Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Germinação de Sementes e Emergência de Plântulas de Faveira (Clitoria fairchildiana R. A. Howard. - FABACEAE)

DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v4n2p9-14

http://periodicos.unifap.br/index.php/biota/index 

downloadpdf

Breno M. da S. e Silva1 & Fabiano Cesarino2

 

Resumo: Clitoria fairchildiana R.A. Howard, conhecida como faveira, é uma espécie amazônica usada na arborização e na recuperação de áreas degradadas. Todavia, as informações sobre a germinação de sementese emergência de plântulas de faveira são escassas. Desta forma, o objetivo do presente trabalho foi determinar as temperaturas cardeais e o substrato mais adequado para germinação de sementes, assim como, avaliar a influência da profundidade de semeadura na emergência de plântulas de faveira. Para avaliar a temperatura, as sementes foram colocadas em caixas plásticas sobre papel, mantidas em germinadores nas temperaturas constantes de 5, 10, 15, 20, 25, 30, 35, 40 e 45 ºC e com fotoperíodo de 12 horas. Posteriormente, avaliadas por dois critérios de germinação, protrusão da raiz primária e plântula normal. Para avaliar o substrato, as sementes foram colocadas R o em caixas de plástico sobre Plantmax , vermiculita, areia e papel, mantidas em germinadores a 30 C e com R fotoperíodo de 12 horas.Para emergência, foram utilizadas bandejas de plástico contento Plantmax e vermiculita, sobre sombreamento de 50% em casa de vegetação. A faixa temperatura ótima de germinação das sementes de R faveira é de 25 a 30ºC. A germinação de sementes de faveira foi semelhante estatisticamente em Plantmax , vermiculite, areia e papel. Profundidades iguais ou superiores a 2 cm são inadequadas para a emergência de plântulas de faveira.

Palavras-chave: substrato, temperatura, profundidade de semeadura, Leguminosae.

 

Abstract: Clitoria fairchildiana R.A. Howard is a species from the Amazon region with a good potential for the afforestation and restoration of degraded areas. But, information concerning germination and seedling emergence of C. fairchildiana seeds are scarce. The objective of this work was thus to determine the cardinal temperatures and the most adequate substratum for the evaluation of those seeds as well as to evaluate the effects of sowing depth on seedling emergence. The temperatures to which the seeds were subjected were of 5, 10, 15, 20, 25, 30, 35, 40, and 45 °C under a photoperiod of 12 hours. The results were expressed in percentage of seeds with protruding primary R root and percentage of normal seedlings. The substrata were Plantmax , vermiculite, sand, and paper under a R constant temperature of 30 °C and a photoperiod of 12 hours. Seedling emergence was determined in Plantmax and vermiculite under a 50% shading in a green house. The optimum temperature was found between 25 and 35 °C. R Seed germination did not differ for Plantmax , vermiculite, sand, and paper. Sowing depths larger than 2 cm were found inadequate for seedling emergence.

Key words: substrate, temperature, depth of sowing, Leguminosae.

 

1 Doutor em Agronomia (UNESP-Jaboticabal), Professor da Universidade Estadual do Amapá. E-mail: silvabms@hotmail.com
2 Doutor em Biologia Vegetal (UNICAMP), Pesquisador IEPA. E-mail: fabianocesarius@hotmail.com

 

Literatura Citada

AGUIAR, I. B.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M; FIGLIOLIA, M. B. Sementes Florestais Tropicais, ABRATES, Brasília, 1993. 350p.

ARAÚJO-NETO, J. C.; AGUIAR, I. B.; FERREIRA, V. M. Efeito da Temperatura e da Luz na Germinação de Sementes e polyphylla DC. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 26, n.2, p.249-256, 2003. http://dx.doi.org/10.1590/s0100-84042003000200013

BASSEGGIO, J. ; FRANKE, L. B. Condições para germinação de Desmodium incanum DC. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 20, n.1, p.148-152, 1998. http://dx.doi.org/10.17801/0101-3122/rbs.v20n1p148-152

BENINCASA, M. M. P. Análise de crescimento de plantas: noções básicas. 2.ed. Jaboticabal: FUNEP, 2003. 41p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análises de sementes. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395p.

CARNEIRO, M. A. C.; SIQUEIRA, J. O.; MOREIRA, F. M. S.; CARVALHO, D.; BOTELHO, S. A.; JUNIOR, O. J. S. Micorriza arbuscular em espécies arbóreas e arbustivas de ocorrência no sudeste do Brasil. Cerne, Viçosa, v. 4, n.1, p.129-145, 1998.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5 ed. Jaboticabal: FUNEP, 2012. 588p.

FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. (Orgs.). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. 323p.

FLORIANO, E. P. Armazenamento de sementes florestais. Santa Rosa - RS: ANORGS. 10p. UFSM. Armazenamento de sementes. 2004.

GARCIA, S. F.; OLIVEIRA, C.; SILVA, B. M. S. Emergência de plântulas de Tabebuia caraiba (Mart.) Bureau. Ciência Rural, v.42, n.8, p. 1419-1422. 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782012000800014

GOMES, S. M. S.; BRUNO, L. A. Influência da temperatura esubstrato na germinação de sementes de urucum (Bixa orellana L.) Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.14, n.1, p. 47-50, 1992. http://dx.doi.org/10.17801/0101-3122/rbs.v14n1p47-50

LABOURIAU, L. G.; AGUDO, M. On the Physiology of Seed Germination in Salvia hispanica L. I. Temperature Effects. Anais da Academia Brasileira de Ciências. p. 37-56. 1987.

LABOURIAU, L. G. A Germinação das Sementes. Washington: OEA, 1983. 174 p.

LABOURIAU, L. G.; PACHECO, A. On the frequency of isothermal germination in seeds of Dolichos biflorus L. Plant & Cell Physiology, Kioto, v.19, n.3, p.507-512, 1978.

LIMA, J. D. ; ALMEIDA, C. C.; DANTAS, V. A. V.; SILVA, B. M. S.; MORAES, W. S. Efeito da temperatura e do substrato na germinação de sementes de Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul. (Leguminosae, Caesalpinoideae). Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n.4, p.513-518. 2006.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. 1 Ed. Nova Odessa: Plantarum, 1992. 352p.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination aid selection and evaluation for seedling emergence and vigour. Crop Science, v. 2, p. 176- 177, 1962. http://dx.doi.org/10.2135/cropsci1962.0011183X000200020033x

MARCOS-FILHO, J. Fisiologia de Sementes de Plantas Cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2005. 495p.

MINORE, D. Depth on emergence and growth of Douglas-fir, Western Hemlock and Noble for seedlings. Canadian Journal Forestry Research, Quebec, n. 15, p. 935-940. 1985.

MIRANDA, P. R. M.; FERRAZ, I. D. K. Efeito da temperatura na germinação de sementes e morfologia da plântula de Maquira sclerophylla (Ducke) C.C. Berg. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 303-307, 1999.

MOREIRA, F. M. S.; SILVA, M. F.; FARIA S. M. Occurrence of nodulation in legume species in the Amazon region of Brazil. New Phytologist, Cambridge, v.124, n.4, p.563-570, 1992. http://dx.doi.org/10.1111/j.1469-8137.1992.tb01126.x

NOGUEIRA, A. C.; VAZ, E. T. Influência da profundidade de semeadura na germinação e desenvolvimento inicial de Dypterix alata Vog,. In: Congresso Florestal Brasileiro, 7, Curitiba. Anais... Curitiba: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 2: p. 429-431, 1993.

PIMENTEL-GOMES, F. P. Curso de Estatística Experimental. ESALQ: USP, Piracicaba – SP. Nobel. 1987. 467p.

POPINIGIS, F. Fisiologia de Sementes. 2º Ed.. AGIPLAN. Editora Brasília, s.cd. 1985. 289 p.

PORTELA, R. C. Q.; SILVA, I. L.; PINÃ-RODRIGUES, F. C. M. Crescimento inicial de mudas de Clitoria fairchildiana Howard e Peltophorum dubium (Sprenge) Taub. em diferentes condições de sombreamento. Ciência Florestal, v. 11, n. 2, p.163-170, 2001.

SCHIMDT, P. B. Sobre a profundidade ideal de semeadura de mogno (Aguano), Sweitenia macrophylla King. Brasil Florestal, v.5, n. 17, p. 42-47. 1974.

SILVA, B. M. S.; MÔRO, F. V. Aspectos morfológicos do fruto, da semente e desenvolvimento pós-seminal de faveira (Citoria fairchildiana R. A. Howard. - Fabaceae). Revista Brasileira de Sementes, v. 30, n. 3, p. 195-201, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222008000300026

VILLAGOMEZ, Y.; VILLASENOR, R.; SALINAS, J. R. Lineamiento para el funcionamiento de un laboratorio de semillas. Mexico: INIF, 1979. 23p. (Boletín divulgativo, 48).