Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Um Olhar Sobre o Jornalismo Móvel: A Forma e o Estilo do Reportátil

DOI: http://dx.doi.org/10.21204/2359-375X/ancora.v3n1p81-99

http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ancora/index 

downloadpdf

Cláudio C. Paiva1, José C. Sobrinho Neto2 & Raissa N. Santos3

 

Resumo: Multimídia, interatividade e atualização são aspectos do webjornalismo que serviram de base para o Mobile Journalism (mojo). Fruto de tal contexto, o reportátil, criado pelo jornalista pernambucano Álvaro Filho, é um modus operandi do repórter, que reúne o know-how televisivo, online e móvel. Consiste na produção de conteúdo em áudio e vídeo feito totalmente pelo smartphone. Captura de imagens, inserção de legendas, edição e publicação são todas feitas por meio do dispositivo móvel. O reportátil transforma-o em uma verdadeira central de produção, ressignificando o conceito de elaboração da notícia e de convergência de mídias. Neste artigo, o debate sobre o jornalismo móvel trará autores como: SILVA (2013); DALMONTE (2009); WARD (2007); e QUINN (2009, 2010).

Palavras-chave: Jornalismo Móvel; Reportátil; Mojo; Webjornalismo; Internet

 

Abstract: Multimedia, interactivity and update are aspects of web journalism that served as the basis for Mobile Journalism (mojo). Result of this context, the reportátil, created by journalist Alvaro Pernambuco Filho, is a modus operandi of the reporter who gathers the television, online and mobile know-how. Consists in the production of audio and video content made entirely by a smartphone. Capture of images, insertion of subtitles, edition and publishing are all made through the mobile device. The reportátil turns it into a real production center, giving new meaning to the concept of development of news and media convergence. In this article, the debate about mobile journalism will bring authors as: SILVA (2013); Dalmonte (2009); Ward (2007); and Quinn (2009, 2010).

Key words: Mobile Journalism; Reportátil; Mojo; webjournalism; Internet

 

1 Jornalista. Doutor em Sciences Sociales - Universite de Paris V (Rene Descartes) (1995). Mestre em Comunicação pela Universidade de Brasília (1988). Mestrado em Sciences Sociales - Universite de Paris V (Rene Descartes) (1991). Professor do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal da Paraíba. Contato: claudiocpaiva@yahoo.com.br
2 Jornalista. Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal da Paraíba. Integrante do grupo de pesquisa em Jornalismo e Mobilidade – MOBJOR. Contato: netojcavalcanti@gmail.com
3 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal da Paraíba e especialista em História e Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco. Contato: raissa.nascimento.santos@gmail.com

 

Literatura Citada

ANATEL. Brasil fecha novembro com 236 milhões de acessos móveis. Disponível em: <http://bit.ly/1k3bVpQ>. Acesso em: 14 set. 2014.

ANGROSINO, Michael. Etnografia e observação participante. (Coleção Pesquisa Qualitativa). Porto Alegre: Artmed, 2009.

AZAMBUJA, Grace Kelly Bender. As tecnologias móveis de comunicação e as apropriações pelos "Repórteres de Ocasião": novas dinâmicas emergentes nos espaços públicos. In: VII SBPJor (CD-ROOM). São Paulo-SP/Brasil, novembro de 2009.

BARBOSA, M. Meios de Comunicação e história: um universo de possíveis. In: A.P.G. RIBEIRO; L.M.A. FERREIRA. (org). Mídia e memória: a produção de sentidos nos meios de comunicação. Rio de Janeiro, Mauad X, p. 15-35.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. Domingos (et al., 2008, p.225)

BETHELL, Paul. Journalism student's experience of mobile phone techology: implications for journalism education. Asia Pacific Media Educaton, issue No.20, December 2010.

BOCZKOWSKI, Pablo. Digitizing The News. Innovation in Online Newspapers. Cambridge: The MIT University Press, 2004.

BORGES, J. Webjornalismo: política e jornalismo em tempo real. Rio de Janeiro: Apicuri, 2009.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989

BRAGINSKI, Ricardo. Celulares, los suportes del periodismo digital móvil. In: “Periodistas online”. Buenos Aires, Argentina, junho-julho 2004. Disponível em: <http://bit.ly/1z8urHg>. Acesso em: 14 set. 2014.

CASTELLS, Manuel; ARDÈVOL, Mireia Fernández; QIU, Jack Linchuan; SEY, Araba. Comunicaciónmóvil y sociedad. Barcelona: Ariel e Fundação Telefônica, 2006.

CHARAUDEAU, P. 2006. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 285p.

DALMONTE, Edson Fernando (2009). Pensar o discurso no webjornalismo: temporalidade, paratexto e comunidades de experiência. Salvador: EDUFBA, 2009.

DOMINGO, David.; et al. Métodos y técnicas de investigación para el estúdio de laprofesión y las rutinas productivasenciberperiodismo. In: NOCÍ, Javier Díaz; PALACIOS,Marcos (orgs.). Metodología para o estudo dos cibermedios: estado da arte & perspectivas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FORSBERG, Kerstin. Mobile newsmaking. Paper in informatics, paper 9, dez. 2001

GOGGIN, Gerard. Cell Phone Culture– mobile technology in everyday life. New York: Routledge, 2006.

GOMES, Itania Maria Mota Gomes (org.). Gêneros televisivos e modos de endereçamento no telejornalismo. Salvador: EDUFBA, 2011.

GONSALVES, Elisa Pereira. Conversas sobre iniciação à pesquisa científica. Campinas, SP: Editora Alínea, 2003.

HOUAISS, Antonio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Objetiva Ltda., 2001.

KATZ, James E. Handbook of mobile communication studies. Cambridge-London: MIT Press, 2008.

MARCONDES FILHO, Ciro. A saga dos cães perdidos, 2ª edição. São Paulo: Hacker Editores, 2002.

MARTINS, Gilberto de Andrade. Estudo de caso: uma estratégia de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2006.

MIELNICZUK, Luciana. Jornalismo na web: uma contribuição para o estudo do formato da notícia na escrita hipertextual. (Tese de Doutorado). FACOM/UFBA, Salvador, 2003.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo-Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco, 1992.

MORETZSOHN, Sylvia. Jornalismo em tempo real – o fetiche da velocidade. Rio de Janeiro: Revan, 2002

MOUILLAUD, M. A crítica do acontecimento ou o fato em questão. In: M. MOUILLAUD; S. D. PORTO (org.) O jornal: da forma ao sentido. Brasília, Editora Universidade de Brasília, p. 49-84

NEGROPONTE, Nicholas. A vida digital. São Paulo: Companhia das Letras, 1995

PAIVA, Cláudio Cardoso de. Hermes no ciberespaço: uma interpretação da comunicação e cultura na era digital. João Pessoa. Editora UFPB, 2013.

PALACIOS, Marcos. et al. Um mapeamento de características e tendências no jornalismo brasileiro. 2002. Disponível em: <http://bit.ly/1qiSZ6J>. Acesso em: 10 ago. 2014.

PALACIOS, Marcos. Os Blogs e o alargamento do campo jornalístico, trabalho apresentado no Seminário Cultura e Pensamento(MINC/MEC). Recife, fevereiro, 2007. Disponível em:<http://bit.ly/1rm3Mmk>. Acesso em: 09 set. 2014.

PASE, A. F. Locast e o Potencial da Informação Geolocalizada em PELLANDA, Eduardo. (Org.). Locast Civic Media: Internet móvel, cidadania e informação hiperlocal. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2010

PATERSON, Chris. DOMINGO, David (orgs.). Making Online News - the ethnography of new media production. New York: Peter Lang, 2008.

PAVLIK, John V. Journalism and new media. New York: Columbia University Press, 2001.

POOL, Ithiel de Sola. Technologies of freedom. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, 1983.

QUINN, Stephen. Mojo - mobile journalism in the Asian Region. Singapura: KonradAndenauerStifung, 2009.

QUINN, Stephen. Mobile journalism (mojo) and journalism education. 2010. Disponível em: <http://goo.gl/DZqPK>. Acesso em: 13 ago. 2014.

SCOLARI, C., AGUADO, J.M. y Feijóo, C. (2012) “Mobile Media: Towards a Definition and Taxonomy of Contents and Applications”. InternationalJournalofInteractive Mobile Technologies, (6) 2, 193-220. http://dx.doi.org/10.3991/ijim.v6i2.1880

SILVA, Fernando Firmino. Jornalismo Móvel Digital: uso das tecnologias móveis digitais e a reconfiguração das rotinas de produção da reportagem de campo. Salvador, 2014.

SILVA, Fernando Firmino. Jornalismo e tecnologias portáteis na cultura da mobilidade: tipologias para pensar o cenário. In: SCHWINGEL, Carla; ZANOTTI, Carlos A.i. (Org.). Produção e Colaboração no Jornalismo Digital. 1aed.Florianopólis: Editora Insular, 2010, v. 1, p. 149-166.

SILVA, Naiana Rodrigues. O homem atrás da máquina: um estudo de caso sobre a reconstrução da identidade do jornalista de impresso diante do uso das novas mídias. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFC: Fortaleza, 2011

THIERY, Lucie. Les Mojosencouragent-ilsl’émergence d’une nouvelle forme de journalism?, 2012. Disponível em: <http://bit.ly/1mmCdZp>. Acesso em: 20 ago. 2014.

URRY, John. Mobilities. Cambridge: Polity: 2007.

VÄÄTÄJÄ, Helo; MÄNNISTÖ, Anssi; VAINIO, Teija; JOKELA, Tero. Understanding userexperience to support learning for mobilejournalist´s work. IN: GUY, Retta.The evolution of mobile teaching and learning. Santa Rosa-Califórnia: InformationScience Press, 2009.

VIZEU, Alfredo. O jornalismo e as "teorias intermediárias". In: XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2003, Belo Horizonte. Mídia, Ética e Sociedade - Intercom 2003. São Paulo: Intercom, 2003. p. 56-56.

WARD, Mike. Jornalismo online. São Paulo: Rocca, 2006.

WEISER, M. The computer for the 21st century. In Scientific American, January, 1991.