Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Estudo Fitoquímico de Bauhinia forficata (Fabaceae)

DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v5n1p27-31

http://periodicos.unifap.br/index.php/biota/index 

downloadpdf

Ranggel C. Simões1 & Sheylla S. M. da S. de Almeida1

 

Resumo: O presente trabalho descreve resultados de prospecção fitoquímica preliminar, bioensaio com Artemia salina e atividade antimicrobiana da Bauhinia forficata Link, conhecida popularmente como Pata-de-vaca. O gênero Bauhinia é pantropical, suas espécies são utilizadas em vários tratamentos, como antidiabético, infecções e processos dolorosos. O “screening” fitoquímico foi realizado com o Extrato Bruto Etanóico (EBE) sendo o mesmo obtido a partir da percolação do pó das cascas do caule da B. forficata Link com o solvente etanol, que posteriormente foi concentrado. O método de análise de toxicidade com Artemia salina utilizou a taxa de metanauplios mortos para determinar sua CL50. E para a avaliação da atividade antimicrobiana, foi utilizado o teste de difusão a disco, com cepas de Klebsiella pneumoniae (ATCC13883), Staphylococcus aureus (ATCC 25923) e Escherichia coli (ATCC 25922) e antibióticos padronizados, para o teste o EBE foi utilizado nas concentrações 25mg/mL, 50mg/mL e 100mg/mL. Observou-se a presença de metabólitos secundários Açúcares Redutores, Depsídeos e Depsidonas, Fenóis e Taninos, Antraquinonas e Flavonóides na constituição do EBE. Na avaliação da citoxicidade do EBE a CL50% foi de 853,80µg/mL, apresentando baixa toxicidade. Para o teste antimicrobiano não se observou inibição em nenhuma das concentrações testadas. A presença de algumas classes de metabólitos secundários corrobora em parte com as atividades alegadas pela população, principalmente flavonóides, que apresentam ação hipoglicemiante, em estudos posteriores serão realizados teste para a comprovação desta ação farmacológica.

Palavras-chave: pata-de-vaca, prospecção fitoquímica, ensaio toxicológico, ação Antibacteriana.

 

Abstract: The present study describes the results of preliminary phytochemical screening, Toxicological Artemia salina bioassay and antimicrobial activity in Bauhinia forficata link, known for popularly Pata-de-vaca. The Bauhinia is a pantropical genus, its species are used in the treatment of several infections and diseases, especially diabetes. The phytochemical prospection used crude ethanolic extract (EBE) of the stem bark of Bauhinia forficata Link; the toxicity analyses in Artemia salina for given LC50%. For the evaluation of the antimicrobial activity was used the method of diffusion-disk with strains of Klebsiella pneumoniae (ATCC13883), Staphylococcus aureus (ATCC 25923) and Escherichia coli (ATCC 25922) and standard antibiotics, EBE was used at concentrations of 25mg/mL , 50mg/mL and 100mg/mL. Observed in the phytochemical screening the presence of reducing sugars, Depsídeos  and Depsidonas, phenols and tannins, anthraquinones and flavonoids. For cytotoxicity LC50% was 853.80 mg / mL with low toxicity. To test the antimicrobial no inhibition was observed at any concentration. The presence of some classes of secondary metabolites corroborates in part to the activities alleged by the population, mainly flavonoids, which have hypoglycemic action, more studies to confirm this biological activity must be performed.

Key words: pata-de-vaca, phytochemical screening, toxicology test, antibacterial action.

 

1 Laboratório de Farmacognosia e Fitoquímica, Universidade Federal do Amapá, Rodovia Juscelino Kubistchek, KM-02. Jardim Marco Zero - 68.902-280 - Macapá-AP, Brasil. Telefone: (96) 4009-2925.

 

Literatura Citada

AMARAL, E. A.; SILVA, R.M.G. Avaliação da Toxidade Aguda de Angico (Anadenanthera falcata), Pau-Santo (Kilmeyera coreacea), Aroeira (Myracrodruon urundeuva) e Cipó-de-SãoJoão (Pyrostegia venusta), por meio do bioensaio com Artemia salina. Perquirçre - Revista Eletrônica da Pesquisa, v. 5, n. 5, 2008.

AYRES, M; AYRES, J. M.; AYRES, D.L.; SANTOS, A.S.; Bioestat 5.0. Aplicações estatísticas das áreas das ciências biológicas e médicas. Belém; Sociedade Civil Mamiraua; p.364, 2007.

BÁRBARA, B.S. et al. Análise Fitoquímica de duas Espécies do Gênero Bauhinia e Comparação Farmacológica de Seus Efeitos Hipoglicemiantes. Revista Iniciação Científica, v. 2006-2007, p. 46-59, 2007.

BARBOSA, W.L.R. Etnofarmácia: Fitoterapia Popular e Ciência Farmacêutica. Curitiba-PR. CRV. 2011.

BARBOSA-FILHO, J.M. et al.Plants and their active constituents from South, Central, and North America with hypoglycemic activity. Revista Brasileira de Farmacognosia. v.15, p. 392-413, 2005.

BRASIL. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. – Brasília – Distrito Federal. p.136, 2009.

CAMARGO, M.T.L.A. Amansa-Senhor: a arma dos negros contra seus senhores. Revista Pós Ciências Sociais, v. 4, n. 8, 2007.

CARVALHO, A. C. A. Economia dos produtos florestais nãomadereiros no Estado do Amapá: sustentabilidade e desenvolvimento endógeno. 174 f. Tese de Doutorado - Núcl. de Alt. Estud. Amaz., Universidade Federal do Pará. Belém. 2010.

CARVALHO, L. M.; COSTA, J. A. M.; CARNELOSSI, M. A. G. Qualidade em plantas medicinais. Embrapa Tab. Cost., 2010. 54p. Disponível em <http://www.cpatc.embrapa.br/publicacoes_2010/doc_162.pdf>. Acesso em: 15.12.2013.

DI STASI, L. C. Plantas medicinais: arte e ciência: um guia de estudo interdisciplinar. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, p.230. 1996.

DIAS, J.F.G. et al. Atividade antibacteriana e antifúngica de extratos etanólicos de Aster lanceolatus Willd., Asteraceae. Revista Brasileira de Farmacognosia. v. 16, n.1, p. 83-87, 2006.

ENGEL, I.C. et al. Controle de qualidade de drogas vegetais a base de Bauhinia forficata Link (Fabaceae). Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 18, n. 2, p. 258-264, 2008.

HENTZ, S.M.; SANTIN,N.C. Avaliação da atividade antimicrobiana do óleo essencial de alecrim (Rosmarinus officinalis l.) contra Salmonella sp. Evidência. v. 7, n. 2, p. 93-100, 2007.

JUDD, W.S., CAMPBELL, C.S., KELLOGG, E.A. & STEVENS, P.F. 1999. Plant Systematics: a phylogenetic approach. Sinauer Associates, Sunderland.

KHALIL, N.M. Free Radical Scavenging Profile and Myeloperoxidase Inhibition of Extracts from Antidiabetic Plants: Bauhinia forficata and Cissus sicyoides. Biological Research, v. 41, p. 165-171, 2008.

MARTINS, R. E. et al. Plantas Medicinais, Ed. UFV : Viçosa, p. 155, 1998.

MENEZES, F.S. Hypoglycemic activity of two Brazilian Bauhinia species: Bauhinia forficata L. and Bauhinia monandra Kurz. Revista Brasileira de Farmacognosia. v. 17, n. 1, p. 08-13, 2007.

MEYER, B.N. et al. Brine Shrimp: a convenient general bioassay for active plant constituents. Planta Medicinal. v. 45, p. 31-34, 1982.

NASCIMENTO, J. E. et al. Estudo fitoquímico e bioensaio toxicológico frente a larvas de Artemia salina Leach. De três espécies medicinais do gênero Phyllanthus (Phyllanthaceae). Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 29, p. 143-148, 2008.

OSTROSKY et al. Métodos para avaliação da atividade antimicrobiana e determinação da concentração mínima inibitória (CMI) de plantas medicinais. Revista Brasileira de Farmacognosia v. 18, n. 2, p. 301-307, 2008.

PAULA, K.B.S.; CRUZ-SILVA,C.T.A. Formas de uso medicinal da babosa e camomila pela população urbana de Cascavel, Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Health Sciences, v. 32, n. 2, p. 169-176, 2010.

PIZZOLATTI, M.G. Flavonóides Glicosilados das Folhas e Flores de Bauhinia Forficata (Leguminosae), Química Nova, v.26, n.4, p. 466-469, 2003.

RODRIGUES, K.A.F. et al. Prospecção fitoquímica e atividade moluscicida de folhas de momordica charantia L. Cadernos de Pesquisa, v. 17, n. 2, 2010.

SILVA, K. L. et al. Naturforsch. v. 55, p. 478, 2000.

SIMÕES, C. M. O.; SCHENKEL, E. P.; GOSMANN, G. et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 2ª edição. Editora Universidade/UFRGS. Porto Alegre. 2001.

SIMÕES, C. M. O.; SCHENKEL, E. P.; GOSMANN, G. et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5ª edição. Editora Universidade/UFRGS. Porto Alegre. 2010.