Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Ritual do Amanhecer, de Amaral Vieira: Uma Leitura Mítica

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8993/ml.v4n1p131-142

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ML/index 

downloadpdf

Sonia R. A. de Lima1

 

Resumo: A leitura mítica da obra musical Ritual do Amanhecer, do compositor e pianista brasileiro Amaral Vieira, inserida no ciclo de 13 peças intitulado Rituais para piano a quatro mão, op. 167, composto em 1982, evidencia uma análise fenomenológica da obra onde os fenômenos musicais são tratados como causa e efeito de sensações e emoções e o próprio ato de compor se reveste de sacralidade. Nessa leitura intersemiótica, a análise não se resume em revelar os conteúdos musicais expressos na partitura, mas também, verificar o que há de subjetivo e interpretativo na obra de arte e em que medida a linguagem mítica se assemelha, em seu aspecto temporal, à linguagem musical.

Palavras-chave: análise musical, análise fenomenológica, leitura mítica, obra musical, semiótica.

 

Abstract: The mythical reading of the musical work Ritual do Amanhecer [Morning ritual] by the Brazilian composer and pianist Amaral Vieira, inserted in the cycle of 13 pieces named Rituais para piano a quatro mãos, opus 167, composed in 1982, highlights a phenomenological analysis of the work, where the musical phenomena are treated as cause and effect of feelings and emotions and the act of composing itself is coated with sacredness. In this inter-semiotic reading, the analysis is not restricted to revealing the musical contents expressed in the score, but it is also intended to verify the subjective and interpretative elements in the work of art and in what measure the mythical language is similar to the musical language in its temporal aspect.

Keywords: Musical analysis, phenomenological analysis, mythical reading, musical work, semiotics.

 

1 Doutora em Comunicação e Semiótica, área de Artes - PUC-SP. Pós-Doutora em Educação pelo GEPI-PUC-SP, sob a orientação da Prof. Dr. Ivani Fazenda. Especialista em interpretação musical e música de câmara com o Prof. Walter Bianchi (FMCG). Bacharel em Direito (USP). Integrante do GEPI/PUC-SP e do GEPEM-UNESP. Professora do curso de pós-graduação em música do IA-UNESP e do Mestrado Interdisciplinar da UNIABC. Possui diversos trabalhos publicados na área de educação musical, interdisciplinaridade e performance, além de livros editados. e- mail – soniaalbano@uol.com.br

 

Literatura Citada

DURAS, M. Escrever. 1994. Rio de Janeiro: Rocco. Tradução Rubens Figueiredo. 115 p.

LANGER, S. 1953. “A Matriz Musical”. In: Sentimento e forma. São Paulo: Perspectiva. Tradução Janete Meiches e J. Guinsgurg. p. 127-138.

LANGER, S. 1971. “Da significação na música”. In: Filosofia em nova chave. São Paulo: Perspectiva. P. 205 - 242.

LÉVI-STRAUSS, C. 1989. Mito e Significado. Lisboa: Edições 70. Tradução de Antônio Marques Bessa. 91 p.

NICHOLS, S. 1980. “Morte: a inimiga”. In: Jung e o Tarô. Uma jornada arquetípica. São Paulo: Cultrix. P. 227-245.

OSBORNE, H. 1970. “A autonomia da obra de arte”. In: Estética e Teoria da Arte. São Paulo: Cultrix. Tradução Octavio Mendes Cajado. P. 247-269.

SEGOLIN, Fernando. Anotações de sala de aula no Doutorado em Comunicação e Semiótica da PUC/SP. São Paulo. 1998.

VIEIRA, A. 1982. “Ritual do Amanhecer”. In: Rituais para piano à quatro mãos, opus. 167. Manuscrito.