Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Uma Avaliação do Conceito de Regência e Transitividade na Tradição Gramatical do Português

DOI: http://dx.doi.org/10.15529/1980-6914/letras.v16n1p34-47

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/tl/index 

downloadpdf

Maria H. de M. Neves1

 

Resumo: Estuda se regência e transitividade na tradição gramatical do português, com o objetivo de verificar os móveis do interesse pelo tema, bem como alguma eventual mudança histórica de direção no modo do tratamento proposto. Analisam se a conceituação, as relações e as noções de base nesse campo, bem como a visão da propriedade (in)transitiva dos verbos, em correlação com a do estatuto dos complementos. Têm relevância a determinação normativa historicamente documentada da noção de regência e a reação moderna a esse modo de ver. Conclui-se por um condicionamento histórico social das lições tradicionais, reconhecendo-se, porém, a natural existência de uma direção teórica nas propostas.

Palavras-chave: Regência. Transitividade. Gramática tradicional

 

Abstract: In this paper, we study patterns of complementation as well as transitivity in Portuguese grammatical tradition aiming at verifying the motor of interest toward these subjects as well as eventual historic changes in the direction of the treatment they have been given. We analyze the concepts, the relations and the grounding notions in this camp, as well as the (in)transitive property of verbs in correlation with the status of their complements. Historically documented normative determinations of the notion of complementation and the modern reactions to such a view are relevant to our examination. Our conclusion moves toward a socio historic conditioning of traditional lessons, acknowledging, however, the natural existence of theoretical directions in the proposals.

Key words: Patterns of complementation. Transitivity. Traditional grammar

 

1 Professora Emérita do Programa de Pós Graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp) – Araraquara – SP – Brasil e do Programa de Pós Graduação em Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM) – São Paulo – SP – Brasil. Pesquisadora PQ/CNPq, 1A. E mail: mhmneves@uol.com.br

 

Literatura Citada

BARBOSA, J. S. Gramática filosófica da língua portuguesa ou princípios de gramática geral aplicados à nossa linguagem. 5. ed. Lisboa: Academia Real das Ciências, 1822.

BARROS, J. de. Gramática da língua portuguesa. Lisboa: Ludovido Rotorigiu, 1540.

BARROS, J. de. Gramática da língua portuguesa. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1971 [1540].

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 22. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1977 [1961].

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 1999 [1961].

BELLO, A. Gramática: gramática de la lengua castellana destinada al uso de los americanos. In: BELLO, A. Obras completas. Tomo Cuarto. 3. ed. Caracas: La Casa de Bello, 1995.

BRANDÃO, C. Sintaxe clássica portuguesa. Belo Horizonte: Imprensa da Universidade de Minas Gerais, 1963.

CARNEIRO RIBEIRO, E. Serões gramaticais ou Nova gramática portuguesa. 6. ed. Bahia: Progresso, 1956 [1890].

CEGALLA, D. P. Novíssima gramática da língua portuguesa. 12. ed. São Paulo: Nacional, 1971 [1964].

CHAFE, W. Significado e estrutura linguística. Tradução M. H. M. Neves et al. São Paulo: Livros Técnicos e Científicos, 1979 (1970].

CUNHA, C. Gramática moderna. 2. ed. Belo Horizonte: Bernardo Álvares, 1970 [1970].

CUNHA, C. Gramática do português contemporâneo. Belo Horizonte: Bernardo Álvares, 1975 [1970].

GAMA CURY, A. Pequena gramática. Rio de Janeiro: Agir, 1960.

GIVÓN, T. The pragmatics of de transitive voice: Functional and typological aspects of inversion. In: GIVÓN, T. Voice and inversion. Amsterdam; Philadelphia: John Benjamins, 1933, p. 3-46.

GÓIS, C. Sintaxe de regência. 5. ed. Rio de Janeiro; São Paulo; Belo Horizonte: Gráfica Sauer, 1943.

HOPPER, P. J.; THOMPSON, S. Transitivity in grammar and discourse. Language, v. 56, n. 2, p. 251-299, 1980.

LOBATO, A. J. dos R. Arte da gramática da língua portuguesa. Lisboa: Régia Oficina Tipografica, 1770.

LUFT, C. P. Gramática resumida. 2. ed. Porto Alegre: Globo, 1971 [1960].

LUFT, C. P. Dicionário prático de regência verbal. São Paulo: Ática, 1987.

NASCENTES, A. O problema da regência: regência integral e viva. 2. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1960.

NEVES, M. H. de M. Uma reflexão sobre o empenho em normas de conduta nas lições de gramática, com foco na regência verbal. In: NEVES, M. H. de M. Ensino de língua e vivência de linguagem. Temas em confronto. São Paulo: Contexto, 2010. p. 197-224.

NOGUEIRA, J. Programa de português. Gramática. 2. ed. São Paulo: Nacional, 1944 [1943].

PEREIRA, E. C. Gramática expositiva (Adaptada ao 1o, 2o e 3o ano dos ginásios). São Paulo: Weiszflog, 1907.

PEREIRA, E. C. Gramática histórica. 9. ed. São Paulo: Nacional, 1935 [1915].

PEREIRA, E. C. Gramática expositiva (Curso elementar). 137. ed. São Paulo: Nacional, 1956 [1908].

RIBEIRO, J. Gramática portuguesa: 3o ano. 3. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1889.

RIBEIRO, J. Gramática portuguesa: Curso superior. 22. ed. inteiramente refundida. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1933 [1889].

ROCHA LIMA, C. H. Gramática normativa da língua portuguesa. 17. ed. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1974 [1957].

SOUSA DA SILVEIRA, A. F. Lições de português. 5. ed. Coimbra: Atlântida; Rio de Janeiro: Livros de Portugal, 1952 [1923].

SOUZA LIMA, M. P. de. Gramática portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1945 [1937].

TORRES, A. de A. Moderna gramática expositiva da língua portuguesa. 9. ed. revista e ampliada. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1960 [1959].