Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Projetos de Educação Ambiental nas Redes de Ensino Estadual e Municipal na Cidade de Macapá, Amapá, Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v5n4p102-109

http://periodicos.unifap.br/index.php/biota/index 

downloadpdf

Raullyan B. L. e Silva1, Rosângela de S. P. e Silva2, Patrick de C. Cantuária2, João da L. Freitas4, Raimundo N. P. Souto5 & Maryele F. Cantuária6

 

Resumo: A utilização de projetos constitui-se numa alternativa pedagógica promissora, ao contrapor-se à organização educacional tradicional, que está alicerçada nos conteúdos específicos, estabelecidos nos programas de cada disciplina do currículo escolar. Desta forma o objetivo desta proposição foi descrever os projetos de educação ambiental implantados e implementados por escolas da rede de ensino estadual e municipal no município de Macapá, estado do Amapá. Para a coleta de dados foi realizada uma pesquisa bibliográfica e documental, bem como levantamento nas escolas através do método etnográfico, usando as técnicas das entrevistas informais e entrevistas estruturadas participante, com formulários previamente elaborados e testados. As escolas pesquisadas possuíam projetos de educação ambiental sob sua tutela, sendo que alguns estavam em processo de execução, outros parados e outros já concluídos. Conclui-se que um trabalho de Educação Ambiental por meio da metodologia de projetos interdisciplinares, que leve em conta os problemas socioambientais do entorno escolar, parece ser o caminho mais indicado para o desenvolvimento da cidadania ambiental dos educandos, ou seja, de uma consciência crítica e comprometida com o meio ambiente, mas se faz importante fazer uma avaliação desses projetos no sentido de ficar bem claro que tipo de educação ambiental se quer efetivar para que realmente a proposta se torne um agente de transformação e conscientização.

Palavra-chave: Práticas ambientais, processo educativo, metodologia de projetos, interdisciplinaridade.

 

Abstract: The use of projects constitutes a promising educational alternative, to counteract the traditional educational organization, which is based on specific content, established in programs of each discipline of the school curriculum. Therefore, this study aimed to describe environmental education projects in place and implemented by schools in the state and municipal school system in the city of Macapá, State of Amapá. For both data collection was carried out a bibliographical and documentary research and survey in schools across the ethnographic method using the techniques of informal interviews and participant structured interviews with previously developed and tested forms. The surveyed schools have environmental education projects under his tutelage, and some are in the implementation process, others standing and others have completed. Was ended that a work of environmental education through the methodology of interdisciplinary projects that takes into account the social and environmental problems around the school, seems to be the most appropriate way for the development of environmental citizenship of students, so, a critical awareness and committed to the environment, but it is important to evaluate these projects in order to be clear what kind of environmental education if you want to really effect the proposal becomes a transforming agent and awareness.

Key words: Interdisciplinarity, project methodology, environmental practices, educational process.

 

1 Biólogo, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Doutor em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, Universidade Federal do Pará. Pesquisador (Divisão de Botânica), Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá. E-mail: raullyan.silva@uol.com.br
2 Pedagoga, Faculdade Atual. Especialista em Práticas Pedagógicas para Ensino de Pessoas com Necessidades Educativas Especiais e Educação Especial, Faculdade Atual e Faculdade de Teologia e Ciências Humanas. E-mail: rosangelaspsilva@bol.com.br
3 Biólogo, Centro Universitário do Pará. Doutorando, Rede Bionorte. Analista de Meio Ambiente, cedido ao Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá. E-mail: patrickcantuaria@gmail.com
4 Engenheiro Florestal, Universidade do Estado do Amapá. Especialista em Economia e Meio Ambiente, Universidade do Estado do Amapá. joaoramos_jr@hotmail.com
5 Biólogo, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Doutor em Zoologia, Museu Paraense Emílio Goeldi. Professor, Universidade Federal do Amapá. E-mail: rnpsouto@unifap.br
6 Bióloga, Universidade Federal do Amapá. Mestre em Biodiversidade Tropical, Universidade Federal do Amapá. E-mail: maryeleferreira@gmail.com

 

Literatura Citada

AMOROZO, M. C. M. A abordagem etnobotânica na pesquisa de plantas medicinais. In: DI STASI, L. C. (Org.). Plantas medicinais: arte e ciência – um guia de estudo interdisciplinar. Botucatu: UNESP, 1996. p. 47-68.

BOUTINET, J. P. Antropologia do projeto. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BRAILOVSKY, A. E. Esta, nuestra única Tierra: introducción a La ecologia y médio ambiente. Buenos Aires: Ediciones Larousse, 1992.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. A implantação da educação ambiental no Brasil. Brasília: Coordenação de Educação Ambiental, 1998.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998. 436p.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil (1988). 35. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2012. 454 p.

CAMPANELLA, M. A. T. As causas da crise ambiental. In: LINS DA SILVA, C. E. Ecologia e sociedade - uma introdução às implicações sociais da crise ambiental. São Paulo: Ed. Loyola, 1978. p. 67-104.

CAPRA, F. A teia da vida. São Paulo: Cultrix, 1996.

CARDOSO, R.C.L. A Aventura Antropológica: Teoria e Pesquisa. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1986.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo, Cortez, 1998. 166 p.

CICOUREL, A. “Teoria e Método em Pesquisa de Campo”. In: ZALUAR, A. (Org.). Desvendando Máscaras Sociais. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1980, p. 87-121.

COLLERE, M. A. O. de. Educação ambiental: a contribuição dos projetos escolares nas discussões ambientais nas escolas públicas municipais de Colombo/PR. R. RÁ E GA, Curitiba, v. 10, 2005, p. 73-82.

CRUZ, A. G. A história da ação humana sobre a natureza. In: LINS DA SILVA, C. E. Ecologia e sociedade - uma introdução às implicações sociais da crise ambiental. São Paulo: Ed. Loyola, 1978. p. 51-64.

DELÉAGE, J. P. História da ecologia: uma ciência do homem e da natureza. Portugal, Lisboa: Dom Quixote, 1993.

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. 2 ed. São Paulo: Gaia, 1993. 400 p.

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios de práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, 2010. 551 p.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999. 206 p.

GONZÁLEZ-GAUDIANO, E. Interdisciplinaridade e educação ambiental: explorando novos territórios epistêmicos. In: SATO, M; CARVALHO, I. (Orgs.). Educação Ambiental: pesquisa e desafios.Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 119-133.

GOTTARDO, R. M. S. Antecedentes históricos da educação ambiental. 2003. Disponível em: http://economni.com.br/pdfs/antecedentes_historicos_da-educação_ambiental.pdf. Acesso em: fev./2015.

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 118, p. 189-205, mar. 2003.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2002.

MADEIRA, J. C.; MADEIRA, C. G.; MADEIRA, S. D. A educação ambiental enquanto um direito humano e fundamental: uma análise da experiência constitucional brasileira. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, Santa Maria, v. 8, p. 368-378, 2013.

MARTINS, J. S. O trabalho com projetos de pesquisa: do ensino fundamental ao ensino médio. Campinas: Papirus, 2002. 135p.

MINAYO, M.C. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo - Rio de Janeiro, HUCITEC – ABRASCO, 1992. 269p.

MINAYO, M.C.S. Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994. 80 p.

MININNI MEDINA, N. Elementos para a introdução da dimensão ambiental na educação escolar – 1º grau. In: BRASIL, Ministério do ambiente e da Amazônia Legal. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Amazônia: uma proposta interdisciplinar de Educação Ambiental. Documentos Metodológicos. Brasília: IBAMA, 1994, p. 14-82.

NOGUEIRA, N. R. Pedagogia dos projetos: uma jornada interdisciplinar rumo ao desenvolvimento das múltiplas inteligências. São Paulo: Érika, 2001. 196 p.

OLIVEIRA, E. M. Educação ambiental: uma possível abordagem. Brasília: IBAMA, 2000. 149 p.

PÁDUA, S. M.; TABANEZ, M. F. (Orgs.). Educação ambiental: caminhos trilhados no Brasil. São Paulo: Ipê, 1997. 283 p.

RAMOS, E. C. Educação ambiental: evolução histórica, implicações teóricas e sociais: uma avaliação critica. 1996. 147 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1996.

REIGOTA, M. Desafios à educação ambiental escolar. In: JACOBI, P. et al. (Orgs.). Educação, meio ambiente e cidadania: reflexões e experiências. São Paulo: SMA, 1998. p.43-50.

REIGOTA, M. O que é educação ambiental? São Paulo: Brasiliense, 1994. 63 p.

SANTOS, W. A. Sociedade, natureza e as alternativas da educação ambiental. Educação Ambiental em Ação. n. 42, Ano XI, Dez/2012-Fev/2013. Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=1376.

SANTOS NETO, A. Experiências de um programa em educação ambiental: sustentabilidade e meio ambiente no Colégio Municipal Professora América Aballa, Rio das Ostras, RJ. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Lamego, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 29-47, jul./dez. 2013.

SEVERINO, A. J. O conhecimento pedagógico e a interdisciplinaridade: o saber como intencionalidade da prática. In: FAZENDA, I. C. A. (Org.). Didática e interdisciplinaridade. Campinas: Papirus, 1998. p. 31-44.

SILVA, R. B. L. e. A etnobotânica de plantas medicinais da comunidade quilombola de Curiaú, Macapá-AP, Brasil. 2002. 170 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Faculdade de Ciências Agrárias do Pará, Belém, 2002.

SILVA, R. B. L. e; FREITAS, J. L.; SANTOS, J. U. M. dos; SOUTO, R. N. P. Caracterização agroecológica e socioeconômica dos moradores da comunidade quilombola do Curiaú, Macapá-AP, Brasil. Biota Amazônia, Macapá, v. 3, n. 3, p. 113-138, 2013.

SORRENTINO, M. De Tbilisi a Tessaloniki, a educação ambiental no Brasil. In: JACOBI, P. et al. (Orgs.). Educação, meio ambiente e cidadania: reflexões e experiências. São Paulo: SMA.1998. p.27- 32.

TANNOUS, S.; GARCIA, A. Histórico e evolução da educação ambiental, através dos tratados internacionais sobre o meio ambiente, Nucleus, v.5, n. 2, p. 183-195, out. 2008.

WOJCIECHOWSKI, T. Projetos de educação ambiental no primeiro e no segundo ciclo do ensino fundamental: problemas socioambientais no entorno de escolas municipais de Curitiba. 2006. 173 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.