crosscheckdeposited

Estudo de Microfósseis e sua Importância como Indicadores de Paleobatimetria em Um Ambiente Recifal Antigo na Cidade de Maceió-AL

DOI: http://dx.doi.org/10.18190/1980-8208/estudosgeologicos.v25n1p15-26

https://www.ufpe.br/estudosgeologicos/ 

downloadpdf

Érica C. Omena1, Jorge L. L. da Silva2, Ana P. L. da Silva2 & Yumi A. B. de Oliveira1

 

Resumo: O presente estudo apresenta dados obtidos através da identificação taxonômica e ecológica de microfósseis encontrados em uma camada de rocha arenítica cimentada por carbonato de cálcio, a uma profundidade compreendida entre 3 e 5 metros e a uma distância de 130 metros da linha de praia atual, que testemunha um antigo recife litorâneo construído em um momento com nível relativo de mar mais elevado que o atual na cidade de Maceió-AL, nordeste do Brasil. O material utilizado foi obtido através do método Standard Penetration Test (SPT) e, em laboratório, o material foi tratado com peróxido de hidrogênio (H2O2) a concentração de 35%, lavado e peneirado em malha de 1 mm. A parte retida na peneira foi selecionada e utilizada para observação em microscópio estereoscópico. Foi possível identificar o foraminífero Homotrema rubrum (Lamarck 1816), os briozoários Reptadeonella bipartita (Canu & Bassler 1928), Antropora typica (Canu & Bassler 1928), Cigclisula arborescens (Canu & Bassler 1928), Exechonella sp. (Duvergier 1924), Stylopoma sp. (Levinsen 1909), Reptadeonella sp. (Busk 1884) e Antropora sp. (Norman 1903), a alga calcária Halimeda sp (Lamouroux 1812) e representantes da família de gastrópodes Vermetidae e fragmentos de outros moluscos das Classes Bivalvia e Gastropoda. Sabe-se que os vermetídeos vivem na zona limite entre os andares supralitorâneo e o infralitorâneo, e que os demais organismos tem preferência por ambientes rasos dos oceanos tropicais. Portanto a associação desses organismos caracteriza um ambiente de mar raso e, dada a localização do testemunho e as informações inferidas a partir da tanatocenose, supõe-se que o testemunho estudado corresponde a um limite transgressivo do mar ocorrido durante o Holoceno, cujo máximo transgressivo ocorreu há aproximadamente 5100 anos A.P.

Palavras-chave: nível médio do mar, transgressão marinha, mar raso, organismos, recifes.

 

Abstract: This study present data of obtained from microfossils found in a layer of rock beachrock layer at a depth comprised between 3 and 5 meters and distancing 130 meters from the current shore line, witnessing an ancient coastal reef built during a higher sea-level period in the city of Maceio-AL, northeastern Brazil. Samples were obtained by Standard Penetration Test method (SPT). At laboratory, the samples was treated with 35% hydrogen peroxide (H2O2), washed and sieved in 1 mm sieve. The material retained was selected and used for observation under stereoscopic microscope. It was possible to identify species of bryozoans Reptadeonella bipartita (Canu & Bassler 1928), Antropora typica (Canu & Bassler 1928), Cigclisula arborescens (Canu & Bassler 1928), Exechonella sp. (Duvergier 1924), Stylopoma sp. (Levinsen 1909), Reptadeonella sp. (Busk 1884) and Antropora sp. (Norman 1903), the foraminifera Homotrema rubrum (Lamarck 1816), the coralline alga Halimeda sp (Lamouroux 1812), representatives of the gastropod family Vermetidae and unidentifiable fragments of other molluscs of Bivalvia and Gastropoda Classes. The Vermetidae lives in the intertidal zone and the others organisms have preferences for shallow environments of the tropical oceans. Therefore, the association of these organisms portrays a marine shallow water environment, one of the transgressive sea limit, occurred during the Holocene, whose maximum occurred probably approximately 5100 years AP.

Key words: sea level, marine transgression, shallow sea, organisms, reefs.

 

1 Universidade Federal de Pernambuco. erica.omena@gmail.com
2 Universidade Federal de Alagoas. jluizlopess@gmail.com

 

Literatura Citada

Barbosa, L. M., Bittencourt, A. D. S. P., Dominguez, J. L., Martin, L., 1986. The Quaternary coastal deposits of the State of Alagoas: Influence of the realtive sea-level changes. Quaternary of South America and Antarctic Peninsula, 4: 269-290.

Barry, S., Cowell, P. & Woodroffe, C., 2007. A morphodinamic model of reef-island development on atolls. Sedimentary Geology, 197:47-63. http://dx.doi.org/10.1016/j.sedgeo.2006.08.006

Bittencourt, A., Martin, L., Dominguez, J. & Ferreira, Y., 1983. Evolucão paleogeográfica quaternaria da costa do estado de Sergipe e da costa sul do estado de Alagoas. Revista Brasileira de Geociências, 13(2):93-97.

Bock, P., 2008. The Bryozoa Home Page: Recent and Fossil Bryozoa Disponível em: http://bryozoa.net.

Cadavid, E. M., Romero, P. F., Winston, J. E., 2007. Checklist of the marine Bryozoa of the colombian Caribbean. Biota Colombiana, 8:159-184.

Campos, T. F. D. C., Bezerra, F. H. R.,, Srivastava, N. K, Petta, R. A., Virgens Neto, J. 2009. As rochas sedimentares e a formação neogênica de São Pedro e São Paulo. In: O Arquipélago de São Pedro e São Paulo: 10 anos de Estação Científica. SECIRM, Brasília, p. 74-81.

Castro, C. B. E., 2006. O Ecossistema Recifal. In: Prates, A. P. L. (Org.). Atlas dos Recifes de Coral nas Unidades de Conservação Brasileiras. Ministerio do Meio Ambiente, p. 21-22.

Cavalcanti, V. M. M., 2011. Plataforma continental: a última fronteira da mineração brasileira. Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPM, Brasília, 104 p.

Choi, D. R., 1984. Ecological succession of reef cavity-dwellers (Coelobites) in coral rubble. Bulletin of Marine Science, 35:72-79.

Comisión Nacional de Áreas Naturales Protegidas, 2007. Estudio Previo Justificativo para el establecimiento del Área de Protección de Flora y Fauna Isla de Cozumel, Quintana Roo, México. CONANP, México, 126p.

Cordeiro, R., Amaral, F., 2009. Ocorrência de Cnidários construtores de recifes em ambientes de profundidade no Nordeste do Brasil. In: IX Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão, 2009. Anais da IX JEPEX, Recife. Disponível em < http://www.eventosufrpe.com.br/jepex2009/cd/listaresumos.htm>.

Correia, M. D., Sovierzoski, H. H., 2005. Ecossistemas costeiros de Alagoas, Brasil. Technical Books, Rio de Janeiro, 144p.

Fernandes, A. C. S., 2011. Cnidários. In: Carvalho, I. S. (Ed.) Paleontologia: Microfósseis, paleoinvertebrados. Interciência p. 315-332.

Hetzel, B., Castro, C. B., 1994. Corais do sul da Bahia. Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 189p.

Hopley, D., 2011. Encyclopedia of Modern Coral Reefs. Springer Verlag NY, EUA, 900 p. http://dx.doi.org/10.1007/978-90-481-2639-2

Johannes, R. E., Coles, S. L., Kuenzel, N. T., 1970. The Role of Zooplankton in the Nutrition of Some Scleractinian Corals. Limnology and Oceanography, 15: 579-586. http://dx.doi.org/10.4319/lo.1970.15.4.0579

Kikuchi, R. K. P. 2002. Atol das Rocas, Litoral do Nordeste do Brasil - Único atol do Atlântico Sul Equatorial Ocidental. In: Schobbenhaus, C., Campos, D. A., Queiroz, E. T., Winge, M., Berbert-Born, M. L. C. (Edits.) Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. DNPM/CPRM - Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos (SIGEP), 379-390.

Liddell, W. D., Ohlhorst, S. L., Boss, S. K., 1988. The Significance Of Halimeda As A Space-Occupier And Sediment-Producer, 1-750m. North Jamaica. In: Proceedings of the 6th International Coral Reef Symposium, Australia, 1988, 3: 127-132.

Lima, I. F., 1990. Maceió a cidade restinga: contribuição ao estudo geomorfológico do litoral alagoano. EDUFAL, Maceió, 255 p.

Littler, M., Littler, D., 1984. Relationships between macroalgas functional form groups and substrata stability in subtropical rocky-intertidal system. Journal of Experimental Marine Biology and Ecology, 74:13-34. http://dx.doi.org/10.1016/0022-0981(84)90035-2

Lowenstam, H., 1950. Niagaran reefs of the Great Lakes area. The Journal of Geology, 58:430-487. http://dx.doi.org/10.1086/625755

Machado, A. D. J., Moraes, S. S. D., 2002. A note on the occurrence of the encrusting foraminifera Homotrema rubrum in reef sediments from two distinctive hydrodynamic settings. In: Anais da Academia Brasileira de Ciências (2002), 74(4): 727-735. http://dx.doi.org/10.1590/S0001-37652002000400012

Machado, D. M. D. C., Kotzian, C. B., Erthal, F., 2011. Moluscos. In: Carvalho, I. S. (Ed.) Paleontologia: Microfósseis, paleoinvertebrados. Interciência p. 409-447.

Martin, L., Mörner, N.-A., Flexor, J.-M., Suguio, K., 1982. Reconstrução de antigos níveis marinhos do quaternário. In: Comissão Técnico-Científica do Quater-nário (CTCQ) da Sociedade Brasileira de Geologia (SBG), 1982. Instituto De Geociências – USP, p. 1-154.

Pilarczyk, J. E., Reinhardt, E. G., 2011. Homotrema rubrum (Lamarck) taphonomy as an overwash indicator in marine ponds on Anegada, British Virgin Islands. Natural Hazards, 63:85-100. http://dx.doi.org/10.1007/s11069-010-9706-3

Rasser, M. W., Riegl, B., 2002. Holocene coral reef rubble and its binding agents. Coral Reefs, 21:57-72. http://dx.doi.org/10.1007/s00338-001-0206-5

Ruppert, E. E., Barnes, R. D., 1996. Zoologia dos invertebrados. 6 ed. Roca, São Paulo, 1029 p.

Salgado-Laboriau, M. L., 1994. História ecológica da Terra. Editora Edgard Blücher LTDA, São Paulo, 307 p.

Santos, R. C. D. A. L., 2004. Evolução da linha de costa a médio e curto prazo associada ao grau de desenvolvimento urbano e aos aspectos geoambientais na Planície Costeira de Maceió - Alagoas. Tese de doutorado, Pós-graduação em Geociências - UFPE. 176 p.

Soares, M. O., Meirelles, C. A. O., Lemos, V. B. 2010 Distribuição espacial de vermetídeos (Mollusca: Gastropoda) no Atol das Rocas, Atlântico Sul equatorial. Bol. Mus. Para. Emilio Goeldi Cienc. Nat. 5(2): 225-231.

Souza, C. R. G., Suguio, K., Oliveira, A. M. S., Oliveira, P. E., 2005. Quaternário do Brasil. Holos editora, Ribeirão Preto, 378 p.

Souza, M. C., Angulo, R. J., Assine, M. L., Disaró, S. T. ; Pessenda, L. C. R., Araújo, A. D., Odreski, L. L. R., Veiga, F. A., Sousa, S. H. M . Evolução da barreira holocênica no litoral do Estado do Paraná, sul do Brasil. In: IX Congresso da associação brasileira de estudos do Quaternário, II Congresso do Quaternário de países de línguas ibéricas, II Congresso sobre planejamento e gestão da zona costeira dos países de expressão portuguesa, 2003, Recife. Anais, 2003, p. 85.

Suguio, K., 2008. Mudanças ambientais da Terra. Instituto Geológico, São Paulo, 336 p.

Superintendência De Limpeza Urbana De Maceió (SLUM), 2008. Plano De Saneamento - Componente Resíduos Sólidos. Prefeitura Municipal de Maceió, Maceió, 135 p.

Tavora, V. A. ; Nogueira Neto, I. L. A. . Briozoários. In: Carvalho, I. S. (Ed.) Paleontologia: Microfósseis, paleoinvertebrados. Interciência p. 299-314.

Taylor, P. D., 2005. Bryozoans and paleoenvironmental interpretation. Journal of Paleontological Society of India, p. 1-11.

Tinoco, I. D. M., 1989. Introdução ao Estudo dos Componentes Bióticos dos Sedimentos Marinhos Recentes. Recife, Editora Universitária da UFPE, 219 p.

Toscano, M. A., Macintyre, I. G., Lundberg, J., 2012. Last interglacial reef limestones, northeastern St. Croix,. Coral Reefs, 31:27–38. http://dx.doi.org/10.1007/s00338-011-0822-7

Vieira, L. M., 2008. Sistemática e distribuição dos briozoários marinhos do litoral de Maceió, Alagoas. Dissertação de mestrado, Pós-graduação em Zoologia - USP. 195 P.

WanderleY, M., 2010. Técnicas de preparação de microfósseis. In: Carvalho, I. S. (Ed.) Paleontologia: Microfósseis, paleoinvertebrados. Interciência p. 65 – 80.

Winston, J., 1986. An annoteted check-list of coral-associated bryozoans. American Museum Novitates, p. 1-39.