Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Avaliação das Estratégias de Ensino no Curso de Engenharia Civil da Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão

DOI: http://dx.doi.org/10.15552/2236-0158/abenge.v35n1p13-24

http://www.abenge.org.br/revista/index.php/abenge/index 

downloadpdf

Wellington A. da Silva1, Antover P. Sarmento2, Marcos H. de Oliveira3, John E. Bezerra4, Heber M. de Paula5, Karlla V. do Carmo6 & Daiana R. Machado7

 

Resumo: Grande parte das estratégias e procedimentos educacionais utilizados no ensino de engenharia ainda está apoiada em um modelo de educação tradicional, baseada nas figuras do professor detentor de saber e do aluno receptor passivo. Contudo, é perceptível que esse tem se mostrado insuficiente diante das atuais necessidades dos discentes e exigências da sociedade. Acredita-se que o professor tenha um papel relevante como mediador no processo de ensino-aprendizagem, a partir do momento em que prioriza a participação do aluno e gerencia suas expectativas e habilidades. Assim, com o intuito de refletir e buscar alternativas que satisfaçam as necessidades atuais de ensino, a pesquisa realizada procurou identificar, por meio da análise das percepções de um grupo de discentes, o foco do método de ensino do curso de Engenharia Civil da Universidade Federal de Goiás, Campus Catalão.

Palavras-chave: Conhecimento; processo de ensino; mediador do ensino; educação tradicional.

 

Abstract: Much of the educational strategies and procedures used in the teaching of engineering is still supported by a traditional education model, based on professor owner of knowledge and student passive receiver. This appears inappropriate to the current needs of students and the demands of society. Currently it is believed that the teacher has an important role as a mediator of knowledge on the process of teaching and learning, emphasizing student participation, managing their expectations and abilities. The objective of this research was to identify the focus of the teaching method, from the analysis of the perceptions of students from the Civil Engineering.

Key words: Knowledge; teaching process; teaching mediator; traditional education.

 

1 Professor Doutor, Faculdade de Engenharia e Administração, Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão – GO; wellington.andrade@gmail.com
2 Professor Doutor, Faculdade de Engenharia e Administração, Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão – GO; antoverps@ufg.br
3 Professor Doutor, Faculdade de Tecnologia, Universidade de Brasília – Campus Darcy Ribeiro – DF; honorato.eng@gmail.com
4 Professor Doutor, Departamento de Ciências Ambientais e Tecnológicas, Universidade Federal do Semi-Árido – Mossoró – RN; johneloi@ufersa.edu.br
5 Professor Doutor, Faculdade de Engenharia e Administração, Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão – GO; heberdepaula@ufg.br
6 Professora Doutoranda, Instituto de Biotecnologia, Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão – GO; karlla.carmo@gmail.com
7 Graduanda do Curso de Engenharia Civil, Universidade Federal de Goiás – Campus Catalão – GO; daianaribas_engcivilufg@hotmail.com

 

Literatura Citada

ALVES FILHO, J. P. Regras da transposição didática aplicada ao laboratório didático. Caderno Catarinense de Ensino de Física. v. 17, n. 2, p. 174-188, ago., 2000.

ARAÚJO, H. N. Ensino com pesquisa na disciplina de Introdução à Engenharia Civil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA, XXXIV, Anais... Passo Fundo, RS, 2006. p. 1.415-1.423.

BASE de Dados Scirus. Elsevier B. V., 2013. Disponível em: <http://www.scirus.com/>. Acesso em: 19 jun. 2013.

BRINGHENTI, I. O ensino na Escola Politécnica da USP: fundamentos para o ensino de engenharia. São Paulo: EDUSP, 1993.

BUSATO, Z. S. L. Avaliação nas práticas de ensino e estágios: a importância dos registros na reflexão sobre a ação docente. Porto Alegre: Mediação, 2005.

CHEVALLARD, Y. La transposition didactique: du savoir savant au savoir ensigné. Grenoble: La pensée Sauvage, 1991.

CORL, F. O. Decision making in industry: what’s the problem. In: INFORMS NEWS ORLEANS FALL MEETING, 1995, New Orleans – LA. Final Program. New Orleans, INFORMS, p. 103.

FERRARI, M. Entrevista com Cipriano Carlos Luckesi. Nova Escola, n. 191, abr. 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GÓIS, J. L. R.; BARBOSA, F. L. A prova como instrumento incompleto de avaliação da aprendizagem educacional. Revista Científica Facimed, v. 2, n. 2, p. 110-122, 2010.

GRILLO, M. C. Práticas docentes e referenciais norteadores. Caderno Marista de Educação, Porto Alegre, v. 2, n. 2, p. 41-52, 2003.

HAYDT, R. C. Avaliação do processo ensino-aprendizagem. São Paulo: Ática, 1995.

JUNIOR, W. H.; SAUAIA, A. C. A. Aprendizagem centrada no participante ou no professor? Um estudo comparativo em Administração de Materiais. RAC, v. 12, n. 3, p. 631-658, 2008.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 2002.

KRAEMER, M. E. P. A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer. Avaliação: Revista da Avaliação do Ensino Superior, Campinas, v. 10, n. 2, p. 137-147, 2005.

LODER, L. L. O bom professor de engenharia: visão dos alunos versus visão dos professores – aproximações e distanciamentos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA, XXXIII, Anais... Campina Grande, PB: UFRGS, 2005. Disponível em: <http://www.abenge.org.br/CobengeAnteriores/2005/artigos/RS-15-22158499087-1118761250370.pdf>. Texto não paginado. Acesso em: 15 jun. 2016.

LONGO, O. C; FONTES, M. A. de S. Diagnóstico do ensino de engenharia, necessidades do mercado de trabalho e a legislação vigente. In: ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA, VII, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UFF, 2000.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. São Paulo: Cortez, 2011.

MARANDINO, M. Transposição ou recontextualização? Revista Brasileira de Educação. Anped, n. 26, p. 95-108, 2004.

NAKAO, O. S; GRIMONI, J. A. B. Formação de um grupo de estudos de educação em engenharia na Escola Politécnica da USP. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA, XXXIV, Anais... Passo Fundo, RS, 2006. p. 272-274.

SANT’ANNA, I. M. Por que avaliar? como avaliar?: critérios e instrumentos. Petrópolis: Vozes, 1995.

SENA, C. H. V. et al. O que é seminário. São Paulo: UNINOVE, 2008.

SILVA, L. P; CECÍCLIO, S. A mudança no modelo de ensino e de formação na engenharia. Educação em Revista, Faculdade de Educação da UFMG, Minas Gerais, v. 45, p. 61-80, jun. 2007.

VYGOTSKY, L.S. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.