Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Avaliação da Qualidade da Água do Alto Rio Pedreira, Macapá, Amapá

DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v5n2p107-118

http://periodicos.unifap.br/index.php/biota/index 

downloadpdf

Naziel S. de Souza1, Júlio C. S. Oliveira2 & Erineide S. e Silva3

 

Resumo: O objetivo do presente estudo foi avaliar a qualidade da água do alto Rio Pedreira, de modo a gerar informações que possam atuar como subsidio na preservação desse recurso aquático. O ponto de amostragem está situado no perímetro do Km 106, da BR 156, nos limites do Município de Porto Grande e Ferreira Gomes. Os parâmetros analisados foram: Temperatura da água, Potencial Hidrogeniônico (pH), Transparência, Turbidez, Condutividade Elétrica, Nitratos, Amônia, Fósforo Total, Ferro Total, Oxigênio Dissolvido (OD), Sólidos Totais, Ortofosfato, Demanda Bioquímica do Oxigênio (DBO5), Cor e Coliformes fecais. Na determinação do IQA, utilizou-se o índice NSF (National Sanitation Foudantion - NSF) com o auxílio do Software IQAData 2010 (Registro no INPI n° 10670-2). Como resultados, o presente estudo classificou a maioria dos parâmetros com padrões para a Classe 1 da Resolução CONAMA 357/05. A exceção é o oxigênio dissolvido e o ferro, classificados com padrões para classe 3. O índice de qualidade NSF enquadrou a água na montante do rio Pedreira como sendo de boa qualidade na estação seca. No período chuvoso, foi classificada como média. Sazonalmente, o IQA do rio Pedreira mostrou diferenças significativas entre os períodos seco e chuvoso (t = 35,65; p = <0,0001). Dos resultados obtidos, conclui-se que: o rio encontra-se estável; a preservação da mata ciliar, clima, vegetação e características geológicas, formam um grupo de fatores que contribuem na harmonia da área estudada. A baixa concentração de OD atuou como fator determinante para os índices de qualidade obtidos nos dois períodos.

Palavras-chave: monitoramento, corpos hídricos, Amazônia, Amapá.

 

Abstract: The aim of this study was to evaluate the quality of the upper river Quarry water, in order to generate information that can act as a subsidy in the preservation of aquatic resource. The sampling point is situated on the perimeter of Km 106, BR 156, within the limits of the Municipality of Porto Grande and Ferreira Gomes. The parameters analyzed were: Water Temperature, Hydrogen Potential (pH), Transparency, Turbidity, Electrical Conductivity, Nitrates, Ammonia, Total Phosphorus, Total Iron, Dissolved Oxygen (OD), Total Solids, Orthophosphate, Biochemical Oxygen Demand (BOD5), Color and Fecal coliforms. In determining the IQA, used the NSF index (National Sanitation Foudantion - NSF) with the help of Software IQAData 2010 (registration with INPI No. 10670-2). As a result, this study classified most parameters with standards for Class 1 of CONAMA Resolution 357/05. The exception is the dissolved oxygen and iron, ranked with standards for Class 3. The quality index NSF framed the water in the river upstream of the quarry to be of good quality in the dry season. During the rainy season, was classified as average. Seasonally, the River Quarry IQA showed significant differences between the dry and rainy periods (t = 35.65, p = <0.0001). From the results, it is concluded that: the river is stable; the preservation of riparian vegetation, climate, vegetation and geological features, form a group of factors that contribute to the harmony of the study area. The low concentration of OD served as a determinant for the quality scores obtained in the two periods.

Key words: monitoring, water bodies, Amazon, Amapá.

 

1 Biólogo, Universidade Federal do Amapá. E-mail: souza.naziel@gmail.com
2 Doutor em Ecologia Aquática e Pesca, Universidade Federal do Pará. Professor Adjunto III da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), Departamento de Ciências Biológicas , Laboratório de Ictiologia e Limnologia, Núcleos de Estudos em Pesca e Aquicultura (NEPA). E-mail: juliosa@unifap.br
3 Bióloga, Universidade Federal do Amapá. Especialista em Docência do Ensino Superior, Faculdade Madre Tereza. Residente pelo Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva. E-mail: erineidessilva@hotmail.com

 

Literatura Citada

Agência Nacional de Águas - ANA. Panorama do enquadramento dos corpos d'água do Brasil, e, Panorama da qualidade das águas subterrâneas do Brasil. Brasília: ANA, 2007. 124p.

Agência Nacional de Águas - ANA. Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil: Informe 2011. Brasília: ANA, 2011.112p.

Agência Nacional de Águas - ANA. Panorama da qualidade das águas superficiais do Brasil. Brasília: ANA, 2012. 264p

ALABURDA, J.; NICHIHARA, L. Presença de compostos de nitrogênio em águas de poços. Revista de Saúde Pública, v. 32, n. 2, p. 160-165, 1998.

AMCEL/DMAST. Amapá Florestal e Celulose. Departamento de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho, 2014. Dados não publicados.

ANDRADE, L. N. Autodepuração dos corpos d'água. Revista da Biologia. v. 5, p. 16-19, 2010.

APHA; AWWA; WPCF; Standard Methods for Examination of Water and Wastewater. 21ª ed. 2005.

AYRES, M.; AYRES JR, M.; AYRES, D. L.; SANTOS, A. S. BioEstat 5.0: aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. Brasilia, CNPq/Conservation International, Manual do programa Bioestat, 2007.

BAUMGARTEN, M. G. Z.; POZZA, S. A. Qualidade de águas: descrição de parâmetros químicos referidos na legislação ambiental. Rio Grande: FURG, 2001. 166p.

BRAGA, B.; HESPANHOL, I.; CONEJO, L. J. G.; MIERWZA, J. C.; BARROS, M. T. L.; SPENCER, M.; PORTO, M.; NUCCI, N.; JULIANO, N.; EIGEIR, S. Introdução à engenharia ambiental. 2ª ed. São Paulo: Person Prentice Hall, 2005. 336p.

BRANCO, S. M. Hidrobiologia Aplicada À Engenharia Sanitária. 3ª ed. São Paulo: CETESB/ASCETESB, 1986. 640p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente - MMA. Política Nacional de Recursos Hídricos: Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Brasília. Ministério do Meio Ambiente, 1997. p. 1-8.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília. Portaria Nº 2.914/2011. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegisl>; Acesso em junho de 2013.

BRIGANTE, J.; ESPINDOLA, E. L. G. Limnologia Fluvial – Um estudo no Rio Mogi-Guaçu. In: São Carlos: RiMa, 2003. p. 255.

BRITO, P. N. F. Qualidade da água de abastecimento em comunidades rurais de várzea do baixo rio Amazonas. 2013. 50 f. Monografia (Graduação) Universidade Federal do Amapá/UNIFAP, Macapá, 2013.

BUENO, J. L.; SASTRE, H.; LAVÍN, A. G. Contaminación e Ingeniería Ambiental. FICYT, Oviedo, 1997.

CARVALHO, N. O. Hidrossedimentologia prática. CPRM, Rio de Janeiro - RJ, 1994. 372p.

CETESB/SP. Variáveis de Qualidade da água. São Paulo. CETESB 2006. Disponível em: <http://www.cetesb.sp.gov.br/agua/%C3%81uassuperficiais/109-Vri%C3%A1eis-de-Qalidade-das%C3%81uas. Acesso em: dezembro 2014.

CETESB/SP - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Relatório Nº 001/2007 - C/E. 2007.

CETESB/SP. Qualidade das águas interiores no Estado de São Paulo. Série publicações/Relatórios. São Paulo. CETESB, 2008.

CETESB/SP. Qualidade das águas superficiais no estado de São Paulo 2013. Série Relatórios. São Paulo.

CETESB, 2014.Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA. Resolução Nº 357/2005 de 17 de março de 2005. Diário Oficial da União, 18 de março de 2005, p. 58-63. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama>. Acesso em junho de 2013.

CUNHA, A. C.; SOUSA, J. A.; GOMES, W. L.; BAÍA, J. S.F.; CUNHA, H. F. A. Estudo Preliminar Sobre a Variação Espaço-Temporal de Parâmetros de Qualidade de Água no Igarapé da Fortaleza. In: TAKIYAMA, L.R.; SILVA, A. Q. Diagnóstico das Ressacas do Estado do Amapá: Bacias do Igarapé da Fortaleza e Rio Curiaú, Macapá-AP. CPAQ/IEPA e DGEO/SEMA, 2003. p. 105-136.

DRUMMOND, J. A; DIAS, T. C. A. C.; BRITO, D. M. C. Atlas das Unidades de Conservação do Estado do Amapá. MMA/IBAMA - AP; GEA/SEMA. Macapá, AP, 2008.

ESTEVES, F. A. Fundamentos de limnologia. 2ª ed. Rio de Janeiro. Editora Interciência Ltda - FINEP, 1998.

HOUNSLOW, A. Water quality data: analysis and interpretation. Boca Raton: Lewis Publishers: 1995. p.1-16; 45-62.

JUNK, W. J. PIEDADE, M. T. F.; SCHÕNGART, J.; COHN-HAFT, M.; ADENEY, J. M.; WITTMANN, F.A Classification of Major Naturally-Occurring Amazonian Lowland Wetlands. Wetlands, v. 31, n. 4, p. 623-640, 2011.

KREISCHER, T. C. V.; GONÇALVES, D. M. M.; VALENTINI, C. M. A. Aspectos hidroambientais do córrego Barbado em Cuiabá-MT. HOLOS, ano 28, v. 1, 2012.

LOWE-MCCONNELL, R. H. Estudos ecológicos de comunidades de peixes tropicais. São Paulo-SP: Edusp, 1999. 535p.

MACEDO, J. A. B. Águas e Águas. São Paulo: Varela, 2001. 505p.

MARGALEF, R. Limnologia. Barcelona: Editora Omega, 1986. 1010p.

MARINELLI, C. E.; MORETTO, E. M.; BRUCHA, G.; LUCCA, J. V. Limnologia, 2000. In: ESPÍNDOLA, E. L. G.; SILVA, J. S. V.; MARINELLI, C. E.; ABDON, M. M. A Bacia hidrográfica do Rio Monjolinho. RiMA Editora, São Carlos, p. 133-149.

MELÉM JÚNIOR, N.J; CARNEIRO, C.E. A.; BRITO, O.R.; VENDRAME, P.R.S.; GUEDES, M.C.; COSTA, A.C.S.; RICHART, A.; TREVISAN, A.T. Absorção e fósforo remanescente em Latossolo Amarelo distrófico do Cerrado do Amapá. In: IX Simpósio Nacional Cerrado: Desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos naturais. Parla Mundi. Brasília - DF, 2008.

MICHALAKOS, G. D.; NIEVA, J. M.; VAYENAS, D. V.; LYBERATOS, V.Removal of iron from potable water using a trickiling filter. Water Research, v. 31. n. 5, p. 991-996, 1997.

NEGALLI, A; NEMES, P. D. Estudo da qualidade de água de corpo receptor de efluentes líquidos industriais e domésticos. Revista Acadêmica, Ciências Agrárias e Ambientais, v. 7, n. 2, p. 131-144, 2009.

OGERA, S. P. Remoção de nitrogênio no esgoto sanitário pelo processo de lodo ativado por batelada. 1995. Dissertação (Mestrado). UNICAMP. Campinas, 1995.

PEIXOTO, R. H. P. B. Qualidade da água do rio Tocantins a jusante da usina hidrelétrica Serra da Mesa (GO). 2001. Dissertação (Mestrado). Campina Grande-PB, 2001.

PEREIRA-FILHO, W. Influência dos diferentes tipos de uso da terra em bacias hidrográficas sobre sistemas aquáticos da margem esquerda do reservatório de Tucuruí - Pará. 2000. 138 f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade de São Paulo. São Paulo, 2000.

PEZENTE, A. W. Análise microbiológica, física e química da água dos bebedouros e torneiras consumida na E.E.B Timbé do Sul, localizada no centro do Município de Timbé do Sul - SC (Monografia apresentada ao curso de Farmácia). Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC, 2009.

POPE, M. L; BUSSEN, M.; FEIGE, M. A.; SHADIX, L.; GONDER, S.; RODGERS, C,; CHAMBERS, Y.; PULS, J.; MILLER, K.; KONNELL, K.; STANDRIDGE, J. Assessment of the Effects of Holding Time and Temperature on Escherichia coli Densities in Surface Water Samples. Appliedand Environmental Microbiology. v. 69, n. 10, p. 6201– 6207, 2003.

POSSELT, E. L.; COSTA, A. B. Software IQAData 2010. Registro no INPI n° 10670-2. Programa de Mestrado em Sistemas e Processos Industriais – PPGSPI. UNISC, 2010.

RICHESTER, C. A; NETTO, J. M. A. Tratamento de Água: Tecnologia Atualizada. Editora Edgard Blücher Ltda. v. 3, 2002.

SAWYER, C. N.; McCARTY, P. L.; PARKIN, G. F. Chemidtry for envitonmental engineering. 4º ed. New York. McGraw-Hill Book Company, 1994. 658p.

SEMAD. Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento. Instituto Mineiro de Gestão das Águas. Sistema de cálculo da qualidade da água (SCQA). Belo Horizonte, 2005.

SILVA, E. S; SÁ-OLIVEIRA, J. C. Avaliação da qualidade da água da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Seringal Triunfo, Rio Araguari, Ferreira Gomes-ap-Brasil. Biota Amazônia, v. 4, n. 2, p. 28-42, 2014.

SIOLI, H.; KLINGE, H. Solos, tipos de vegetação e água na Amazônia. Boletim Geográfico, n.179, p. 146-153, 1964.

TAKIYAMA, L. R.; SILVA, A. Q.; COSTA, W. J. P.; NASCIMENTO, H. S. Qualidade das Águas das Ressacas das Bacias do Igarapé da Fortaleza e do Rio Curiaú In: Takiyama, L. R.; Silva, A. Q. Diagnóstico das Ressacas do Estado do Amapá: Bacias do Igarapé da Fortaleza e Rio Curiaú, Macapá-AP, CPAQ/IEPA e DGEO/SEMA, 2003, p. 81-104.

TOLEDO, L. G.; NICOLELLA, G. Índice de Qualidade de Água em Microbacia sob uso Agrícola e Urbano. Scientia Agricola, v. 59, n.1, p.181-186, 2002.

TOLEDO, L. G. Monitoramento dos impactos ambientais das atividades agrícolas na qualidade das águas superficiais. In: Universidade de Passo Fundo. Uso da água na agricultura. Passo Fundo, UPF, 2004. p.11

TUCCI, C. E. M. Hidrologia: ciência e aplicação. 4ª ed. Porto Alegre: UFRGS-Faculdade de Agronomia, 2009. 943p.

TUNDISI, J. G.; MATSUMURA-TUNDISI, T. Limnologia. São Paulo: Editora Oficina de textos, 2008. 632p.

VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 3ª ed, Belo Horizonte. Departamento de Engenharia sanitária e Ambiental. UFMG, 2005. 452p.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Guidelines for drinkingwater quality. 2° ed. Geneve: WHO, 1993. v. 1–Recommendations. p. 1–15; 39–57. v. 2–Health criteria and other supporting information. p. 1-18; 82-86; 121–130; 195–201; 254–266; 325-326; 370-372; 383-385.

Zoneamento Ecológico Econômico - ZEE. Primeira aproximação do zoneamento ecológico econômico do Amapá. Representação escala 1/1.000.000. Relatório final. Versão simplificada. Macapá-AP: IEPA, 1997. 106 p.

Zoneamento Ecológico Econômico - ZEE. Macrodiagnóstico do Estado do Amapá: primeira aproximação do ZEE/Equipe Técnica do ZEE - AP. 3ª ed. rev. ampl. Macapá: IEPA, 2008.

ZUMACH, R. Enquadramento de curso de água Rio Itajaí- Açu e seus principais afluentes em Blumenau. 2003. 124 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental. Florianópolis, 2003.