crosscheckdeposited

A Escritura Pícara de Salma Ferraz

DOI: http://dx.doi.org/10.18305/1679-5520/scripta.uniandrade.v10n1p142-161

http://www.uniandrade.br/revista-scripta-uniandrade.php 

downloadpdf

Christina Ramalho1

  

Resumo: Abordagem aos contos “A felicidade é azul” e “Biscoitos”, da escritora paranaense Salma Ferraz, que, em tom de picardia e irreverência, dá relevo às injunções patriarcais que organizam as relações humanas, destacando, principalmente a partir da simbologia do falo, o comportamento das mulheres diante de situações e temas como o sexo, o casamento, os estereótipos sobre a personalidade masculina, a solidão, a traição e a busca pela experiência amorosa. Considerações teóricas e críticas de Botoso e Coelho sobre a narrativa picaresca, de Nye, Bourdieu e Bauman sobre as relações de gênero e a sociedade, e de Ramalho, sobre a obra de Salma Ferraz, permeiam as reflexões desenvolvidas.

Palavras-chave: Crítica feminista. Conto brasileiro. Salma Ferraz. Conto picaresco.

 

Abstract: Approach to the short stories “A felicidade é azul” and “Biscoitos”, by Salma Ferraz, a writer from Paraná, who, in a tone of irreverence and mischief, gives relief to the patriarchal injunctions that organize human relationships, emphasizing, mainly through the symbology of the phallus, the behavior of women in situations and themes as sex, marriage, stereotypes about male personality, loneliness, betrayal and the search for love experience. Theoretical and critical considerations by Botoso and Coelho about picaresque narrative, by Nye, Bourdieu and Bauman about gender relations and society, and by Ramalho about the narratives of Salma Ferraz permeate the thoughts here developed.

Key words: Gender studies. Brazilian short stories. Salma Ferraz. Picaresque tale.

 

1 ramalhochris@ufs.br Doutora em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora Adjunta de Estágio e Literaturas de Língua Portuguesa da Universidade Federal do Sergipe (UFS).

 

Literatura Citada

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

BOTOSO, Altamir. Narradores pícaros e malandros: um desafio para o leitor. In: REVELLI – Revista de Educação, Linguagem e Literatura da UEGInhumas, v. 3, n. 11, março de 2011, p. 175-195.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

COELHO, Maria Josele Buco. A representação do feminino na picaresca espanhola: el ajuar de las pícaras-putas. In: ROJO, Sara [et al.]. ANAIS do V Congresso Brasileiro de Hispanistas e I Congresso Internacional da Associação Brasileira de Hispanistas. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2009.

FERRAZ, Salma. Nem sempre amar é tudo. Blumenau: Edifurb, 2012.

FERRAZ, Salma. Em nome do homem. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1999.

FERRAZ, Salma. O ateu ambulante. 2. ed. Blumenau: Edifurb, 2004.

FERRAZ, Salma. A ceia dos mortos. 2 . ed. revisada. e ampliada. Blumenau: Edifurb, 2012.

NYE, Andrea. Teoria feminista e as filosofias do homem. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 1995.

RAMALHO, Christina. “Sob o signo do humor e do drama: contos de Salma Ferraz . In: CUNHA, Helena Parente. Quem conta um conto. Estudos sobre contistas brasileiras estreantes nos anos 90 e 2000. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2008, p. 93-120.