Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Compostos Bioativos e Alegações de Potencial Antioxidante de Flores de Maracujá, Cravo Amarelo, Rosa e Capuchinha1

DOI: http://dx.doi.org/10.15871/1517-8595/rbpa.v16n3p279-289

http://rbpaonline.com/ 

downloadpdf

Lucas C. da Costa2, Wellington S. Ribeiro& José A. Barbosa4

 

Resumo: O trabalho foi realizado no Laboratório de Química e Bioquímica da Universidade Federal da Paraíba com o objetivo de quantificar compostos com alegações antioxidantes das flores de maracujá (Passiflora sp.),cravo amarelo (Tagetes patula L.), rosa (Rosa sp.) e capuchinha (Tropaeolum majus L.),visando apresentá-las como fontes de antioxidantes naturais, incluindo parâmetros de quantificação de sabor. O experimento foi conduzido durante o período de agosto de 2011 a julho de 2012, no qual as flores foram avaliadas quanto à massa fresca, ácido ascórbico, flavonóides, antocianinas, carotenóides, sólidos solúveis totais, acidez titulável e relação SST/AT, que representa a relação entre os sólidos solúveis totais (SST) e a acidez titulável (AT), demonstrando quantitativamente o sabor. Com base nos teores de sólidos solúveis, acidez e relação SS/AT, as flores podem ser classificadas como poucos palatáveis para o seu consumo in natura. No entanto, os teores de flavonóides, antocianinas e carotenóides encontrados nas flores das diferentes espécies avaliadas se mostraram semelhantes aos encontrados em outros alimentos de origem vegetal, caracterizando-as como possíveis fontes de compostos bioativos.

Palavras-chave: prospecção química, atividade antioxidante, flores.

 

Abstract: The work was performed at the Laboratório de Química e Bioquímica, Universidade Federal da Paraíba in order to quantify compounds with antioxidant claims Flowers Passionflower (Passiflora sp.), yellow carnation (Tagetes patula L.), rose (Rosa sp.) and nasturtium  (Tropaeolum majus L.), to present them as sources of natural antioxidants, including parameters quantifying flavor. The experiment was conducted during the period August 2011 to July 2012, in which the flowers were evaluated for fresh, ascorbic acid, flavonoids, anthocyanins, carotenoids, soluble solids, titratable acidity and TSS / TA ratio, which represents the relationship between total soluble solids (TSS) and titratable acidity (TA), demonstrating quantitatively the flavor. Based on soluble solids, acidity and SS / TA ratio, the flowers can be classified as few palatable for consumption in natura. However, the levels of flavonoids, anthocyanins and carotenoids found in the flowers of different species evaluated were similar to those found in other plant foods, characterizing them as potential sources of bioactive compounds.

Key words: chemical prospecting, antioxidant activity, flowers.

 

1 Projeto de pesquisa financiado pelo o CNPq.
2 Graduando em Agronomia pela Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Agrárias - Campus II. Departamento de Fundamentais e Sociais, Areia - Paraíba – Brasil, CEP: 58397-000, e-mail: costalc@ymail.com
3 Doutorando em Fitotecnia (Produção Vegetal) pela Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Fitotecnia, Viçosa– Minas Gerias – Brasil, CEP: 36.570-000, e-mail:wellingtisouto@yahoo.com.br
4 Professor Associado III do Departamento de Ciências Fundamentais e Sociais, Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Agrárias, Campus II.,Areia– Paraíba- Brasil, CEP: 58397-000, e-mail: jotabarbosa2000@yahoo.com.br.

  

Literatura Citada

Bera, D.; Lahiri, D.; Nag A. Studies on a natural antioxidantfor stabilization of edible oil and comparison with syntheticantioxidants. J Food Eng.v.74, n.4, p.542-545, 2008.

Bianchi, M. L. P.; Antunes, L. M. G. Radicais livres e os principais antioxidantes da dieta. Rev. Nutr. v.12, n.2, p.123-130, 2009.

Chitarra, M.I.F.; Chitarra, A.B. Pós-colheita de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio. Lavras: UFLA, 785p., 2005.

Costa, L. C.; Almeida, E. I. B ; Ribeiro, W. S.; Neto, J.F.S.; Barbosa, J. A. Caracterização física e físico-química de umbu (Spondias tuberosa arr. cam.) oriundos do cariri paraibano. In: XXI Congresso Brasileiro de Fruticultura, Natal, Rio Grande do Norte,Brasil., 2010.

Francis, F.J. Analysis of anthocyanins. In: Markakis, P. Anthocyanins as food colors. London: Academic Press. p.181-206., 1982.

Gomes, A.P.E.; Silva, K.E.D.; Radeke, S.M.; Oshiro, A.M. Caracterização física e química de Kiwi in natura e polpa provenientes da comercialização de Dourados – MS. Revista de Ciências Exatas e da Terra UNIGRAN, v.1, n.1, 2012.

Goulart, M. O. F. Fontes Naturais de Antioxidantes. Química Nova, v. 32, n.3., 2009.

Instituto Adolfo Lutz. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. 4 ed. digital. Instituto Adolfo Lutz, São Paulo. v.1., 2008.

Kramer, A. Fruits and Vegetables. In: Kramer, A.; Twigg, B.A. Quality Control for the Food Industry. Connecticut: Avi Publishing Company. v.2, p.157-227., 1973.

Lorenzi, H.; Matos, F.J.A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2ª ed. Nova Odessa, Instituto Plantarum., 2008.

Moreira, C.F.F.; Lopes, M.L.M.; Valente-Mesquita, V.L. Impacto da estocagem sobre atividade antioxidante e teor de ácido ascórbico em sucos e refrescos de tangerina. Rev. Nutr., v.25, n.6, p. 743-752., 2012.

Pereira C. R.; Santos, M. A.; Ribeiro, H. U.; Barra, P. B.; Louro, F. S. C; Queiroga R. C. F. Composição química dos resíduos de cultivares de batata-doce submetida a diferentes idades de colheita. In: Congresso Brasileiro de Olericultura, 43. Recife, Pernambuco, Brasil. SOB (CD-ROM)., 2008.

Pereira, B.C., Pereira, A.K.F.T.C. Radicais livres: uma nova abordagem. Revista Saúde Quântica. v.1, n.1, p.35 – 48., 2012.

Prata, G.G.B. Compostos bioativos e atividade antioxidante de pétalas de rosas de corte. 111p. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa-PB, Brasil., 2009.

Ribeiro, W. S ; Almeida, E. I. B.; Costa, L. C.; Neto, J.F.S.; Velozo, A. O. ; Barbosa, J. A. Caracterização física e físico-química de limão (Citrus limon) em três estádios de maturação. In: XXI Congresso Brasileiro de Fruticultura. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil., 2010.

Ribeiro, W. S.; Barbosa, J. A.; COSTA, L. C. Capuchinha (Tropaeolum majus L.). 1. ed. Brasília: Editora Kiron, v. 1. 109p ., 2012.

Vasco, C.; Ruales, J.; Kamal-Eldin, A. Total phenolic compounds and antioxidant capacities of major fruits from Ecuador. Food Chemistry, Barking, v.111, p.816-823., 2008.