Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

História da Educação: Confessionalidade e (Re)Estruturação da Igreja nos Séculos XVI e XVII

DOI: http://dx.doi.org/10.15599/0104-4834/cogeime.v25n48p75-92

https://www.redemetodista.edu.br/revistas/revistas-cogeime/index.php/COGEIME/index 

downloadpdf

Fábio F. Oliveira1

 

Resumo: O presente artigo tem como finalidade perceber como a Educação caminhou nos corredores dos movimentos religiosos do século XVI. Partindo da investida de Lutero e terminando na (re)estruturação da Igreja Católica diante desse movimento, apontamos para um diferencial primário no campo da educação: de que maneira a educação pode contribuir para questionar uma moral ou formar um sujeito ético na realidade vivida? O movimento reformador e a cristandade vigente quando decidem questionar o mundo em sua volta têm como finalidade instaurar novas raízes. E essas raízes só podem firmar-se na confessionalidade no momento que se instaura uma práxis pedagógica.

Palavras-chave: Educação; Confessionalidade; Reforma Protestante e Contrarreforma.

 

Abstract: This article aims to understand how the Education moved the halls of the religious movements of the XVI century. Starting from the invested with Lutero and ending in (re)structure of the Catholic Church facing this movement, we point to a primary differential in the educational field: how education can contribute to question a moral or to form an ethical subject in the lived reality? The reform movement and the current Christianity when they decide to question the world around it aims to establish new roots. And these roots can only be established in confessionality when it establishes a pedagogical praxis.

Key words: Education; Confessionality; Protestant Reformation; Contrarreforma.

 

1 Doutor em História da Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Professor do Departamento de Linguagem e Educação da Universidade do Estadual de Mato Grosso/Cáceres. oliveira.unemat@gmail.com

 

Literatura Citada

ANDRADE, Aíla Luzia Pinheiro De. À maneira de Melquisedeque o messias segundo o judaísmo e os desafios da cristologia no contexto neotestamentário e hoje. Belo Horizonte: FAJE – Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, 2008. Disponível em: http://www.faculdadejesuita.edu.br/documentos/110712--841ll2B98xAcH.pdf. Consultado dia 20 de março de 2016.

AQUINO, Tomás de. “Textos da suma teológica.” In: AQUINO, T. de. Obras incompletas. São Paulo: Abril, 1973.

AQUINO, Tomás de. Suma teológica. Vol. I. Tradução de Alexandre Corrêa. Caxias do Sul: Livraria Sulina, 1980.

BARBOSA, Luciane Muniz Ribeiro. “As concepções educacionais de Martinho Lutero.” In: Revista Educação e Pesquisa. São Paulo: FEUSP, jan./abr. de 2007, v. 33, n. 1, p. 163-183. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v33n1/a11v33n1. Consultado em 20/03/2014.

BITTAR, Marisa e FERREIRA JUNIOR, Amarilio. “Infância, catequese e aculturação no Brasil do século 16.” In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília: Est. Pedag, v. 81, n. 199, set./dez. 2000, p. 452-463.

DAVIDSON, N. S. A Contra-Reforma. Trad. SIQUEIRA, Walter Lellis. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

DEFREYN, Vanderley. A Tradição Escolar Luterana: Sobre Lutero, Educação e a História das Escolas Luteranas até a Guerra dos Trinta Anos/Dissertação de Mestrado para obter o título de Mestra em Teologia. São Leopoldo: EST, 2004.

DICKENS, Arthur Geoffrey. A Reforma na Europa do Século XVI. Lisboa: Editora Verbo, 1971.

DUSNTAN, J. Leslie. Protestantismo. Trad. CABRAL, Álvaro, 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1964.

FARIA, Marcos Roberto de. “O Concílio de Trento e a Campanha Pedagógica Contra-Reformista: Bases para o Entendimento da Prática Jesuítica na América Portuguesa do Século XVI.” In: V Congresso Brasileiro de História da Educação: o ensino e a pesquisa em História da Educação. Aracaju: Editora da Universidade Federal do Sergipe, v. I, 2008, p. 1-12. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe5/pdf/219.pdf. Consultado dia 20 de março de 2014.

FERREIRA JUNIOR, Amarilio. “Os jesuítas na pesquisa educacional.” In: (org.) ______. Em Aberto/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasília: Em Aberto, v. 21, n. 78, 2007, p. 13-32, dezembro. Disponível: http://www.rbep.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/1240/1108. Consultado dia 20 de março de 2012.

HOFFMANN, Gilson. “A Influência de Lutero na Educação de sua Época.” In: História e Diversidade cultural – Anais do Congresso 2008/III Congresso Internacional do curso de História da UFG. Jataí - GO: UFG, p. 25-27 de setembro, 2012. Disponível em: http://www.congressohistoriajatai.org/anais2008/doc%20(35).pdf. Consultado dia 20 de março de 2014.

JORGE, Fernando. Lutero e a Igreja do Pecado. São Paulo: Novo Século, 2007.

LACOUTURE, Jean. Os Jesuítas/A conquista, vol. I. Lisboa: Referência/Editora Estampa, 1993.

LUTERO, Martinho. “Da Autoridade Secular: até que lhe deve obediência.” In: DE BONE, Luis Alberto. Escritos Seletos de Martinho Lutero, Tomás Müntzer e João Calvino. Trad. Ilson Kayser et al. Petrópolis: Editora Vozes, 2000, p. 81-123.

LUZURIAGA, Lorenzo. História da Educação e da Pedagogia. Trad. e notas da PENNA, Luiz Damasco e PENNA, J. B. Damasco, 10. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1978.

MANACORDA, Mario Alghiero. História da Educação – das Antiguidades aos nossos dias. Trad. LO MANOLO, Gaetano, 6. ed. São Paulo: Cortex, 1997.

MESSER, Augusto. História de La Pedagogía, 3. ed. Trad. SARTO, Manuel Sánchez. Barcelona: Editorial Labor, 1935.

MONASTA, Attilio. Antonio Gramsci: Textos Selecionados. Trad. NOSELA, Paolo. Recife: Ed. Massangana, 2010.

MONTEIRO, Rodrigo Bentes. “As Reformas Religiosas na Europa Moderna notas para um debate historiográfico.” In: Varia Historia. Belo Horizonte, jan./jun. 2007, vol. 23, nº. 37: p. 130-150. Disponível em: https://sistemas.uff.br/jspui/bitstream/1/160/1/MONTEIRO,%20Rodrigo%20Bentes-As%20reformas%20religiosas%20na%20europa%20moderna.pdf. Consultado em 20/03/2014.

MULLETT, Michael. A Contra-Reforma e a Reforma Católica nos Princípios da Idade Moderna Europeia. Lisboa: Gradiva Publicações, 1985.

NEVES, Luiz Felipe Baêta. O Combate dos soldados de Cristo na Terra dos Papagaios/colonialismo e repressão cultural. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1978.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Ciladas das Diferenças. São Paulo: Editora 34, 1999.

PASCENDI DOMINICI GREGIS – DO SUMO PONTÍFICE PIO X – AOS PATRIARCAS, PRIMAZES, ARCEBISPOS, BISPOS E OUTROS ORDINÁRIOS EM PAZ E COMUNHÃO COM A SÉ APOSTÓLICA SOBRE AS DOUTRINAS MODERNISTAS. Roma: Fratelli Bocca, 1908. Disponível em: http://w2.vatican.va/content/pius-x/pt/encyclicals/documents/hf_p-x_enc_19070908_pascendi--dominici-gregis.html. Consultado dia 20 de março de 2016.

ROPS, Daniel. Igreja do Renascimento e da Reforma – Uma Revolução Religiosa: A Reforma Protestante. Trad. PINHEIRO, Manuel. Porto: Livraria Tavares Martins, 1962.

ROPS, Daniel. Igreja do Renascimento e da Reforma – Uma Revolução Religiosa: A Reforma Católica. Trad. FIGUEIREDO, Manuel V. Porto: Livraria Tavares Martins, 1969.

SENARCLENS, Jacque. Herdeiros da Reforma. Trad. SAPSEZIAN, A. São Paulo: ASTE, 1970.

VALENTIN, Ismael Forte. “A Reforma Protestante e a Educação.” In: Revista de Educação do COGEIME. São Paulo: COGEIME, jul./dez. 2010, n. 37, p. 59-70. Consultado no dia 20 de março de 2014.