Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Escola de Engenharia de São Carlos (EESC-USP) Diante do Desafio da Ambientalização Curricular dos Cursos de Graduação1

DOI: http://dx.doi.org/10.15552/2236-0158/abenge.v30n1p24-34

http://www.abenge.org.br/revista/index.php/abenge/index 

downloadpdf

Alessandra Pavesi2

 

Resumo: Neste artigo apresenta-se um primeiro mapeamento dos atuais espaços de formação ambiental dos alunos da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC-USP), realizado com base na análise dos projetos pedagógicos dos cursos de graduação e de entrevistas com seus coordenadores, efetuadas entre 2007 e 2008. Os resultados sugerem uma discrepância entre as finalidades declaradas da educação em engenharia/arquitetura e as estratégias curriculares concretas propostas para ativar as competências ambientais dos futuros profissionais. Além de antecipar algumas concepções de ambientalização curricular presentes na comunidade acadêmica da EESC, indicam-se possíveis caminhos para a incorporação da dimensão ambiental na formação de engenheiros/arquitetos, ao mesmo tempo em que apontam-se obstáculos. Esses residem, entre outras coisas, em limitações da estrutura e dinâmica organizacional, cuja superação demanda o engajamento da comunidade acadêmica em processos de investigação e aprendizagem organizacional.

Palavras-chave: currículo, ambiente, sustentabilidade, engenharia, arquitetura

 

Abstract: This article presents a survey of current opportunities for environmental education of students at the School of Engineering of Sao Carlos (EESC-USP). These are based on analyses, done between 2007 and 2008, of curricula orientations for undergraduates and, also, on interviews with their coordinators. The results suggest an inconsistency between declared purposes of education in Engineering/Architecture and concrete curricular strategies proposed to develop the environmental competencies of the future practitioners. Some conceptions of curricular greening in the academic community of EESC are also presented, as well as possible ways to incorporate the environmental dimension in the education of engineers and architects. Obstacles that lie in shortcomings of the organizational structure and dynamics are pointed out. To overcome them, the academic community must be involved in processes of organizational investigation and learning.

Key words: curriculum, environment, sustainability, engineerig, architecture

 

1 Este artigo é baseado no trabalho Rumo à ambientalização curricular: perspectivas e desafios: o caso da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC-USP), apresentado na seção Experiências de educação ambiental em âmbitos universitários do VI Congresso Ibero-americano de Educação Ambiental, celebrado em setembro de 2009 em San Clemente del Tuyu, Argentina
2 Consultora em educação ambiental para a educação superior. Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Rua Jesuíno de Arruda n. 1528, São Carlos, SP. Telefone: (16)34130695. E-mail: sandra_pavesi@hotmail.com

 

Literatura Citada

APER, J.P. Environmental ethics and the ethical environment of the undergraduate curriculum. Environmental Education and Information, v. 16, n. 4, p. 387-394, 1997.

ARGYRIS, C; SCHÖN, D.A. Organizational Learning II: Theory, Method and Practice. New York: Addison-Wesley Publishing Company, 1996.

BALL, S.J. The micro-politics of the school: towards a theory of school organization, London: Routledge Kegan & Paul, 1988.

BOWERS, A.C. Ecologically centered view of creativity. Educational Theory, v.44, n.2, 1994. 

BRASIL. Lei n. 9.795/99. Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA). Disponível em:<http://www.presidencia.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9795.htm>. Acesso em: 05 jul.2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Arquitetura e Urbanismo, 2005. Disponível em: <http://www.abea_arq.org.br.>. Acesso em: 10 jul. 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia: Resolução CNE/CES 11/2002. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de abril de 2002. Secção 1, p.32. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES112002.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2009

CONFEA. Resolução n. 1002/02. Código de Ética Profissional. Disponível em: <http://www.confea.org.br>. Acesso em: 10 mar. 2007.

DUARTE, J. F. Fundamentos estéticos da educação. Campinas: Papirus, 1988.

FENNER, R.A.; AINGER, C.M.;CRUICKSHANK, H. J.; GUTHRIE, P.M. Embedding sustainable development at Cambridge University Engineering Department. International Journal of Sustainability in Higher Education, v. 6, n. 3, p. 229-241, 2005. doi

FORESTI, E. O lugar e a natureza da questão ambiental no ensino universitário (mesa redonda). In: Simpósio Estadual sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, 2., 1989, São Paulo. Anais... São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente, Coordenadoria de EA, 1990. p. 131-137.

FOUTO, A. R. F. O papel das universidades rumo ao desenvolvimento sustentável: das relações internacionais às práticas locais. Março, 2002. Disponível em:<http://campusverde/pt. >. Acesso em: 03 jun. 2006.

HARGREAVES, A. O ensino na sociedade do conhecimento: a educação na era da insegurança. Porto: Editora Porto, 2003.

JUCKER, R. “Sustainability? Never heard of it!” Some basics we shouldn’t ignore when engaging in education for sustainability. International Journal of Sustainability in Higher Education, v. 3, n. 1, p. 8-18, 2002. doi

LEAL FILHO, W. Dealing with misconceptions on the concept of sustainability. International Journal of Sustainability in Higher Education, v. 1, n. 1, p. 9-19, 2000. doi

LEFF, H. Ambiente, Interdisciplinariedad y Currículum Universitario: la educación superior en la perspectiva del desarollo sustentable. In: ALBA, A. El Currículum Universitario: de cara al nuevo milenio. Centro de Estudios sobre la Universidad, S. Rafael (México): Plaza y Valdés Editores, 1997. p. 205-211.

LEITE, D. Reformas universitárias: Avaliação Institucional Participativa. Petrópolis: Vozes, 2005.

MORAES, A. C. R. Seminários Nacionais sobre Universidade e Meio Ambiente: uma avaliação. Florianópolis: UFSC, 1990.

OLIVEIRA, H. T.; FARIAS, C. R. O.; PAVESI, Alessandra. Educação Ambiental no ensino superior brasileiro: caminhos percorridos e perspectivas para políticas públicas. Revista brasileira de Educação Ambiental, v. II, p. 91-101, 2008.

OLIVEIRA JÚNIOR, W.M. et al. As 10 características em um diagrama circular. In: JUNYENT, M.; GELI, AM.; ARBAT, E. Ambientalización curricular de los estúdios superiores 2: proceso de caracterización de la ambientalización curricular de los estúdios superiores. Girona: Universitat de Girona, 2003. p. 35-55.

OREFICE, P. Didattica dell’ambiente. Scandicci (Firenze): La Nuova Italia, 1993.

PATEN, C.J.K.; PALOUSIS, N.; HARGROVES, K.; SMITH, M. Engeneering sustainable solutions program: critical literacies for engineers portfolio. International Journal of Sustainability in Higher Education, v. 6, n. 3, p. 265-277, 2005. doi

PAVESI, A. A ambientalização da formação do arquiteto: o caso do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos (CAU, EESC-USP). Tese de Doutorado em Educação – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, 2007. 199 p.

PAVESI, Alessandra ; FARIAS, C. R. O. ; OLIVEIRA, H. T. . Greening Higher Education as a Procedure of Institutional Learning. In: Leal Filho, W. (Org.). Sustainability at Universities: Opportunities, Challenges and Trends. 1 ed. Frankfurt: Peter Lang Scientific Publishers, no prelo, v. 31, p. 121-131.

SACHS, W. La natura come sistema: per una critica dell’Ecologia. Linea d’ombra, v. 9, n. 61, p. 25-30, 1991.

SILVA, R.T. Estado, Políticas Públicas e Universidade. Revista de Cultura e Extensão da USP, n. 0, p. 105-124, jul.-dez. 2005.

STERLING, S. Higher education, sustainability, and the role of systemic learning. In: CORCORAN, P. B. e WALS, A. E. J. (Ed.). Higher education and the challenge of sustainability: problematics, promise, and practice. London: Kluwer Academic Publishers, 2004. p. 49-70. doi

THOMAS, I. Sustainability in tertiary curricula: what is stopping it happening? International Journal of Sustainability in Higher Education, v. 5, n. 1, p. 33-47, 2004. doi

VEIGA, I.P.A. Projeto político pedagógico: continuidade ou transgressão para acertar? In: CASTANHO, S; CASTANHO, M. E. L. M. (Org.). O que há de novo na educação superior: do projeto pedagógico à prática transformadora. São Paulo: Papirus, 2004. p. 183-219.

VIOLA, J. E.; LEIS, H. E. A evolução das políticas ambientais no Brasil, 1971-1001: do bissetorialismo preservacionista para o multissetorialismo orientado para o desenvolvimento sustentável. In: HOGAN, D.F.; VIEIRA, P.F. (Org.). Dilemas socioambientais e desenvolvimento sustentável. Campinas: Editora da Unicamp, 1995. p. 73-101.

WEICK, K.E. Sources of order in underorganized systems : themes in recent organizational theory. In: LINCOLN, Y.S. (Ed.) Organizational theory and inquiry: the paradigm revolution. Newbury Park: Sage Publications, 1985. p. 106-136.

WRIGHT, T. Definitions and Frameworks for Environmental Sustainability in Higher Education. International Journal of Sustainability in Higher Education, v. 3, n. 3, p. 203-220, 2002. doi