Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Percepção Ambiental e da Família Orchidaceae por Moradores da Área de Proteção Ambiental da Fazendinha, Amapá, Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v5n2p76-83

http://periodicos.unifap.br/index.php/biota/index 

downloadpdf

Patrick de C. Cantuária1, Raullyan B. L. e Silva2, Maryele F. Cantuária3, João da L. Freitas2, Francisco de O. Cruz-Júnior2, Francisco M. de B. Ribeiro4, Fábio de Barros5 & João U. M. dos Santos6

 

Resumo: O presente trabalho é uma proposição acerca da percepção ambiental, sobre orquídeas, dos moradores de uma unidade de conservação de uso sustentável no estado do Amapá. O estudo foi realizado na Área de Proteção Ambiental da Fazendinha, localizada entre os Municípios de Macapá e Santana, Amapá, Brasil. Para a coleta de dados relativos à percepção ambiental da APA e sobre o conhecimento de orquídeas dos moradores foi utilizada a técnica de entrevista semi-estruturada, tendo como instrumento um formulário previamente elaborado e testado contendo 13 perguntas abertas e fechadas sobre meio ambiente, água, lixo, responsabilidade sobre os problemas ambientais e orquídeas. Antes da realização das mesmas, os entrevistados foram informados da finalidade do trabalho e deram seu consentimento formal para participação na pesquisa, que foi licenciada pela Autorização número 09/2013 emitida pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Amapá. Foram entrevistadas 90 famílias, o que representou 24 homens com faixa etária de 18 a 76 anos de idade (média de 44 anos) e 66 mulheres com faixa etária de 18 a 78 anos (média de 35 anos). Aproximadamente 20% dos entrevistados consideraram o meio ambiente como um problema para a utilização dos recursos naturais de modo sustentável, constituindo obstáculos à execução de suas atividades. A presença de ratos e baratas nos domicílios pode ser explicada pelo lixo que é acondicionado de forma inadequada e a céu aberto e os moradores reconhecem que são co-partícipes, junto com o poder público, por esse problema. O padrão de respostas apresentado, indica que os entrevistados não realizaram descrições totalmente fidedignas das características distintivas das orquídeas. Observar o entendimento e o conhecimento de comunidades tradicionais sobre a flora ajuda de sobremaneira no desenvolvimento de estratégias de conservação. Os trabalhos de percepção ambiental associados aos conhecimentos tradicionais das comunidades são importantes por reconhecerem o valor do etno-conhecimento para o fortalecimento da ciência, uma vez que se esses saberes não forem resgatados, ou transmitidos, estão propensos a desaparecer, antes mesmo que se saiba da sua importância para a conservação da biodiversidade.

Palavras-chave: entendimento do ambiente, orquídeas, Unidade de Conservação.

 

Abstract: This work propose to evaluate the environmental perception of the residents of a protected area of sustainable use in the state of Amapá, Brasil, about environmental questions and orchids. The study was conducted in the Environmental Protection Area of F?azendinha located between the cities of Macapá and Santana, Amapá, Brazil. Data were collectedusing a semistructured interview technique, with a form previously designed and tested, containing 13 open and closed questions about the environment, water, garbage, responsibility for environmental problems, and orchids. Before the application of interviews, the residents were informed about the purpose of the work, gave its formal consent for participation in research, which was licensed by the authorization number 09/2013 issued by Secretary of State for the Environment of Amapá. Ninety families were interviewed, representing 24 men aged 18-76 years (average 44 years) and 66 women aged 18-78 years (mean 35 years). Approximately 20% of the respondents viewed the environment as a problem for the use of natural resources in a sustainable way, being obstacles to the implementation of his activities. The presence of rats and cockroaches in houses can be explained by the garbage that is improperly packaged and deposited in the open, and the interviwed recognizes that they are responsible along with the government by this problem. The pattern here presented indicates that respondents did not realize fully reliable description of the distinguishing features of orchids. The observation of the understanding and the knowledge of traditional communities about the flora could help greatly in the development of conservation strategies. The environmental perception work associated with traditional knowledge of communities are important to recognize the ethnobotanical knowledge for strengthening of science, since it is this knowledge are not redeemed or transmitted, is likely to disappear even before one knows its importance for biodiversity conservation.

Key words: understanding the environment, orchids, Protected Area.

 

1 Curador do Herbário Amapaense, Divisão de Botânica, Centro de Pesquisas ZooBotânicas e Geológicas. Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá. E-mail: patrickcantuaria@gmail.com
2 Divisão de Botânica, Centro de Pesquisas ZooBotânicas e Geológicas. Divisão de Botânica, Centro de Pesquisas ZooBotânicas e Geológicas. E-mail: raullyanborja@uol.com.br; jfreitas.ap@bol.com.br; junior20_oliveira@yahoo.com.br
3 Pró-reitoria de Desenvolvimento Institucional. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá. E-mail: maryeleferreira@gmail.com
4 Mestrando em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia, Universidade Federal do Pará. E-mail: michaelribeiro@bol.com.br
5 Seção de Orquidário, Instituto de Botânica de São Paulo. E-mail: f.barros@terra.com.br
6 Biólogo, Doutor em Biologia Vegetal, Universidade Estadual de Campinas. Professor Adjunto, Universidade Federal Rural da Amazônia. E-mail: bira@museu-goeldi.br

 

Literatura Citada

AMAPÁ. Lei Complementar número 021 de 26 de fevereiro de 2003. Institui a Região Metropolitana de Macapá. [Diário Oficial do Amapá]. Amapá. 2003.

AMAPÁ. Lei número 0873 de 31 de dezembro de 2004. Estabelece a Criação da Área de Proteção Ambiental da Fazendinha. [Diário Oficial do Amapá]. Amapá. 2004.

BARBETTA, P. A. Estatística aplicada às Ciências Sociais. Universidade Federal de Santa Catarina. 5ª ed. Florianópolis. 2003.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Editora 70. 2009.

BULLPITT, C. The uses and misuses of orchids in medicine. QJMed Medicine, v. 98, p. 625-631, 2005.

BOCATO-JUNIOR, F. C. Valoração econômica de ativos naturais urbanos: o caso da área de preservação ambiental da Fazendinha e seu entorno, Macapá-Amapá. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Amapá. Programa de PósGraduação em Direito Ambiental e Políticas Pública. 2009.

CANTUÁRIA, P. C.; FREITAS, J. L.; SILVA, R. B. L.; CANTUARIA, M. F. Percepção ambiental da Família Orchidaceae em sistemas agroflorestais de agricultores familiares no Igarapé Mutuacá, Mazagão, Amapá, Brasil. Biota Amazônia, v. 4, n. 3, p. 119-124, 2014.

CASTELLO, L. Educandos Educadores. OLAM. Ciência e Tecnologia, v. 1, n. 2. Rio Claro, 2001.

CHEN, J. T.; CHANG, W. C. 1-Aminocyclopropane-1-carboxylic acid enhanced direct somatic embryogenesis from Oncidium leaf cultures. Biologia Plantarum, v. 46, p. 455-458, 2013.

DRESSLER, R. L. Phylogeny and classification of the Orchid Family, Dioscorides Press, Portland. 314p. 1993.

FAGGIONATO, S. Percepção Ambiental. Disponível em: <http://educar.cs.usp.br>. Acesso em: 25 set. 2014. 2007.

FERNANDES, R. S.; PELISSARI, V. B.; SOUZA, V. J.; FERNADES, S. T. Uso da percepção ambiental como instrumento de gestão em aplicações ligadas às áreas educacional, social e ambiental. Disponível em: <http://www.google.com.br/percepçãoambiental>. Acesso em: 18 set. 2014. 2004.

GUTIÉRREZ, R. M. P. Orchids: A review of uses in traditional medicine, its phytochemistry and pharmacology. Journal of Medicinal Plants Research, v. 4, p. 592-638, 2010.

GUTIÉRREZ, R. M. P. Orchids: A review of uses in traditional medicine, its phytochemistry and pharmacology. Journal of Medicinal Plants Research 4: 592-638. 2010.

HOMMA, A. K. O; MENEZES, A. J. E. A.; MATOS, G. B. Cultivo de Baunilha: uma alternativa para a agricultura familiar na Amazônia. Documentos 254 (EMBRAPA). 2006.

HOSSAIN, M. M. Therapeutic orchids: traditional uses and recent advancesAn overview. Fitoterapia, v. 82, p. 102-140, 2011.

IBASE. INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS Educação ambiental em unidades de conservação. Programa Petrobras Ambiental. 2006. Disponível em; <http://www.ibase.br/ap_ibase_educacao_01c.pdf>. Acesso em: 05 nov. 2014. 2006.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Taxa de analfabetismo da população de 15 anos ou mais de idade, por grupos de idade, segundo as Unidades da Federação e os municípios das capitais, Grupos de idade 2000/2010. 2015. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em: 21 de fev. 2015.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional de saneamento básico. 2000. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/ibge>. Acesso em: 21 fev. 2015.

IPEA. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Brasil em Desenvolvimento. Vol. 3. Série Brasil: o estado de uma nação. 2009. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/bd/pdf/2009/Livro_Brasil.pdf>. Acesso em: 06 nov. 2014. 2009.

JALAL, J. S.; KUMAR, P.; PANGTEY ,Y. Ethnomedicinal Orchids of Uttarakhand, Western Himalaya. Ethnobotanical Leaflets, N.164. 2008.

JOPPA, L. N.; ROBERTS, D. L.; PIMM, S. L. How many species of flowering plants are there? Proceedings of the Royal Society, Biological Sciences, v. 278, p. 554-559, 2011.

JOSHI, G.; TEWARI, L.M.; LOHANI, N.; UPRETI, K.; JALAL, J.S.; TEWARI, G. Diversity of orchids on Uttarakhand and their conservation strategy with special reference to their medicinal importance. Report and Opinion, v. 1, p. 47-52, 2009.

LEMOS, J. C.; LIMA, S. C. Segregação de resíduos de serviços de saúde para reduzir os riscos à saúde pública e ao meio ambiente. Bioscience Journal, v. 15, n. 2, p. 64-72. 1999.

LIMA, M. J. A. Ecologia humana: realidade e pesquisa. Recife: Imprensa da UFRPE, 1995. 164 p.

LIMA, A. S. Produção, biometria e germinação de sementes de andirobeiras (Carapa spp.) da APA da Fazendinha, Macapá – AP. 52 f. [Monografia] Coordenadoria do curso de Engenharia Florestal, Universidade do Estado do Amapá. 2010.

LOUREIRO, C. F. B.; AZAZIEL, M.; FRANÇA, N. Educação Ambiental e gestão participativa em unidades de conservação. MMA e Ibase. 2003. Disponível em: <https://www.ibama.gov.br/sophia/cnia/livros/educacaoambientalegestaoparticipativaemunidadesdeconservacao.pdf>. Acesso em: 23 out. 2013. 2003.

META PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Hábitos de Informação e Formação de Opinião Popular realizado pela Meta Pesquisa de Opinião. 2010. Disponível em: <http://www.fenapro.org.br/relatoriodepesquisa.pdf>. Acesso em: 21 fev. 2015.

MUCELIN, C.; BELLINI, M. Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano. Sociedade e Natureza (Online), vol.20, n.1, pp. 111-124. 2008. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S198245132008000100008>. Acesso em 21 fev. 2015.

PIMENTEL, R. S. A percepção ambiental de alunos de 5ª a 8ª séries do ensino fundamental da escola estadual Fagundes Varela, Distrito do Carvão, Mazagão-AP, Brasil. 2010. 62 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia) – Instituto Superior de Educação Atual, Macapá, 2010.

SILVA, R. B. L. e. A etnobotânica de plantas medicinais da comunidade quilombola de Curiaú, Macapá-AP, Brasil, 2002. 170 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Departamento de Biologia Vegetal, Faculdade de Ciências Agrárias do Pará, Belém, 2002.

SINGH, A; DUGGAL, S. Medicinal Orchids: An Overview. Ethnobotanical Leaflets, v. 13, p. 351-363, 2009.

SIQUEIRA, R.; LIMA, P. V.; LABELO, O.; CORTEZ, A. T.; MENDES, S. Análise da percepção ambiental dos condutores Turísticos de Pedro II, PI. Anais do IV Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica. Belém, 2009.

SOUZA, V.; LORENZI, H. Botânica Sistemática. 2. Ed. 2008.

TUAN, Y. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: DIFEL, 1982.