TRINDADE, Helgio. República em tempos de reforma universitária: o desafio do governo Lula. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 88, p. 819-44, out. 2004. doi

VIEIRA, Sofia Lerche; FARIAS Isabel Maria Sabino de. Política educacional no Brasil: introdução histórica. Brasília/DF: Editora Plano, 2003.