Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Classificação Climática e Balanço Hídrico Climatológico no Estado de Mato Grosso

DOI: http://dx.doi.org/10.14583/2318-7670.v01n01a07

http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/nativa/index 

downloadpdf

Adilson P. de Souza1, Luan L. da Mota, Tamara Zamadei, Charles C. Martim, Frederico T. de Almeida & Janaina Paulino

 

Resumo: Este trabalho propõe o balanço hídrico climatológico e a classificação climática para 13 estações meteorológicas convencionais (EMC’s), da rede de estações do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), localizadas no Estado de Mato Grosso (MT) e na divisa entre MT e Goiás (GO). Foram avaliadas as estações denominadas de: Cáceres, Canarana, Diamantino, Gleba Celeste, Matupá, Nova Xavantina, Padre Ricardo Remeter, Poxoréo, Rondonópolis, São José do Rio Claro e São Vicente, e ainda, a estação Aragarças (GO). As temperaturas médias anuais variaram entre 23,00 e 26,84 °C para Cuiabá e São Vicente, respectivamente. As precipitações totais anuais variam de aproximadamente 1200 a 2000 mm para as estações avaliadas, com maiores níveis nas regiões Norte e Médio Norte do Estado e nas regiões com altitudes próximas a 800m. Pela classificação climática de Köppen, as 13 estações avaliadas apresentam apenas dois tipos climáticos: Aw (demais estações) e Cwa (São Vicente). Pela classificação de Thornthwaite ocorrem maiores variabilidades de tipos climáticos, contudo, predomina as características de clima megatérmico, com concentrações da ETP no verão inferiores a 40%. Observa-se a influência da latitude e da altitude nos padrões climáticos do Estado de Mato Grosso.

Palavras-chave: climatologia, temperatura do ar, evapotranspiração, regime hídrico, séries temporais

 

Abstract: This paper proposes the climatic water balance and climatic classification for 13 conventional meteorological stations (CMS's, from National Institute of Meteorology (INMET) networks, located in Mato Grosso State (MT) and in the state division between MT and Goiás State (GO). The evaluated stations are named: Cáceres, Canarana, Diamantino, Gleba Celeste, Matupá, Nova Xavantina, Padre Ricardo Remetter, Poxoréo, Rondonópolis, São José do Rio Claro, São Vicente, and the Aragarças station (GO). The annual temperature average ranged between 23.00 and 26.84 °C for Cuiabá and São Vicente, respectively. The total annual precipitation ranging from approximately 1200 to 2000 mm in the evaluated seasons, with higher levels in the North and Central North and in the regions with altitudes close to 800m. By Köppen climate classification, the 13 stations have only two climatic types: Aw (other stations) and Cwa (São Vicente). By Thornthwaite classification occurred greater climatic variability, however, the predominant features of megathermic climatic with concentrations of ETP in the summer less than 40%. Observe the influence of latitude and altitude on weather patterns of Mato Grosso State.

Key words: climatology, air temperature, evapotranspiration, water regime, time series

 

1 Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais, Universidade Federal de Mato Grosso, Sinop, MT, Brasil. E-mail: adilsonpacheco@ufmt.br

 

Literatura Citada

AYOADE, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos. 13. ed.Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,2010.332p.

BLAIN, G.C. Séries anuais de temperatura máxima média do ar no estado de São Paulo: variações e tendências climáticas. Revista Brasileira de Meteorologia, São José dos Campos, v.25, n.1, p.114-124, mar. 2010.

BLAIN, G. C. et al. Análises estatísticas das tendências de elevação nas séries anuais de temperatura mínima do ar no estado de São Paulo. Bragantia, Campinas, v.68, n.3, p.807-815, jul./set. 2009. doi

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL (CPRM). Estado do Mato Grosso: isoietas anuais médias - período 1977 a 2006. Disponível em: <http://www.cprm.gov.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1351&sid=9>. Acesso em: 08 ago. 2013.

CUNHA, A. R.; MARTINS, D. Classificação climática para os municípios de Botucatu e São Manuel, SP. Irriga, Botucatu, v.14, n.1, p.1-11, jan./mar. 2009.

DANTAS, A. A. A. et al. Classificação e tendências climáticas em Lavras, MG. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v.31, n.6, p. 1862-1866, nov./dez. 2007.

HORIKOSHI, A. S.; FISCH, G. Balanço hídrico atual e simulações para cenários climáticos futuros no município de Taubaté, SP, Brasil. Revista Ambiente & Água, Taubaté, v. 2, n. 2, p. 32-46, jul./dez. 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Banco de dados por Estado. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/estadosat/>. Acesso em: 03 ago. 2013.

INSTITUO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET). Banco de dados meteorológicos para ensino e pesquisa. Disponível em: <http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=bdmep/bdmep>. Acesso em: 01 jun. 2013.

KÖPPEN, W. Grundriss der Klimakunde: Outline of climate science. Berlin: Walter de Gruyter, 1931. 388p.

KUINCHTNER, A.; BURIOL, G.A. Clima do estado do Rio Grande do Sul segundo a classificação climática de Köppen e Thornthwaite. Disciplinarum Scientia, Santa Maria, v.2, n.1, p.171-182, jan./dez. 2001.

MORENO, G. et al. Geografia de Mato Grosso: território, sociedade, ambiente. Cuiabá: Entrelinhas, 2005. 296p.

NIMER, E.; BRANDÃO, A.M.P.M. Balanço hídrico e clima da região dos cerrados. Rio de Janeiro: IBGE, 1989. 166p.

NOBREGA, R. S. Um pensamento crítico sobre classificações climáticas: de Köppen até Strahler. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v.3, n.1, p.18-22, maio/ago. 2010.

OMETTO, J. C. Bioclimatologia vegetal. São Paulo: Agronômica Ceres, 1981. 436 p.

PEREIRA, A. R. et al. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas. Guaíba: Agropecuária, 2002. 478 p.

ROLIM, G. S. et al. Classificação climática de Koppen e Thornthwaite e sua aplicabilidade na determinação de zonas agroclimáticas para o Estado de São Paulo. Bragantia, Campinas, v.66, n.4, p.711-720, out./dez. 2007. doi

SANTOS, G. O. et al. Balanço hídrico como ferramenta ao planejamento agropecuário para a região de Marinópolis, noroeste do estado de São Paulo. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, Fortaleza, v. 4, n. 3, p. 142-149, out./dez. 2010. doi

SANTOS, R. B. et al. Planejamento da pulverização de fungicidas em função das variáveis meteorológicas na região de Sinop – MT. Global Science and Technology, Rio Verde, v.6, n.1, p.72-88, jan./abr. 2013.

SETTE. D. M.; TARIFA, J. R. A estrutura pluvial e as paisagens no Mato Grosso – Brasil. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA, 4, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UFRJ, 2000b.

SETTE. D. M.; TARIFA, J. R. O holorítmo e a gênese dos climas no Mato Grosso – Brasil, In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA, 4, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UFRJ, 2000a.

STRECK, N. A. et al. Variabilidade interdecadal na série secular de temperatura do ar em Santa Maria, RS. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.46, n.8, p.781-790, ago. 2011.

THORNTHWAITE, C. W. 1948. An approach toward a rational classification of climate. Geography Review, New York, v.38, n.1, p.55-94, jan. 1948.

THORNTHWAITE, C. W.; MATHER, J. R. The water balance: publications in climatology. New Jersey: Drexel Institute of Technology, 1955. 104 p.

VAREJÃO SILVA, M. A. Meteorologia e Climatologia. Recife: Versão Digital, 2006. 463 p.