Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Ensaio sobre a Noção de Poder em Michel Foucault

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8993/ml.v4n2p103-124

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ML/index 

downloadpdf

Washington L. Souza1

 

Resumo: O filósofo francês Michel Foucault não trata o poder como uma entidade estável, coerente ou como uma unidade, mas em termos de “relações de poder”. Não existe em sua obra algo que se possamos chamar de uma teoria geral do poder. Para o filósofo trata-se, portanto, de pensar o “como” do poder ou a emergência das suas diversas modalidades de exercício e de instituições em diferentes momentos históricos que possibilitam uma identificação do poder em ato. Este artigo tem um objetivo propedêutico: analisar as diversas abordagens históricas que Foucault realiza dos processos de constituição das práticas de poder.

Palavras-chave: Poder, práticas, instituições, política

 

1 Professor dos cursos de Filosofia e Direito da Faculdade de Humanidades e Direito da Universidade Metodista de São Paulo. Doutorando em Filosofia pela PUC/SP. Mestre em Filosofia pela PUC/SP. Contato pelo email: washington.luis@metodista.br.

 

Literatura Citada

Naissance de la clinique. Une archéologie du regard medical. 5. ed. Paris: PUF,1997. O Nascimento da Clínica. Tradução de Roberto Machado. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.

Histoire de la folie à I’âge classique. Paris: Gallimard, 1972. História da loucura na idade clássica. Tradução Brasileira de José Teixeira Coelho Neto. 2.ed. S. Paulo: Perspectiva, 1987.

Maladie Mentale et psychologie. Paris : PUF. 1962. Doença mental e psicologia. Tradução brasileira de Lílian Rose Shalders. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1984.

Les mots et les choses. Une archéologie des sciences humaines. Paris. Gallimard, 1998. As Palavras e as Coisas. Uma Arqueologia das ciências humanas. Tradução brasileira de Salma Tannus Muchail. S. Paulo, Martins Fontes, 1981.

L’Archéologie du sovoir. Paris Gallimard, 1969. A Arqueologia do Saber . Tradução brasileira de Luís Felipe Baeta Nevas. Rio de Janeiro, Forense-Universitária, 1972).

Surveiller et Punir. Naissance de la prison. Paris, Gallimard, 1975. Vigiar e Punir. Tradução brasileira de Raquel Ramalhete, Petrópolis, Vozes, 1977.

Histoire de la sexualité- vol.I: La volonté de savoir. Paris, Gallimard, 1975. História da sexualidade,vol.I: A vontade de saber .Tradução brasileira de Maria Tereza da Costa Albuquerque e José Augusto Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro, Graal, 1977.

Histoire de la sexualité- vol.II: L‘Usage des plaisirs. Paris, Gallimard, 1984. História da Sexualidade – ll: O Uso dos prazeres. Tradução brasileira de Maria Tereza da Costa Albuquerque. Revisão técnica de José Augusto Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro, Graal, 1984.

Histoire de la sexualité- vol.III: Le souci de soi. Paris, Gallimard, 1984. História da Sexualidade – lli: O Cuidado de si. Tradução brasileira de Maria Tereza da Costa Albuquerque. Revisão técnica de José Augusto Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro, Graal, 1985.

Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Coleção “Ditos e escritos”, vol. I. Organização e seleção de textos de Manoel Barros da Motta. Tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1999.

Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Coleção “Ditos e escritos”, vol. II. Organização e seleção de textos de Manoel Barros da Motta. Tradução de Elisa Monteiro. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2000.

Estética: literatura e pintura, música e cinema. Coleção “Ditos e escritos”, vol. III. Organização e seleção de textos de Manoel Barros da Motta. Tradução de Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2001.

Estratégia, poder-saber. Coleção “Ditos e escritos”, vol. IV. Organização e seleção de textos de Manoel Barros da Motta. Tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2003.

Ética, sexualidade, política. Coleção “Ditos e escritos”, vol. V. Organização e seleção de textos de Manoel Barros da Motta. Tradução de Elisa Monteiro e Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2004.

“La naissance de la médecine sociale”. In Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994. v. 3, p. 207-228. O nascimento da medicina social. In Microfísica do Poder. Tradução brasileira de Roberto Machado. Rio de Janeiro, Graal, 1979. p. 79-98.

“L’incorporation de l’hôpital dans la tecnologie moderne”. In Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994. v.3, p. 508-521. O nascimento do hospital. In Microfísica do Poder. Tradução brasileira de Roberto Machado. Rio de Janeiro, Graal, 1979. p. 99-111.

“La politique de la santé au XVIII siècle”. In Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994. v.3, p. 15-27. A política da saúde no século XVIII. In Microfísica do Poder. Tradução brasileira de Roberto Machado. Rio de Janeiro, Graal, 1979. p. 193-207.

“Crise de la medicine ou crise de l’antimédecine?”. In Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994. v.3, p. 40-58.

“Asiles. Sexualité. Prisons”. In Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994. v.2, p. 771-782.

“La fonction politique de l’intellectual”. In Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994. v.3, p. 109-114.

“L’asile illimité”. In Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994. v.3, p. 271-275.